Após atacar Lula, Palocci tem delação travada pela Lava Jato. Em benefício de quem?

Ex-ministro havia prometido arrastar políticos com foro, nomes do mercado financeiro e empresas de comunicação para o olho do furacão. Mas Sergio Moro, os procuradores de Curitiba e a PGR demonstram desinteresse, restringindo as acusações de Palocci a Lula
 
 
Jornal GGN – Para se ver livre da prisão e ter penas reduzidas, Antonio Palocci pretendia delatar Lula e uma série de políticos, na intenção de fechar um acordo de delação premiada com a Lava Jato. Mas, na prática, o acordo está travado e as acusações do ex-ministro ficaram restritas a Lula, sendo Palocci um delator informal nas ações penais movidas pelos procuradores de Curitiba – ou seja, não precisa provar nada do que disse.
 
Na reportagem “Perdeu o bonde”, publicada pela revista Piauí nesta quinta (7), há a exposição de alguns motivos para que Palocci tenha tido sua delação travada. E há algumas dilemas, também:
 
– Se Palocci não tem como provar o que diz, seu depoimento contra Lula, na condição de réu e delator informal, não perde valor?
 
– Se a delação tem valor e for usada em novas condenações possivelmente impostas a Lula, por que a própria Lava Jato dificulta o acordo formal? Ou melhor: em benefício de quem?
 
DELATOR SEM PROVAS
 
Um dos motivos citados na matéria para a delação ter travado é curioso porque depõe contra a própria Lava Jato, e foi dito ao repórter por um membro da força-tarefa: Palocci, preso há um ano, dificulmente conseguiria produzir provas que corroborem o que diz que tem a entregar aos procuradores.
 
Por esse ângulo, é mesmo interessante que a Lava Jato de Curitiba mantenha Palocci no time de Léo Pinheiro e Renato Duque: os delatores informais que decidiram disparar contra Lula, na esperança de pelo menos cairem nas graças do juiz Sergio Moro no final do processo.
 
Piauí colheu depoimento do procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa de Curitiba, que endossa essa tese. Disse ele que, na capital paranaense, a Lava Jato já está na “maturidade” e o que Palocci tem a dizer sobre políticos é problema da Procuradoria Geral da República. Trocando em miúdos: que bata em outra porta, o ex-ministro.
 
A DISTÂNCIA DE BRASÍLIA
 
O problema levantado pela reportagem é que, com a substituição de Rodrigo Janot por Raque Dodge, o acesso dos advogados de Palocci aos procuradores da República em Brasília passou a ser pífio. Antes, as conversas eram mais assíduas, tinha até grupo no WhatsApp. Agora, é burocrática, sem interlocução: é preciso ligar na secretaria, seguir os trâmites formais, para agendar um horário na PGR.
 
Um negociador de delações premiada disse à revista, em condição de anonimato: “Nos tempos do Janot, a PGR era um restaurante repleto de advogados propondo colaborações premiadas, com ‘garçons’ da PGR circulando de mesa em mesa, ouvindo os pedidos, cozinha a todo vapor. Agora, quase todos os assentos estão vazios, mas é difícil chamar a atenção de um atendente.”
 
DESINTERESSE EM CURITIBA
 
Ao final, a impressão que se tem a partir da leitura da reportagem é que alguém não quer que Palocci seja um delato formal. Não há interesse em ouvir o que o ex-ministro tem a falar sobre políticos com foro, nomes do mercado financeiro ou dos meios de comunicação.
 
Seria uma novidade se o juiz Sergio Moro já não tivesse desprezado a delação de Palocci em um de seus despachos. Ao condenar Palocci a 8 anos de prisão, Moro escreveu que a oferta de delação feita pelo ex-ministro soava mais como uma “ameça” ou um pedido de socorro a algum poderoso do que uma “verdadeira” tentativa de colaborar com a Justiça.
 
Desde então, os procuradores de Curitiba passaram a demonstrar desinteresse pelo que Palocci teria a dizer.
 
 

10 comentários

  1. O “desinteresse” da LavaBunda

    O “desinteresse” da LavaBunda nao eh exatamente porque Palocci nao tem como provar o que vai entregar…

    Eh o contrario.

  2. Lula, presidente por oito

    Lula, presidente por oito anos, e segundo o Ministério Público, “chefe de quadrilha”, de um esquema de corrupção gigantesco, que desviou na ordem das centenas de bilhões de reais. O pagamento para ele? Um apartamento de 200 m2, que ele nunca usou e não está em seu nome, e uma reforma num sítio de um amigo. E nem disso eles tem provas. Oras, vão te catar, seus tradores do povo, deixem Lula em paz. 

  3. sempre acreditei nisso, Ivan…

    que o primeiro que chegasse com provas concretas contra todos, incluindo mídia, tucanos e banqueiros, ía causar maior correria e o travamento de todo o sistema de negócios com delações

  4. Não precisa delatar para eles

    LEI Nº 12.850, DE 2 DE AGOSTO DE 2013. artigo 4º, :

    § 6o  O juiz não participará das negociações realizadas entre as partes para a formalização do acordo de colaboração, que ocorrerá entre o delegado de polícia, o investigado e o defensor, com a manifestação do Ministério Público, ou, conforme o caso, entre o Ministério Público e o investigado ou acusado e seu defensor.

    Como podemos ver, na lei da delação premiada, o acordo não necessita ser somente com o Ministerio Publico, pode ser realizado com um delegado de policia.

    Será que não existe um delegado de policia com vontade de ouvi-lo?

     

  5. Eu acho que a dó, a

    Eu acho que a dó, a comiseração é o pior sentimento que alguém pode sentir por outra pessoa. Pois eu tenho dó do Palocci Os lavajateiros o reduziram a um ser humano rastejante e miserável. Depois de toda aquela humilhação no depoimento contra o Lula foi desprezado como um cão sarnento.

    Já os lavajateiros que humilham, amedrontam, destroem pessoas merecem o meu desprezo. Estão em degraus mais baixos, muito mais baixos da condição humana do que os alcaguetes que foram humilhados. 

  6. A lava jato já percebeu que o

    A lava jato já percebeu que o povo tá acordando e que não adianta pessoas delarem sem provas contra uma pessoa de bem como o presidente Lula. A lava jato nunca teve brilho próprio, o Lula sempre teve. Palloci deve tá sofrendo a dor dos traidores sem provas. Acusou o amigo sem provas, isso o deixa numa situação lamentável… 

  7. Explicando a matéria da Piaui

    Explicando a matéria da Piaui e seu reforço na delação do Palocci. A Veja desta semana traz denuncia de Palocci de que a campanha de Lula recebeu dinheiro de Muamar Khadafi, que Alá o tenha. 

    Ora, ora, vão atrelar o Lula ao Isis e aos mulçumanos agora. A determinação da prisão da Cristina Kirchiner por um juiz padrão Moro da Argentina deve ter recebido a mesma ordem dos americanos.

    Isso porque o Nassif disse que o padrão de jornalismo da Veja tinha melhorado.

    Eita país vergonhoso!

  8. Creio estejam todos

    Creio estejam todos enganados.

    Palocci está sendo mantido seguro para o “gran finale”.

    Este será em meados do ano que vem, abril, maio ? Nas vésperas do julgamento do Lula em segunda instância, Palocci virá com outra “bomba”, evidentemente contra Lula para jugar com a mídia mais uma pressão sobre os desembargadores do TRF4.

    É esperar para ver.

    Faz todo sentido.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome