Enquanto mídia faz silêncio sobre Duran, Moro aguarda cooperação com Espanha

Foto: Lula Marques
 
 
Jornal GGN – Enquanto a imprensa tradicional e a Lava Jato fazem silêncio quase absoluto sobre o depoimento de Rodrigo Tacla Duran contra o amigo pessoal de Sergio Moro, Carlos Zucolotto, o juiz de Curitiba aguarda uma resposta sobre um pedido de cooperação internacional com a Espanha, feito em setembro com o intuito de processar o ex-advogado da Odebrecht no Brasil.
 
Na semana passada, Tacla Duran prestou depoimento à CPMI da JBS e reafirmou a acusação de que Carlos Zucolotto, compadre de Moro, cobrou 5 milhões de dólares em propina para melhorar uma proposta de delação premiada discutida com os procuradores liderados por Deltan Dallagnol.
 
A grande mídia não deu destaque às declarações de Duran nem incomodou Moro ou a força-tarefa para que fizessem um contraponto às acusações. Somente no domingo (3) à noite é que Rosângela Moro decidiu romper parcialmente o silêncio e publicou uma foto no Instagram, em apoio de Zucolotto. A mensagem dizia que ele era “gente boa” e que o “tempo vai esclarecer tudo”.
 
Enquanto isso, Moro aguarda a conclusão do processo para que o Ministério Público da Espanha possivelmente ajude no julgamento de Duran no Brasil.
 
Ontem, o GGN publicou video de Joaquim Carvalho, do DCM, explicando que a decisão de Moro de processar Tacla Duran em Curitiba vai na contramão do posicionamento da corte espanhola que negou a extradição do advogado.
 
Por unanimidade, 17 juízes disseram a Moro que Duran tem direito a ser processado na Espanha e, dessa maneira, o juiz da Lava Jato deveria enviar os autos para aquele País.
 
https://www.youtube.com/watch?v=q8fgO4wsmpY width:700 height:394
 
Ao tomar conhecimento da negativa da extradição, Moro decidiu, em 18 de setembro, pedir apoio do MP espanhol para intimar Duran a voltar ao Brasil para depor.
 
“Expeça a Secretaria pedido de cooperação jurídica internacional tendo por base o Acordo de Cooperação e Auxílio Mútuo em Matéria Penal entre a República Federativa do Brasil e o Reino da Espanha celebrado em 22/05/2006 e promulgado no Brasil pelo Decreto nº 6.681, de 08/12/2008. Por meio dele solicite-se a citação de Rodrigo Tacla Duran para responder à ação penal com prazo de dez dias para apresentar resposta. Solicite-se ainda a intimação para comparecimento em audiência no prazo de 10 dias úteis perante este Juízo para viabilizar a continuidade da ação penal, sob pena de revelia”, escreveu.
 
Também no despacho de 18 de setembro, Moro estabeleceu que assim que o pedido de cooperação estivesse pronto, que fosse enviado aos procuradores de Curitiba, que deveriam, por sua vez, traduzir para o espanhol o documento junto com a denúncia, e depois encaminhar tudo ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica (DRAC) do Ministério da Justiça, que deveria acionar as autoridades espanholas.
 
Exatamente um mês depois, o MPF protocolou entregou a Moro petição referente ao ao pedido de cooperação internacional e, no dia 18 de outubro, quando expirou o prazo para tradução das peças, um ofício relacionado ao assunto foi expedido pela Vara de Moro.
 
Desde então, não houve movimentação processual registrada no sistema do TRF4.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Impasse pode levar processo contra Lula à prescrição

16 comentários

  1. Pelo modelo universal de

    Pelo modelo universal de acordos de cooperação judiciaria, a autoridade PARTE do Acordo é sempre o MINISTERIO DA JUSTIÇA de cada Pais, porqu só o Poder Executivo tem soberania para assinar e operar acordos de cooperação judiciaria.

    O Ministerio da Justiça do Brasil irresponsavelmente ABRIU MÃO de sua autoridade sobre esses acordos, delegando a PGR

    esse poder, perdendo assim o controle da operação desses acordos. A PGR não é poder soberano para operar no Exterior,

    aliás no texto desses Acordos é citada como AUTORIDADE CENTRAL sempre o Ministerio da Justiça e ninguem mais.

    Então todas as tratativas DEVERIAM ser feitas via a Embaixada do Brasil em Madrid e nunca diretamente de um juiz brasileiro com autoridades espanholas.

    Esse foi o CAOS que o Governo Dilma instaurou no Poder, depois alguns se queixam de golpe, quem arrombou as portas foi

    a irresponsabilidade do Ministerio da Justiça que perdeu o controle sobre esses Acordos onde o Brasil é sempre perdedor.

    • Moro é um criminoso

      Moro é um criminoso egocêntrico que é incompetente para o cargo de juíz (há fortes suspeitas de que ele “ganhou” o cargo sem ter nenhuma qualificação para o mesmo), você espera que ele saberia respeitar os procedimentos corretos? E principalmente quando ele mesmo sabe que os crimes que ele está inputando contra o advogado são uma farsa sem provas? Os espanhóis devem ter jogado a “petição” dele no lixo se a mesma chegou a ser entregue.

    • Neste caso, basta que as

      Neste caso, basta que as partes interessadas, por meio de seus advogados, entrem com ação pedindo a anulação destes acordos e tratativas feitas por agentes manifestamente incompetentes para os atos que praticaram.

  2. O papel da midia brasileira na Lava Jato

    Ele não esta em Portugal? Quem sabe ele não vai dar uma passada em Madri para fazer lobby com os juizes espanhois… E o Taclan Duran tem que se precaver porque os procuradores e Sergio Moro têm costume do uso de ma-fé em seus processos.

    • “O tempo vai esclarecer tudo”…

      Essa afirmação da Mrs. Moro pode não ser algo assim tão sem nexo. Lembra o caso do Pizzolato? Num primeiro momento a Itália tb negou a extradição. Depois, “reconsiderou” e ele foi extraditado. Possivelmente, por pressão de forças (nem tão) ocultas. Pode-se argumentar que o processo do mensalão  foi o embrião do golpe, agora já consumado. Mas, quem sabe? Se as forças (nem tão) ocultas não permitirem qq desvio no roteiro, a Espanha pode ceder.

  3. Moleque birrento que põe a bola debaixo do braço quando perde

    Esse juiz canalha, criminoso de quatro costados, hoje aboletado na 13ª VJF de Curitiba, com todas as regalias, mamatas, penduricalhos, vitaliciedade no cargo e garantia de impunidade, age como aqueles moleques birrentos e brigões, que após tomar um chapéu, uma ‘caneta’ um gol no ângulo, faz beicinho, se emburra, coloca a bola embaixo do braço e diz para os colegas: “assim não brinco mais”

    O torquemada das araucárias, bajulado pelo PIG/PPV e pelos comparsas na ORCRIM lavajateira e na cúpula do judiciário brasileiro, se acha com jurisdição mundial; ele agora quer procesar e julgar à revelia um cidadão espanhol, cuja extradição ao Brasil foi negada pelas autoridades judiciasi espanholas, negando-se a cumprir acordos internacionais de que o Brasil é signatário. As autoridades espanholas requerem ao torquemada o envio das provas, para que Rodrigo Tacla Durán possa ser julgado na Espanha. Como o torquemada não tem essas provas (na Espanha as delações premiadas não têm valor como prova judicial) ele ‘põe banca’ e ameça ‘julgar Tacla Durán à revelia”, aqui no Brasil.

    Esse “pirrinchim” do torquemada araucariano não terá coseqüência prática nenhuma, a não ser alguma manchete lisonjeira e sabuja por parte do PIG/PPV e aplusos dos comparsas lavajateiros. Mas garante a esse criminoso de toga alguns holofotes fugazes, nessa fase de ocaso vexatório que já se iniciou com o depoimento bombástico de Tacla Durán à CPMI da JBS, desmascarando, desnudando e expondo as entranhas pútridas e fétidas da ORCRIM lavajateira à luz solar, agora de forma oficial, com valor de prova.

     

  4. Deve ter tanta sujeira

    Deve ter tanta sujeira envolvendo Moro, procuradores, PF, advogados da turma da VazaJato que a gente nem imagina é só ficaremos sabendo tudo daqui uns anos, talvez décadas, mas aí o crime já terá expirado e vai ficar por isso mesmo. Imagina ter que sair do seu país e ir pra um outro levando toda a família apenas para ter o direito de ser julgado por gente imparcial? Se houvesse justiça, deveria quebrar o sigilo bancário de toda essa patota. Falando nisso, a PF encontrou as malas de dinheiro de corrupção que “perderam”? 

    • Todos os sigilos dos lavajateiros devem ser quebrados

      Cara Érica,

      Tua idéia é compartilhada por mim e por milhões de brasileiros. vou mais longe: TODOs os sigilos (bancário, telefônico, fiscal, telemático e de correspondência) desses lavajateiros devem ser quebrados. Se eles são muito ‘limpinhos’ e ‘impolutos’, que problema há em ser transparentes, mostrando as transações financeiras e as ‘negociações’ que fizeram?

      Mas isso só seria possível se a cúpula do PJ, os tribunais superiores e o STF, não fosse ela mesma integrante das ORCRIMs judiciárias e parceira da Fraude a Jato na trama golpista.

  5. Moro: um infâme criminoso

    O procurador Márcio Sotelo Felippe demonstrou os crimes cometidos por Moro no processo contra Lula.

    O detalhamento está no artigo “Moro vs Lula: esse crime chamado justiça”. (site Justificando).

    Quando a canoa virar, o infâme Moro sentirá as delícias de ser o que é.  Amém !!!

  6. Pelo andar da carruagem…

    Se bem conheço uns e outros, o MiSHELL Temer já deve estar analisando a possibilidade de fazer um novo Tratado de Tordesilhas, com alguns toques de modernidade. Entrega-se, digamos, Sergipe à Espanha, e… bingo! Sai o tal acordo de cooperação internacional. Serra e o “primo” espanhol se dispõem a ajudar no que for preciso…

  7. Porque o Moro não expede um mandado de condução coercitiva?

    Ah, o $érgio Moro deveria expedir um mandado de condução coercitiva do Tacla Duran.

  8. Essa mundiça faz o que faz

    Essa mundiça faz o que faz porque sabe com que povo está tratando. Se não mexer nas novelas da noite e nem nos Big Brother, o resto, pode fazer o que quiser; Ninguém tá ligando pra porra nenhuma. É como aquela história de botar o sapo na panela que está no fogo: Se a água estiver fria, ele vai morrer cozido e não reage.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome