Esquema entre Cabral e herdeiro dos ônibus movimentou R$ 500 mi de propina

A moeda de troca para os empresários do transporte era o aumento da passagem de ônibus
 
 
Jornal GGN – O esquema de corrupção deflagrado pela Operação Ponto Final, que prendeu nesta segunda-feira (03) o empresário Jacob Barata Filho; o presidente da Federação das Empresas de Transportes do Estado, Lélis Teixeira, e o ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviários Rogério Onofre, teria arrecadado ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) R$ 122,8 milhões de propinas.
 
A quantia teria sido recebida entre os anos de 2010 e 2016, podendo ter beneficiado também o seu vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB), em 2014. No total, o esquema teria movimentado R$ 500 milhões, com propinas a políticos e agentes públicos, segundo os investigadores.
 
Além do empresário Jacob Barata Filho, conhecido como o herdeiro do “Rei dos Ônibus” pelos negócios na área de transporte público, o esquema teria sido acertado com o próprio governo do Estado do Rio.
 
“Os pagamentos de propinas foram feitos nos moldes dos realizados pelas empreiteiras, só que dessa vez no setor de transporte público com o objetivo de garantir tarifas e contratos com o Governo do Estado do Rio”, informou o Ministério Público Federal (MPF).
 
O ex-presidente do Detro recebeu R$ 44 milhões de propinas, recolhidos nas empresas de ônibus que tem Jacob como sócio e herdeiro. Segundo os procuradores da República, existiam quatro núcleos para viabilizar as irregularidades.
 
O núcleo econômico, com os executivos das empresas que se organizavam em cartel, a exemplo do que ocorria com as empreiteiras na Petrobras; o núcleo administrativo, com os agentes públicos que faziam a ponte com o governo do Rio e solicitavam e recebiam propinas; o núcleo operacional, que fazia a lavagem do dinheiro; e o núcleo político, que segundo o MPF envolvia Cabral.
 
Entre os benefícios, em troca do pagamento de propina, as empresas de ônibus ganhavam a autorização para o reajuste das tarifas e isenções me pagamento de IPVA e ICMS. 
 
As investigações partiram das Operações Calicute e Eficiência, no âmbito da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, com as delações premiadas do doleiro Álvaro Novis e do ex-presidente do Tribunal de Contas do Rio, Jonas Lopes. Ao todo, foram cumpridos 9 mandados de prisão preventiva, 3 de prisão temporária e 30 de buscas e apreensões.
 
Em depoimento à força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro, Novis, que era considerado o operador financeiro, afirmou que a propina era recolhida em espécie nas garagens das empresas de ônibus. 
 
“O colaborador Álvaro Novis acostou pendrive com a planilha indicativa do movimento paralelo, entre os anos de 2010 a 2016, pelos empresários, notadamente pagamento José Carlos Lavouras, Lélis Marcos Teixeira, Jacob Barata Filho e João Augusto Monteiro. Na contabilidade, foram apurados apontou o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, no despacho que autorizou as prisões e mandados.
 
As acusações são de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva e crime contra o sistema financeiro. “Sempre que havia reajuste das passagens, cada membro da organização criminosa recebia um ‘prêmio’. É um dos esquemas criminosos mais antigos do Estado do Rio e um dos mais maléficos, porque prejudica a população de baixa renda, que paga tarifas caras”, disse o procurador da República, Eduardo El Hage, à imprensa.
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  STF mantém poder de veto dos ministros a atos do Executivo e Legislativo

2 comentários

  1. esquema…..

    Mas não limitemos a notícia, pelo contrário, a ampliemos. A passagem no RJ é muito diferente do restante do país? Não !! Então, o esquema dos polítcos da cidade e do estado do RJ, é exatamente igual ao restante do país. E você achando que seu Prefeito estava preocupado se você poderia voltar para casa ou não?! Se os seus flhos poderiam ir para a Escola?! Bandidos passeam pelas cidades. Mas se você colocar uma van para fazer transporte público, logo aparecerão toda a força policial do seu município Por que será? Preocupação com sua segurança? E Trens e Metrô, será diferente? Você acredita? E Governadores e Prefeitos, ainda dizem colocar bilhões no sistema para o perfeito funcionamento do serviço mediocre. A investigação da  caixa de extorsão do Transporte Público, morreu junto com Celso Daniel? O problema da Politica no Brasil é o Capitalismo? Ou o problema do Capitalismo no Brasil é a Politica? Quem extorque quem?  Quem tem o Poder, as leis, a Justiça, os Juízes, a Policia para este fim?     

  2. Parte da reação às derrotas em Brasília

    Folha confirmou – com off 3 dias depois! – tudo isto aqui que antecipamos na quinta passada (!):

    ATENÇÃO: NÃO SEJA ENGANADO! MORO E DALLAGNOL – E A GLOBO! – FORAM DERROTADOS NO STF

    Ou:

    (título alternativo)

    “Tempos estranhíssimos: foi necessária a boca ~suja~ de Gilmar Mendes para lavar a alma do Estado democrático de Direito no STF”

    Por Romulus

    – Além da decisão do STF ser um NADA (“conteúdo”?)…

    – Esse NADA não se aplica a…

    – … NINGUÉM!

    – Sensacional, não?

    – Em resumo, o acórdão é uma…

    – … declaração de intenções (!)

    – Perfeitamente inócuo juridicamente, mas com uma mensagem “política” clara:

    (1) “Os Ministros do STF são um bando de frouxos”;

    (como bem disse Lula, grampeado por… Moro!)

    Que…

    (2) decidem… ~não~ decidir (!);

    E que…

    (3) enfrentarão o pepino das delações caso a caso (opa!), à la carte, sem definir uma regra geral ~clara~.

    Sabe qual a hashtag que isso tudo aí chama??

    #Acordão!!

     

    LEIA MAIS »

     

    http://www.romulusbr.com/2017/06/atencao-nao-seja-enganado-moro-e.html

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome