Exclusivo: Janot juntou extratos bancários falsos na denúncia contra Temer, por Joaquim de Carvalho

Nova postagem da série sobre a indústria da delação premiada da Lava Jato, feita em conjunto pelo Jornal GGN e o DCM. Outras matérias da série podem ser vistas aqui.

Exclusivo: Janot juntou extratos bancários falsos na denúncia contra Temer

por Joaquim de Carvalho

Há muitas maneiras de demonstrar que Michel Temer comandava um esquema de corrupção a partir do controle que tem sobre a Câmara dos Deputados — as fotos de dinheiro no apartamento de Geddel Vieira Lima e as imagens de Rodrigo Rocha Loures carregando mala com propina são eloquentes.

Mas, na denúncia criminal de 245 páginas apresentada por Rodrigo Janot, uma das provas juntadas não resiste a uma perícia.

São dois extratos bancários do Meinl Bank, que aparecem nas páginas 75 e 77 da denúncia apresentada por Janot, com a transferência de 3,3 milhões de dólares, que supostamente seriam destinados ao esquema de Michel Temer, por conta de contratos com a Petrobras.

No primeiro extrato, aparece uma transferência de 1 milhão de dólares da offshore Trident para a espanhola GVTEL, de Rodrigo Tacla Durán, em setembro de 2011. Trident era uma das offshores usadas pela Odebrecht através da movimentação bancária do Meinl.

Pela denúncia, Tacla Durán recebia dólares lá fora, através de offshores como a Trident,  e tratava de fazer chegar o correspondente em reais a destinatários no Brasil.

No segundo extrato, com data de 12 de fevereiro de 2012, a mesma Trident transfere 2,3 milhões de dólares para a GVTEL. Há outros extratos que acompanham a denúncia e a simples comparação entre eles revela indício de fraude.

Nos dois extratos, o campo que identifica o número da conta (account number) está com a palavra number cortada no R, diferente dos outros extratos, aparentemente verdadeiros.

Poderia ser falha de impressão, mas a ampliação da imagem mostra uma montagem grosseira. Os extratos foram feitos em planilha Excel, provavelmente para dar coerência a delações e servir como prova a acusações de corrupção.

Nessa parte da denúncia, que trata da corrupção na Petrobras, a denúncia é generosa em descrição de eventos por delatores, mas miserável na apresentação de provas.

Janot apresenta a descrição de uma reunião que teria ocorrido no dia 15 de julho de 2010, quando Temer era candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff.

Leia também:  Vice-líder do governo Bolsonaro é pego com dinheiro na cueca em ação da PF

Este é o trecho do depoimento prestado pelo executivo da Odebrecht Márcio Faria da Silva, em que relata o encontro com Temer, para bater o martelo na propina associada a um contrato na Petrobras, o da sonda da Samsung:

Num belo dia eu recebo um e-mail do Rogério, convocando pra uma reunião que ele chamou de cúpula do PMDB. ‘Bom Márcio, a reunião vai ser dia 15/ 07/ 2010’ [..] E falou, olha: ‘o local da reunião é no escritório político, na Rua António (inaudível), 470, bem próximo da Praça Panamericana’. […] Chegando lá eu soube que se tratava do escritório político do sr. MICHEL TEMER, à época candidato a Vice-Presidente da República na chapa com a Dilma [..] Chegando, nos anunciamos, nos colocaram na sala, numa salinha de espera por muito pouco tempo. Chegando na sala, cumprimentei o ex-deputado EDUARDO CUNHA, que estava também já na sala de espera; a gente cumprimentou e logo logo fomos anunciados, fomos anunciados, entramos numa sala maior e nessa sala estava presente o MICHEL TEMER, ele sentou na cabeceira […J, eu sentei aqui, Rogério aqui, do lado de lá EDUARDO CUNHA, o Deputado HENRIQUE EDUARDO ALVES e o João Augusto mais atrás. Foi assim que nós chegamos e ficamos na reunião […I Foi às apresentações, porque eu não conhecia nem o TEMER, o MICHEL TEMER, nem conhecia o Deputado HENRIQUE EDUARDO ALVES; apresentações, muitas amenidades, falamos da política, como é que seria; eu que não conhecia, foi a única vez que tive com o TEMER; perguntei ‘Dr. como é que é ser Vice-Presidente da Dilma, eu não conheço a Dilma, dizem que é uma pessoa muito complicada’. Aí o pessoal riu, aquela coisa toda, e pra minha surpresa, ele, até com intimidade pra quem nunca o tinha visto, falou: Não, se acontecer qualquer coisa aí, esses dois, esses rapazes aqui’, ele apontou pros dois Deputados, HENRIQUE EDUARDO ALVES e EDUARDO CUNHA, falou: ‘não, pode deixar que ela vem e fica aqui; esse jovens, esses rapazes resolvem pra mim lá, não estou preocupado’.

As cenas descritas são fortes, mas faltam provas. Os extratos apresentados por Janot foram levados por Rodrigo Tacla Durán a um perito de Madri, na Espanha, onde Tacla Durán reside. Ele pretende apresentá-los no depoimento marcado para o dia 30, na CPMI da JBS, através de videoconferência.

Leia também:  Suspeição de Moro será julgada no começo de 2021, diz Gilmar Mendes

Tacla Durán já declarou que estranha a razão pela qual seu nome foi incluído na denúncia de Michel Temer sem que, ao mesmo tempo, ele fosse denunciado com Temer, já que seria um operador do esquema do PMDB.

A explicação que encontra é a de que, uma vez denunciado com Temer, seu processo deixaria a Vara de Sergio Moro, em Curitiba, e iria para o Supremo Tribunal Federal, onde as negociações seriam diferentes, com outros interlocutores. E aparentemente Moro não quer perder o controle sobre o advogado.

Tanto é assim que Moro não acatou a orientação do Audiência Nacional da Espanha para que enviasse o processo contra Tacla Durán para lá, a fim de que, analisando as provas, a justiça espanhola decida se processa ou não o advogado.

Na Espanha, delações não aceitas nem como indício de crime, o que reduz a chance de ser processado lá — a recusa do processo pela Espanha significaria a desmoralização completa da Lava Jato.

O país rejeita esse tipo de procedimento — a delação —  em razão que aconteceu durante a ditadura de Franco. Com base em delações, houve perseguição política.

Moro não mandou o processo, mas deu sequência à ação criminal no Brasil. Ele tenta citar Tacla Durán, para que, em dez dias, responda à acusação. Mas, até agora, não conseguiu.

Já comunicou ao escritório de Tacla Durán no Brasil para que algum advogado com procuração retire em Curitiba o material apreendido no local — de tudo o que foi apreendido, nada foi juntado na denúncia contra ele. Das duas uma: ou a Procuradoria da República, autora da denúncia, esconde prova, ou não encontrou nada que incrimine o advogado.

Tacla Durán não autorizou a retirada do material apreendido porque sabe que é uma estratégia para dar conhecimento formal ao processo por lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

Só assim, com a citação de Tacla Durán, Moro pode dar andamento ao processo. Com a citação indireta, feita através de advogado com procuração, Moro poderia dar sequência ao processo e avançar para produzir mais uma condenação e fazer de Tacla Durán um condenado, o que justificaria sua prisão em outro país, exceto na Espanha.

Leia também:  Preso por corrupção o delegado que algemou o Almirante Othon

É certo que a disposição de Moro é condenar Tacla Durán — em Curitiba, o desfecho dos processos são conhecidos antes mesmo da apresentação da denúncia. Por isso, o advogado quer forçar a citação dele da Espanha, mas, até agora, segundo ele, nenhum documento chegou à Justiça de lá.

Na Espanha, a citação de um nacional, para processo em outro país, tem chance zero de ser aceita. Daí restaria a Moro a alternativa legal, prevista no acordo de cooperação judicial entre Brasil e Espanha. É só mandar o processo para lá. Mas por que Moro resiste?

Seria por conta da fragilidade das provas?

Os extratos aparentemente montados na denúncia de Temer escancaram o que já houve em outros processos da Lava Jato.

Nos processos do ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva, isso é flagrante. E até agora o juiz não aceitou nenhum pedido da defesa do ex-presidente para a verificação de incidente de falsidade em documentos usados para justificar acusações.

Uma delas é um e-mail encontrado na máquina de um funcionário do Instituto Lula. O e-mail, que foi vazado pela imprensa, dá conta de uma suposta mensagem para que seja remetido valor a alguém não identificado, mas que seria do conhecimento de Lula.

A defesa de Lula fez o básico: quer saber de onde partiu e-mail, para tentar identificar o autor do crime. Moro não deferiu a produção da prova. O e-mail já tinha sido vazado para a imprensa e ficou no ar a interpretação de que se trata de esquema de corrupção.

“Os processos contra Lula na ‘lava jato’ se alimentam de falsas polêmicas. O Direito e os fatos são alterados a todo o momento para impulsioná-las. Lula foi condenado sem prova da culpa e desprezando a prova da inocência. Mas a verdade irá prevalecer, inclusive na história”, escreveu Zanin, em artigo publicado no Conjur.

São as falsidades ou as meias verdades — vazadas na imprensa como verdades incontestáveis — que alimentam polêmicas e, naturalmente, não podem ser aceitas. Nem para Temer, nem para Lula.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

15 comentários

  1. O criminoso do colarinho branco no Brasil se dá bem pois tem

    um serviço de proteção a lhe garantir impunidades, facilidades, brechas, tetas e tretas. Por vezes, funcionários públicos muito bem pagos, criam facilitações jurídicas para que o crime prospere.

    • Para evitar malentendidos,se
      Para evitar malentendidos,se você eu fosse não contrataria nenhum tipo de assessor,consultor,procurador,absolutamente nada que terminasse em or.De balaios de frutas,nem passe perto.Mesmo com essas medidas acautelatorias o senhor ainda corre sério risco da Máfia Curitibana passar as mãos em tu.

  2. “São as falsidades ou as

    “São as falsidades ou as meias verdades — vazadas na imprensa como verdades incontestáveis — que alimentam polêmicas e, naturalmente, não podem ser aceitas. Nem para Temer, nem para Lula”:

    Tem horas (e horas e horas e horas e horas) que a gente tem que reduzir a traduzir virgulas e adverbios e preposicoes pra brasileiros porque quem ta latindo nao tem teoria de mente suficiente pra um cachorro pesteado…

    Soa familiar?

  3. Fim de linha

    Já estamos muito além do fundo do poço, se a PGR está até usando provas grosseiramente falsificadas para incriminar pessoas que quer perseguir. Se o MP fez isso com MT, que está atualmente no poder, devem estar aprontando coisa muito pior em Curitiba para incriminar o ex-Presidente Lula. Definitivamente nosso “sistema judicial” está muito pior do que simplesmente falido, assim como as demais instituições que deveriam ser republicanas mas não são.

  4. que rolo danado…

    impossível alcançar algo de verdadeiro nestas condições………………….

    se impede até mesmo a compreensão, imagine a conclusão que poderá sair desse rolo todo

  5. Alertei ao Moreno Vivo que me
    Alertei ao Moreno Vivo que me ouve para Dedeo,que era um erro crasso ficar devendo Jano.Tai no que deu.Outro pisada de bola:Jogou um monte de fichas na Procuradora Geral Raquel Dodge,a capacete.Mal começou o jogo,o Moreno Vivo perdeu a metade das fichas.

  6. BRASIL e a sua ”

    BRASIL e a sua ” DES….CONSTITUIÇÃO !
    No banheiro fazendo o dois pensei : O DINHEIRO com que os DELATORES da lava jato PAGAM aos ADVOGADOS é LÍCITO ?

  7. Operação em escombros

    Lava jato  pulverizada cheira a mofo;  a casa caindo, todas as ratazanas sairão livres, correrão procurando abrigo onde instalar-se e continuar esmirilhando seus dentes insaciáveis.  A expiação será nas costas do PT, este já está condenado.

  8. AINDA ESTÃO NO CAMINHO ERRADO SOBRE O GOLPE.

    O que acontece se um processo contenha documentos falsos, inverídicos ou qualquer outro adjetivo que mele o processo e que um julgo midiático coloque sobre suspeição? Basta meia dúzia de propaganda que o culpado passe a ser injustiçado e provavelmente inocente e desmantelando todo o processo das acusações verdadeiras, a Globo quietou, os outros nem foram na onda contra a caneta da publicidade pública, ou melhor o nosso dinheiro dos impostos. O furo da reportagem na verdade pode se considerar uma válvula deixada para essa finalidade temporal do golpe. Verifica-se que ao mesmo tempo ou time ou até timing como bem disse o delegado da carne. A justiça, PF e o MPF arvora-se contra o PT e afrouxa e santifica o resto. Pessoal caiam no real, um GOLPE é um processo continuo de roubo, não é só democracia que está em jogo, uma nação inteira está sendo roubada, ludibriada, enganada com apoio total de instituições que deveriam zelar pela segurança dos cidadãos, em nome da moral e até de Deus, juntaram bandidos de toda ordem para esfacelar um projeto de nação. Quando falo de um projeto de nação não falo do projeto do PT, falo da razão que transformou o mundo em um mundo civilizado. Portanto essa informação é munição contrária, estão ainda no caminho errado, o caminho certo é pedir as Forças armadas os que ainda não estão contaminados para começarem a prender juízes e intervirem na justiça, há algo muito ruim avizinhado do que ainda resta do Brasil, se já há leilões de escravos na Líbia não demorará no Brasil é só uma questão de tempo, time ou timing. Quando uma chefe de polícia fala que quer continuar a parceria com a mídia e sabendo que essa mídia passa longe da credibilidade, envolvidas e muitas falcatruas, sonegações e proteções a amigos dessa corte, já há algo fora dos padrões, polícia é polícia e mídia é mídia, estamos vivendo um tempo muito pior que a ditadura, pois a ditadura militar era covarde e matavam e torturavam mesmo, essa faz de conta e está matando um futuro inteiro e está levando o país para o tumulo das nações sem respeito. Acorda forças armadas em breve não sobrará nada para comandarem.

    • Peraí que melhora.
       
      O

      Peraí que melhora.

       

      O formato de data definida do extrato (16/ago/17, ou seja D/M/A em português) não bate com o formato de data definido das transferências (14-Sep-12, ou seja, Y-M-D em inglês). Vieram de lugares BEM diferentes.

      A coisa toda é grosseira.

      • tudo no roteiro

        tudo no roteiro. pra anular  denúncia e livrar teme de condenação e da cadeia esta tudo no roteiro, o jano é um verme fantoche do golpe.

         

        é um merda como todas as autoridades brasileiras. é de dar nojo.

    • basta….

      É esta a saída esquerdopata para 2017? Eleições Ditatoriais Obrigatórias, sustentando párias de TSE’s e TRE’s e outros parasitas ao custo de 30 bilhões de reais anuais, em eleições farsantes ao custo de 550 milhões de reais por pleito, com biometria obrigatória de 180 milhões de reais e Fundo Partidário de 1 bilhão e 700 milhões de reais, num país que não pode dar merenda para uma criança na Escola ou que rouba o dinheiro da merenda. A Imprensa Panfletária continuará neste caminho? É gozação ou ofensa mesmo?  Seguiremos com este lixo de Caudilhismo Tupiniquim, implodindo a Justiça e culpando o Capital, Empresários e Empregos por um Estado comandado por Bandidos? Vejam o número de Desempregados e a tragédia brasileira enquanto se destroem Empresas genuinamente nacionais e seus milhões de Empregos altamente qualificados? A Russia deixou de importar carne brasileira, elevando para mais de uma centena o número de frigorificos fechados após a canalha, sórdida, lesa-pátria Carne Fraca. E a mídia querendo mostrar a Justiça como a desgraça deste país, e não quarenta anos de Cleptocracia? Terra de Lunáticos. Não existe outra explicação.  

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome