Fraudes na prefeitura de São Paulo podem ter começado em 2005

Sugerido por Assis Ribeiro

Da Agência Brasil

Por Daniel Mello
 

São Paulo – O Ministério Público (MP) tem indícios de que o esquema  de fraudes fiscais na prefeitura paulistana existia pelo menos desde 2005. A principal linha de investigação apontava para irregularidades cometidas entre 2007 e 2012, causando prejuízos de cerca R$ 500 milhões aos cofres públicos.

No entanto, os depoimentos dos fiscais  Luis Alexandre Cardoso de Magalhães e Eduardo Horle Barcellos indicam que as fraudes podem ter começado antes, sob o comando de Amílcar José Cançado Lemos. “O que o Luís Alexandre fala é que o Cançado estruturou, organizou isso. Antes a coisa era disseminada, todo mundo fazia e não tinha organização nenhuma. Ele chegou e organizou a cobrança de propina”, disse hoje (26) o promotor de  Proteção ao Patrimônio Público Cesar Dario  da Silva.

O MP pretende entrar até a próxima segunda-feira (2) com uma ação de improbidade administrativa contra Cançado. Segundo a promotoria, o auditor fiscal tem patrimônio incompatível com o salário de R$ 24 mil. César da Silva deve pedir ainda o afastamento de Cançado de suas funções e o ressarcimento dos prejuízos ao erário. “Eu entendo que é absolutamente incompatível alguém que está sendo processado por improbidade, por cobrar propina, continuar exercendo as funções”, disse sobre o auditor, que está com os bens bloqueados. Ele deveria depor hoje, mas apresentou atestado médico e não compareceu.

Leia também:  PFDC divulga nota contra a Lava Jato: ‘é inadmissível reprimir o crime violando direitos fundamentais’

Cançado teria tido divergências com o grupo de quatro auditores que estão sendo investigados criminalmente pelo MP e são acusados de comandar as fraudes a partir de 2007.  Além de Magalhães e Barcellos, são acusados de fazer parte do grupo Ronilson Bezerra Rodrigues e Carlos Augusto di Lallo Leite do Amaral.

“Um dos motivos que ele [Barcellos] pediu a exoneração do Amílcar da sessão foi que ele cobrava a propina de uma forma muito escandalosa, todo mundo ficava sabendo, e eles não gostavam disso”, explicou Silva sobre como Barcellos, superior hierárquico de Cançado, afastou o auditor da sessão onde era cobrada a propina.

Os auditores são acusados de cobrar propina de construtoras e incorporadoras para fraudar as guias de recolhimento do Imposto Sobre Serviços (ISS), reduzindo os valores pagos à prefeitura. O MP quer saber se as empresas eram coagidas pelos fiscais ou se colaboravam com as ilegalidades.

O promotor criminal Roberto Bodini disse que emitiu hoje as intimações para que quatro construtoras prestem esclarecimentos sobre o funcionamento do esquema. Para ele, chama a atenção o fato das empresas nunca terem denunciado as cobranças. “É um comportamento que se repetiu por anos. Não dá para entender essas empresas que se dizem vítimas, o setor que se diz vítima, que diz que não conseguia trabalhar na legalidade, mas que nunca procurou a legalidade”.

 

11 comentários

  1. Depois de ler o Dr Hariovaldo, fui na uol ler…

    os comentários dos “leitores” que é a melhor parte da uol.

    Sobre o propinoduto tucano:

    1 – ” Uma vez li uma notícia que dizia que o falecido Saddam Hussein era o ANTI-CRISTO. Hoje sei que tal notícia é falsa pois o Anti Cristo está vivo, nasceu no nordeste e mora no ABC paulista…”

    2 – “Que país é esse onde o ministro da justiça é um delinquente?”

    Não é uma beleza?

    Muito obrigado uol-falha para escancarar a imbecilidade humana!

    • faceburro eh outro prato cheio
      Acredita que uma engenheira de uma montadora foi capaz de criticar o PT pela ampliação do crédito para compra de automóveis?
      São míopes.

  2. Bom, 2005? Não me lembro quem

    Bom, 2005? Não me lembro quem era prefeito nesta época, mas dá pra condená-lo à prisão -com direito a ser algemado em horário hábil de aparecer no JN- baseado na doutrina do Domínio do Fato?

  3. ACM Neto rodou o pires para arrecadar R$ 21.948.636,11

    gastos na campanha segundo o TSE. Disse Lauro Jardim, da Veja: “Agripino Maia está em São Paulo. (…)Apesar da reunião com Geraldo Alckmin, a disputa entre Fernando Haddad e José Serra está longe de ser a prioridade de Maia. Ele desembarcou em São Paulo para passar o chapéu e voltar com recursos suficientes para garantir a vitória de ACM Neto em Salvador”. Até a ida de Agripino à São Paulo disse Lauro Jardim: “Até agora, segundo o TSE, a campanha arrecadou 4,3 milhões de reais e já desembolsou a bagatela de 3,7 milhões de reais.” Concluindo: Agripino trouxe o dinheiro e a tiracolo Mauro Ricardo ex- Secretário da Fazenda de Kassab e de Serra (prefeitura e governo estadual) para a secretaria da fazenda de ACM Neto..

  4. As fraudes em SP começam em

    As fraudes em SP começam em 1500 quando Pedro Alvares Cabral que era petista e fugindo de Portugal  pediu assilo politico aos Tupinanbás, ele alegava que foi injustamente condenado pela STF Português,

    Dizia se inocente no processo do mensalão português.  

    Os Tupinanbás acreditaram nesta fraude, foi assim que começou as fraudes em SP e no Brasil.

    • A história não pode ser recontada…

      Ainda mais hoje em dia…

      Já que é assim, agora que o foco são os reacionários, você estupra mas não mata…

      Mas que morra o Genuíno…

      Foi em 1554 com jesuítas…

  5. Os caras falam da casca mas não do recheio.

    É pra gente procurar quem era o prefeito nessa época?

    Se tivesse sido em 2004 a manchete seria durante o governo do PT.

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome