Geddel é denunciado por pressionar operador de Cunha a ficar em silêncio

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O Ministério Público Federal denunciou o ex-ministro Geddel Vieira Lima pelo crime de obstrução de Justiça no âmbito das operações Sépsis e Cui Bono?, informou o Estadão desta quarta (16). Segundo o jornal, os procuradores Anselmo Lopes Cordeiro e Sara Moreira afirmaram que Geddel tentou pressionar Lúcio Funaro, operador de propinas de Eduardo Cunha e do PMDB, a não fazer uma delação premiada na Lava Jato.

De acordo com a acusação, Funaro admitiu às autoridades que sentiu a pressão para permanecer em silêncio quando foi preso e Geddel passou a fazer ligações para sua esposa, a empresária Raquel Pitta.

Segundo a denúncia, Raquel estranhou a insistência de Geddel em saber o “estado de ânimo” de Funaro e, por causa dos questionamentos sobre isso, o operador teria ficado com “receio sobre algum tipo de retaliação que pudesse sofrer caso optasse por um acordo de delação”.

Raquel disse à Polícia Federal que ouviu de Funaro que “ele [Geddel] está sendo homem e cumprindo o combinado”. Mas ela não explicou que combinado era esse, apenas imaginava que seria alguma “assistência à família”, apontou o Estadão.

A delação da JBS revelou que tanto Funaro quanto Eduardo Cunha vinham recebendo dinheiro na prisão. E Michel Temer teria indicado Rodrigo Rocha Loures para substituir Geddel na interlocução.

Os procuradores Anselmo Lopes Cordeiro e Sara Moreira 

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ivan de Union

- 2017-08-16 19:42:50

"Segundo a denúncia, Raquel

"Segundo a denúncia, Raquel estranhou a insistência de Geddel em saber o "estado de ânimo" de Funaro e, por causa dos questionamentos sobre isso, o operador teria ficado com "receio sobre algum tipo de retaliação que pudesse sofrer caso optasse por um acordo de delação"":

Caso QUEM optasse?  Ele, Raquel, ou Funaro?

Ivan de Union

- 2017-08-16 19:38:00

"Segundo a denúncia, Raquel

"Segundo a denúncia, Raquel estranhou a insistência de Geddel em saber o "estado de ânimo" de Funaro e, por causa dos questionamentos sobre isso, o operador teria ficado com "receio sobre algum tipo de retaliação que pudesse sofrer caso optasse por um acordo de delação":

Caso QUEM optasse?  Ele, ela, ou Funaro?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador