Emenda da MP dos Ministérios diminui poder da Receita em investigações

Para o presidente do Sindireceita, medida é contrária à bandeira defendida pelo próprio mandatário Jair Bolsonaro em "combate à corrupção"

Foto: Divulgação

Jornal GGN – A Medida Provisória 870, que altera alguns dos Ministérios e suas competências, traz um trecho que pode reduzir o poder de atuação da Receita Federal em ações de fiscalização e combate a corrupção, como crimes de caixa dois, evasão de divisas, lavagem de dinheiro, entre outros.

Essa alteração está presente em uma emenda incluída na MP, que altera a Lei 10.593, impedindo que a Receita comparta indícios de crimes diversos, durante a apuração de crimes de ordem tributária ou aduaneiro, com outros órgãos de investigação ou autoridades, por manter o sigilo de informações bancárias e fiscais do investigado. Para esse acesso, seria preciso uma ordem judicial.

A medida vai na contramão do que vem sendo decidido atualmente. Na última ocasião, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou um memorial aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo o compartilhamento de informações bancárias e fiscais obtidos por investigadores da Fazenda com o Ministério Público.

O STF também vem se posicionando nessa mesma linha, reconhecendo a legalidade da utilização de provas obtidas pelo Fisco para apurações de crimes penais. “Se essa MP for aprovada com a inclusão dessa emenda, esforços empreendidos no País para combater a corrupção serão comprometidos”, defendeu o presidente do Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita), Geraldo Seixas.

A crítica de Seixas foi diretamente ao governo de Jair Bolsonaro: “não faz sentido, especialmente, após uma eleição presidencial marcada pelo forte discurso de combate à corrupção que se desmonte as estruturas de controle e que se crie no País dificuldades para a atuação integrada desses órgãos”, afirmou.

Leia também:  Operação requentada da Lava Jato visa desviar atenção das manobras de Bolsonaro com Receita, por Luis Nassif

“Essa emenda segue em sentido contrário às boas práticas internacionais que avançam, cada vez mais, no sentido da integração de órgãos de controle, de inteligência e de combate a crimes como corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas que estão interligados ao crime organizado”, continuou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome