Depois de passar risco de aprovação na Câmara, financiamento privado vai ser liberado por Gilmar Mendes

O ministro do STF devolverá vista do financiamento de campanhas no fim de junho

Jornal GGN – Enquanto o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), obtem derrota na Casa com a rejeição do Plenário pela permissão de empresas financiarem as campanhas eleitorais, no Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de vista que barra a tramitação na Corte do financiamento empresarial só deve ser retomado no segundo semestre deste ano.
 
Isso porque o ministro Gilmar Mendes, autor do pedido de vista da ação (ADI 4650) desde 2014, afirmou que liberará o processo para julgamento no final de junho. Como a Suprema Corte e tribunais entram em recesso em julho, o caso só deve voltar a ser discutido pelo STF a partir de agosto. 
 
Até lá, pontos importantes da reforma política correm o risco de serem definidos pelas mãos de Cunha na Câmara – o que recebe o aval do próprio ministro Gilmar Mendes, que argumenta que o financiamento de campanhas políticas deve ser decidido pelo Congresso e não pela Justiça.
 
 
Com informações do JOTA.Info
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  MPF acusa BHP e Vale de articular ação para reduzir indenização de vítimas do desastre de Mariana

14 comentários

  1. Ele tem até o final de julho para esperar

    o Cunha por a matéria de novo em votação mais quantas vezes for preciso, mudando uma vírgula para dizer que é outra matéria, até o resultado ser do jeito que ele quer. O problema já não é mais apenas de falta de vergonha na cara, é de falta de carácter mesmo.

  2. Com canalha em serie eh

    Com canalha em serie eh assim:  ate pra jogar limpo eles jogam sujo.  Palavra de Ivan Moraes.

  3. Escroto.

    Sempre que vejo a figura escrota do Gilmar Dantas, a palavra que me vem à mente imediatamente é ESCROTO!

    Agora, seus coleguinhas no STF também não deixam por menos ao não se manifestarem em plenário contra essa escrotidão do GD.

  4. Gilmar é o atual Eduardo Cunha do STF…

    … E tenta agora, arrastar ainda mais para que o fim da doação privada não chegue a tempo de ser proibida para as eleições municipais de 2016.

    Mudou o fim com a votação de ontem, mas se utiliza do mesmo meo. O descompromisso com o Povo.

    Gilmar é o PiG em forma humana!! Lamentavel a passividade para com ele. Lamentável!

  5. Lewandowski coloca Gilmar em seu devido lugar

    s ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, travaram uma discussão tensa nesta quarta-feira (27) durante julgamento de mudanças nas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

    Durante a sessão, Lewandowski, atual presidente do STF, disse que Mendes havia levantado uma “questão política” quando criticava o governo por aumentar verbas para o programa no ano passado e depois cortar após o fim da disputa eleitoral. Exaltado, Mendes perguntou se Lewandowski iria “censurar” seu voto.

    “Há essa elevação significativa de valores num ano. R$ 5 bilhões em 2013, vamos para R$ 12 bilhões em 2014 e se diz agora que não tem dinheiro. Isso tem nome”, afirmou Gilmar Mendes.

    “É política que não tem nada a ver conosco. Uma coisa uma coisa outra coisa outra coisa”, disse Lewandowski em seguida.

    “Vossa excelência vai censurar meu voto?”, indagou Gilmar Mendes.

    “Não estou censurando voto. Estou dizendo sobre uma questão jurídica, o senhor está dizendo questão política”, respondeu Lewandowski.

    “Muda para novos contratos e dizer que isso não é [questão] jurídica…”, rebateu Gilmar Mendes.

    • Como assim?
      O PSDB, o DEMo, o

      Como assim?

      O PSDB, o DEMo, o PMDB e todos os outros continuam absolutamente livres para receberem dinheiro de empresas. A decisão do PT só vincula o próprio PT.

  6. Não é possível que não exista

    Não é possível que não exista uma maneira de colocar um basta nesta farra que andam fazendo?

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome