Janot deve denunciar Temer por decreto dos Portos, por Helena Chagas

Foto: Lula Marques/PT
 
 
Jornal GGN – Helena Chagas, em Os Divergentes, informa nesta segunda (24) que o inquérito em que Michel Temer é investigado pelo decreto dos Portos – que pode ter gerado pagamento de propina a partir do benefício a empresas amigas do presidente, como a Rodrimar – está mais adiantado do que a denúncia por obstrução de Justiça. Artigo da jornalista sugere que Rodrigo Janot, procurador-geral da República, tem tido dificuldade de provar o conteúdo da gravação Joesley Batista. É nesse contexto que está a delação de Eduardo Cunha.

 
 
Por Helena Chagas 
 
Em Os Divergentes
 
 
Não é fácil processar e condenar alguém por obstrução de justiça, incluindo presidentes da República. Uma coisa é apontar, outra é provar – a mostrar isso está aí o relatório da Policia Federal da semana passada inocentando os senadores peemedebistas Romero Jucá, Renan Calheiros e José Sarney desse crime nas conversas gravadas pelo ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, sobre a Lava Jato. É por isso que, segundo advogados interlocutores dos investigadores da LJ, o PGR Rodrigo Janot ainda não apresentou a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.
 
Assim como a PF não encontrou provas concretas de que a simples conversa dos senadores maldizendo a LavaJato tenha resultado em ação concreta contra ela – e é bom deixar claro que, em se tratando de parlamentares, a apresentação de projetos não é obstrução de justiça -, o MPF precisa de uma prova contra Temer nesse caso. Por exemplo, a confirmação, nas delações premiadas de Eduardo Cunha e/ou Lucio Funaro, de que de fato suas famílias recebiam mesada da JBS, a pedido de Temer, para mantê-los de boca calada na cadeia.
 
As delações de Cunha e Funaro estão sendo negociadas e parecem ainda não ter chegado a um acerto final. Sem elas, Janot só tem a gravação de Joesley Batista com Michel Temer para sustentar essa denúncia.
 
A demora, porém, não impedirá nova denúncia antes de Janot deixar o cargo em setembro, segundo advogados que orbitam na PF.  Pelo que se sabe, uma outra linha de investigação estaria correndo mais rapidamente, aquela que apura corrupção relacionada a concessões no Porto de Santos, também envolvendo o ex-assessor Rocha Loures e empresas como a Rodrimar, que teriam sido beneficiadas por decretos do governo. Além de corrupção, esse caso pode render ainda uma acusação por organização criminosa.
 
Pode haver surpresas nos próximos dias.

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome