Desvios na Saúde do Rio chegam a secretário de Doria, Alexandre Baldy

Acusações partiram de ex-diretores da Pró-Saúde, que indicaram pagamentos ilícitos a agentes públicos que intercederam em contratos públicos

Baldy em audiência com Jair Bolsonaro, em janeiro de 2019 - Foto: Edsom Leite/Ascom

Jornal GGN – Alexandre Baldy (PP), hoje secretário estadual de Transportes do governo de São Paulo, liderado por João Dória (PSDB), foi preso na manhã desta quinta (06). Ele é investigado em esquema de pagamento de vantagens indevidas a organização criminosa, que detinha cotratos junto ao poder público.

Chamada de Dardanários, é um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro, que apura esquemas de corrupção na área da saúde. Além da prisão de Baldy, foram cumpridos outros cinco mandados de prisão temporária e 11 de busca e apreensão pela 7ª Vara Federal do Rio, comandanda pelo juiz Marcelo Bretas.

Apesar da autorização partir da Justiça de piso do Rio de Janeiro, Baldy é secretário do governo paulista de João Dória desde o início de seu mandato, no ano passado. Ele também atuou como ministro das Cidades do governo de Michel Temer e foi deputado federal por Goiás.

Segundo o Ministério Público Federal do Rio (MPF-RJ), as acusações que levaram a esse desdobramento partiram de ex-diretores da Organização Social Pró-Saúde, que indicaram pagamentos ilícitos a agentes públicos que supostamente intercederam a favor da organização em contratos públicos.

O caso se centrou no Rio de Janeiro, aonde a entidade teria obtido o superfaturamento de contratos, gerando uma espécie de caixa 2 da organização, que seria responsável por cerca da metade do faturamento nacional da Pró-Saúde, que saltou de R$ 750 milhões em 2013 para R$ 1 bilhão em 2014 e R$ 1,5 bilhão em 2015.

Leia também:  Transparência dos partidos políticos segue como tabu

Segundo os investigadores, “com o sucesso da empreitada criminosa, os agentes prosseguiram intermediando os interesses dos ex-diretores da Pró-Saúde na obtenção de contratos de sua empresa recém-criada com outros órgãos da administração pública, mediante o pagamento de um percentual a título de vantagens indevidas”.

O caso teria se estendido para contratos da Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg) e da Fiocruz, por meio da Fiotec. As ordens judiciais foram cumpridas em São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Petrópolis (RJ), Brasília (DF) e Goiânia (GO).

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Tem um erro no título do post: Não foi o desvio que chegou ao secretário do boneco de plástico. Foi ele que chegou no desvio.
    Os iguais ,neste caso,se atraem.

  2. Mais um que votou pelo golpe em Dilma e agradeceu a Deus pela oportunidade que teve de, com o voto, acabar com a roubalheira e o desvio de dinheiro público…
    realmente são uns canalhas da pior espécie todos os que aparecem felizes e sorridentes em fotos com Bolsonaro.
    ,
    Quem souber de algum honesto que tenha contribuído para a desgraça que se abateu sobre o Brasil depois do golpe, por favor, me avise que eu excluo da lista com todos.

    Nem Deus? parece!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome