Investigados na Operação Skala são soltos após decisão de Barroso

Foto: Sebastião Moreira/EFE
 
 
 
Por Mariana Tokarnia
 
Da Agência Brasil
 
Após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, os presos temporários alvos da Operação Skala, da Polícia Federal, foram soltos e poderão passar a Páscoa em casa. A informação foi confirmada pela Superinterdência Regional da PF em São Paulo, onde se encontrava a maior parte dos presos.
 
Na Operação, que ocorreu na quinta-feira (29), foram presas temporariamente dez pessoas, lista que inclui o ex-assessor do presidente Michel Temer, José Yunes; o ex-ministro da Agricultura e ex-presidente da estatal Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) Wagner Rossi; o presidente do Grupo Rodrimar, Antônio Celso Grecco; a empresária Celina Torrealba, uma das proprietárias do Grupo Libra, que também atua no ramo portuário; e o coronel João Batista Lima, amigo do presidente Michel Temer. As medidas foram determinadas pelo próprio Barroso, que é relator do chamado Inquérito dos Portos, no STF.
 
Na noite de ontem (31), Barroso acolheu o pedido da procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, de revogação das prisões, feito horas antes. Segunda ela, as medidas cumpriram o objetivo legal. A PGR destacou que foram feitas as medidas de busca e apreensão de prisões autorizadas pelo relator do inquérito, com exceção de três pessoas que não tiveram os mandados de prisão executados por estarem no exterior, “mas dispostos a se apresentarem à autoridade policial tão logo retornem”.
 
As prisões foram determinadas no âmbito do inquérito que apura possíveis irregularidades na edição do Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017), assinado pelo presidente Michel Temer em maio do ano passado, e que apura o suposto favorecimento a empresas do ramo portuário.
 
“Desse modo, tendo as medidas de natureza cautelar alcançado sua finalidade, não subsiste fundamento legal para a manutenção das medidas, impondo-se o acolhimento da manifestação da Procuradoria-Geral da República”, escreve Barroso em sua decisão.
 
Páscoa
 
Na manhã de hoje (1º), pelo Twitter, o presidente Michel Temer pediu união: “Páscoa é passagem para uma nova vida. É o que está acontecendo no Brasil hoje. Saímos da pior recessão de nossa história e estamos oferecendo ao brasileiro um País revigorado. Precisamos, agora, com o espírito da Páscoa, pacificar e reunificar a nossa gente. Feliz Páscoa!”
 
Foi a primeira manifestação do presidente depois que, no sábado (30), a Presidência da República divulgou nota para rebater a acusação de que o presidente Michel Temer teria agido para beneficiar amigos empresários na edição do Decreto dos Portos. Após afirmar que o Decreto dos Portos não se aplica ao contrato da Rodrimar, o Palácio do Planalto afirmou, sem citar nomes,  que “tentam mais uma vez destruir a reputação do presidente Michel Temer. Usam métodos totalitários, com cerceamento dos direitos mais básicos para obter, forçadamente, testemunhos que possam ser usados em peças de acusação”.

11 comentários

  1. Não precisa nem cobrir para

    Não precisa nem cobrir para virar circo. Quer dizer que prenderam a turbana véspera do feriado e soltam no próprio feriado por terem cumprido o objetivo legal?

    Que objetivo foi esse? Fazer os brasileiros de palhaços?

    E o coronel que não presta depoimento nunca? Cadê a indignação da mídia porca do país e de seus magistrados amestrados?

    Acho que tudo isso é um balão de ensaio para ver até onde o povo suporta ficar parado.

    Quando estourar pode ser tarde demais.

  2. temer ganhará mais uma

    temer já havia desbancado a globo, o janot e cia ltda no último escândalo.

    dessa vez, ganhará de braçada mesmo com apoio reduzido no congresso.

    barroso é fraco demais e deu um passo maior do que as pernas.

     

     

  3. Nem deu tempo e alguém fazer uma delaçãozinha premiada!?

    Contraste enorme com as prisões extensivas da LJ em Curitiba, que buscavam delações premiadas. Impossível não comparar! Enfim, libertos para alívios de alguns. Punitivismo oscilante esse.

  4. São amigos do Lula?

    Não são. Porque se fossem ficariam até confessarem que o Lula era culpado. Mas como são amigos do Capo, aí a coisa muda de figura, com direito a não darem declaração, etc.

    Isso cada vez mais confirma que estamos vivendo no Brasil um golpe, mas não militar ou palamentar, e sim um golpe da Elite escravagista que se instalou aqui desde o descobrimento do Brasil, e que nunca saiu do poder. Quando aparece um presidente que não pertenceu a esta elite e começou a fazer coisas que pode ameaçar este poder das elites, começam as perseguições, com a idéia de combate a corrupção, mas que no fundo não passa de apenas pretexto para calar a voz do povo (escravos).

    Agora quanto a apurar e prender os que fazem parte da elite, por causa de corrupção, aí muda de figura, se aplica a Lei como deve ser aplicada.

    Quanto cinismo ….

     

  5. Se pobre é preso antes de sentença, prendamos também os ricos

    “Pobre é preso antes da sentença de 1º grau. Ele é preso em flagrante e não sai mais. Ele é preso com droga e não sai mais”. – Roberto Barroso, justificando a prisão após a confirmação da sentença penal pelo segundo grau de jurisdição.

    Se pobre é preso antes da sentença de 1º grau, porque não podemos prender os ricos após a confirmação da sentença penal condenatória pelo segundo grau?

    É por isso que a Raquel Dodge pediu e o Barroso mandou soltar os Amigos do Temer.

     

  6. Alguém tem dúvida que Dodge tem lado e qual ele é?

    Precismaos nos habituar com jogo de cena para amaciar o “clamor popular” das minorias coxinhas

    Indicada rapidinho por Temer, com recomendação e aval de seu conselheiro fora de agenda Gilmar Mendes, em prejuízo da indicação da própria PGR, será que ela iria jogar contra de verdade?

    C’mon pípôu!…

  7. O jogo Supremo de Dodge e Barroso

    Quem afirma se todas as diligências foram ou não cumpridas e se todos os atos estão a contento é a autoridade policial, que está a frente do inquérito. Cabe a ela solicitar a relaxação da prisão ao juiz encarregado do caso.  Mas neste caso foi  a procuradora, a mesma que pede prisão e que  também manda soltar, solicita ao Juiz Supremo Barroso, que gentilmente obedece   e manda soltar. Sua justificativa:  o fez a pedido da Procuradora. ( Tome que o filho é seu). 

    Tudo isto me cheira a um grande acordo, feita a base de muita pressão. Talvez Temer já esteja renunciando em nome de Meirelles às pretensões presidenciais. Talvez Temer já tenha aberto as burras do cofre, visando a proxima eleição de alguém do mercado.  Me parece que apertaram o garrote de Temer até ele tremer. Se estão afrouxando é apenas porque ele prometeu ficar na linha.

    Não se pode deixar de notar que na primeira reportagem do Jornal Nacional, tudo o que foi falado eram apenas coisas superficiais, que fortalecem suspeitas mas nada além disso.Sem qualquer contestação leram a defesa de Temer. Nada que pudesse ser aventado como prova. Na segunda reportagem já se viu a declaração de Funaro e as demonstrações cabais de que o decreto havia sido modficado.  Me parece que a primeira reportagem não surtiu o efeito necessário e apenas na segunda reportagem apertaram o garrote.  Afinal todos sabemos que mesmo com fotografias de malas e delações comprovadas pelos dados do decreto nada aconteceu.  Mas agora parece que Temer já estava se sentindo forte o suficiente para se candidatar.( pobre homem!!! aliás muito rico.)  mas não está bem na foto.

    Com certeza veremos as consequências sinistras disto tudo em breve. Por aqui só nos resta conjecturar, mas  que tem caroço no angu tem .

  8. ao usar de forma dissimulada
    ao usar de forma dissimulada a condução coercitiva para que os amigos de Temer prestassem depoimento, Barroso deu uma alfinetada em Gilmar Mendes…

    …estå agendado para esta quarta feira o terceiro round entre Gilmar e Barroso…

    … ou serå que GM capitulou….e Rosa Weber
    ????

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome