Globo comete assassinato de reputação contra desembargador Darlan, por Luis Nassif

Não cheira bem a facilidade com que jornais entram no jogo de assassinatos de reputações. É o caso de O Globo, aceitando sem pestanejar denúncias contra o desembargador Sirio Darlan (clique aqui).

Darlan é um magistrado garantista, que usa o recurso da prisão apenas em última instância. Os tribunais movem perseguições a juízes garantistas. É o caso da desembargadora Kenarik Boujikian, do Tribunal de Justiça de São Paulo, um ícone da luta pelos direitos humanos, permanentemente acossada pelos pares por suas sentenças e declarações. Recentemente foi denunciada por fazer cumprir a lei e mandar soltar presos sem julgamento.

Foi o caso também do Ministro Marcelo Dantas, de carreira impecável, mas alvo de ataques de toda ordem por ter sido nomeado para o STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ter fama de garantista. Imediatamente a imprensa tratou de criar versões de cumplicidade dele com o PT.

Darlan parece alvo de golpe semelhante. As evidências contra ele se resumem a grampos em pessoas que supostamente “negociavam” habeas corpus dele com advogados.

Ora, é mais que manjado o golpe do sujeito que se diz íntimo de autoridades para ludibriar trouxas. O malandro se apresenta, falando em nome do juiz, e diz que só haverá pagamento se a sentença favorável for confirmada. É um golpe tão velho quanto a instituição da Justiça. E a probabilidade de Darlan conceder um HC é muito maior que a de qualquer outro desembargador, pois ele é claramente um garantista.

A reportagem diz que os advogados selecionavam os plantões de Darlan para entrar com os pedidos. Se o advogado pode escolher a data de entrar com o pedido, é mais que óbvio que selecionará o plantão do desembargador garantista.

Mas hoje em dia, os assassinatos de reputação estão tão naturalizados quanto os assassinatos de lideranças camponesas.

Ainda bem que a boa índole do brasileiro se manifesta quando cães são assassinados.

 

13 comentários

  1. Não é a primeira vez

    Não é a primeira vez que fazem isso contra o juiz Siro Darlan. Fazem coisa parecida contra o juiz João Batista Damasceno. E faziam, há muito, contra o juiz de menores Alyrio Cavallieri. Isso é o grupo Globo.

    Ou democracia, ou Globo.

    Fora, Globo!

  2. Fazem propositalmente

    Nada é novo neste mundo muito menos a inversão de valores. A imprensa passou a escandalizar aqueles que fazem de seu oficio sua vida e enaltecer aqueles em que o oficio serve de trampolim social e de poder. 

  3. Aqui mesmo no GGN há um

    Aqui mesmo no GGN há um artigo  maravilhoso sobre a corupção. Isso que a Globo faz o que é ? ONESTIDADE DE PROPÓSITOS? ou corrupção pura e simples?

  4. Aqui mesmo no GGN há um

    Aqui mesmo no GGN há um artigo  maravilhoso sobre a corupção. Isso que a Globo faz o que é ? ONESTIDADE DE PROPÓSITOS? ou corrupção pura e simples?

  5. Compaixão seletiva?
    Não sei se a referência à boa índole que se manifesta quando animais são vítimas de violência é uma ironia.
    Nassif é melhor que isso.
    Essa é uma falsa disputa, um falso dilema, uma falácia: quem não se importa com animais sencientes também não se importa verdadeiramente com humanos, é uma hipocrisia jogar a revolta contra a insensibilidade e injustiça humana,e entre humanos, em acusação contra quem também está lutando por seres ignorados, maltratados, e a quem muitos negam até o direito à compaixão.
    Em pleno dia de comemoração da Declaração Universal dos Direitos Humanos, lembro que há gente respeitável como o professor Peter Singer que advoga pelo Direito Animal e da Natureza.
    Agora, além dos “direitos humanos para humanos”, temos que a compaixão é uma ofensa e um desperdício quando dirigida a não humanos. Onde se vai parar nessa “livre concorrência” por respeito?
    Quem não respeita a Natureza não respeita humanos, e vice-versa.

    Não se preocupe, Nassif.
    Reputação se recupera, a vida, não. E quem coloca a reputação acima do direito à vida não merece nenhuma das duas. Falo do que sei porque é quase lei implícita do serviço público brasileiro, no qual trabalhei, ter a sua reputação como objeto de chantagem e intimidação, mas a vida é maior que isso, e o caráter e a própria consciência valem mais que a reputação, ouro de tolo.

    Sampa/SP, 10/12/2018 – 19:41 – alterado às 19:44 (em luto).

  6. A o grupo Globo só exige o
    A o grupo Globo só exige o garantismo quanto ao julgamento de seus processos e de seus anunciantes.
    Quando vai contra seus espúrios interesses, não pestaneja em mulucar profundamente a honra de quem o fizer.

  7. Quem pode mais chora menos
    Os malandros supostamente utilizam os direitos das garantias jurídicas para se safar. A lei é respeitada, mesmo que em muitos casos os cidadãos de bem saem perdendo no final da história. Típico jogo de gato e rato.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome