Haddad é denunciado à Justiça Eleitoral após indiciamento cheio de omissões e manipulação de provas

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Coordenador do programa do PT para a corrida presidencial desde ano, e cotado para plano B caso Lula não possa ser o candidato do partido, o ex-prefeito Fernando Haddad foi denunciado à Justiça Eleitoral pelo promotor Luiz Henrique Dal Poz na quinta-feira (10), sob a acusação de uso de caixa 2 na campanha de 2012. 

Segundo o portal, a assessoria de Haddad informou que, para o ex-prefeito, a denúncia configura um “autêntico absurdo”. Já o promotor do caso disse que “houve omissão e inserção de elementos inidôneos na prestação de contas para a campanha municipal em 2012”. 

A investigação teve início a partir da delação de Ricardo Pessoa da UTC. Desde o começo, Haddad vem dizendo que as declarações do empresário não fariam sentido para pautar um crime por corrupção comum, pois a UTC nunca foi favorecida pela gestão do petista frente ao Paço. Ao contrário disso, o ex-prefeito teria suspendido contratos da empreiteira, contrariando os interesses do delator.

Ao analisar o relatório de indiciamento de Haddad, em janeiro de 2018, o GGN mostrou que a Polícia Federal não investigou o caso a fundo. Por isso, o documento está recheado de omissões e manipulação de provas.

Um dos pontos mais escandalosos diz respeito a uma planilha da gráfica LWC, que indica a prestação de um serviço para Haddad, anterior e sem conexão com a campanha de prefeito. Sem questionar o ex-prefeito sobre este documento, a Polícia Federal escreveu que a planilha era indício de caixa 2, pois o serviço ali apresentado não constava na prestação de contas da campanha de Haddad.

Leia também:  Circense, por Wilson Ramos Filho

Ocorre que, conforme apurou o GGN, o serviço foi realizado em favor de Haddad, mas contratado pelo PT. Tratava-se da impressão de um jornal desenvolvido pelo partido para apresentar os feitos de Haddad enquanto ministro da Educação à militância. Por ter sido anterior à campanha de prefeito, obviamente não constou na prestação de contas à Justiça Eleitoral. Ainda assim, foi usado como indício de caixa 2 pela PF.

O indiciamento era ainda mais questionável quando nem os próprios delatores teriam implicado diretamente Haddad. Consta no relatório, aliás, a hipótese de que os recursos tenham sido destinados a outra campanha do PT.

Na denúncia à Justiça Eleitoral, o promotor sustenta que a UTC pagou R$ 2,3 milhões em dívida de campanha para Haddad, em 2012, e afirma que houve emissão de notas fiscais “inidôneas” para prestar contas.

Caso a Justiça aceite a denúncia, Haddad e os mais 4 acusados se tornarão réus por falsidade ideológica para fins eleitorais, informou o G1. O caso pode gerar pena de até cinco anos de reclusão e multa.

Leia mais: Relatório do indiciamento de Haddad revela omissões e manipulação de provas

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

13 comentários

  1. desespero puro,…

    desesperada para manter seus privilégios e salários pornográficos à custa do sangue do povo trabalhador,  a cúpula do judiciário ( o poder mais corrupto da República ! ) , vai fazer o possível e o impossível para inviabilizar qualquer candidato que o PT apresente…  já nem disfarçam mais…

  2. Assassinatos de reputação

    Nestas plagas desgraçadas, há assassinatos perpetrados por tiranias e assassinatos de reputações. Será preciso mais cadáveres para ajeitar as eleições?.

    • Daí devemos votar no Ciro

      Daí devemos votar no Ciro Gomes e sair das urnas alegremente assimilando o golpe de 2016 .

    • Então só poderíamos votar bovinamente em consentidos pelo golpe?

      Traduzindo: o povo pode votar, mas só em candidato autorizado, que “tem que manter isso aí, viu?”

      Isso inclui um Ciro Gomes bem comportado diante do sistema do golpe, odediente às diretrizes de competir CONTRA os candidatos contra o golpe e puxando votos para eleger bancadas do centrão no Congresso. Ah… é tá liberado para bater à vontade nos bancos genericamente durante a campanha, contando que o Itaú continue nomeando o presidente do Banco Central e Febraban o Ministro da Fazenda. Collor também foi eleito xingando a FIESP, as elites, os marajás, e “defendendo” os descamisados durante a campanha.

      Você tem ideia do tamanho da derrota do golpe, do lavajatismo, do mercado, da direita latino-americana e mundial, se o povo eleger um candidato  e bancadas de partidos realmente de oposição ao golpe, ao lavajatismo, ao mercado? 

    • Entendi faz tempo

      Cabeça de chapa: Ciro Gomes. O que não tem processo e nem vai ter.

      Fácil, fácil de entender…

      Consigo até imaginar o próximo alvo de processo: Celso Amorim.

  3. Aparentemente, nenhum plano,

    Aparentemente, nenhum plano, de A a Z funcionará, porque uma força totalitária domina o aparelho de estado e os meios de comunicação de massa. Quanto mais se busca a justiça, mais injustiça é colhida. Não há saída fora de uma mobilização popular. Não é pessimismo, é realismo. O povo não entende o que acontece. A esquerda “legitima” o processo totalitário em curso toda vez que recorre às “instituições”  É  mais produtivo denunciar a ditadura ao resto do mundo.

  4. A implacável, cruel e criminosa perseguição!
    Não é diferente do que está veiculado hoje na mídia. Tal qual na ditadura! Perseguem agora uma criatura inteligente e correta. Enquanto isso, os ladrões corruptos continuam atuando na quadrilha que tomou de assalto nosso país! So’ não vê quem não quer! Mais um honrado sendo atingido! VIVA HADDAD!!!

  5. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome