Juiz não aceita ação de Temer contra Joesley

Jornal GGN – Marcos Vinícius Reis Bastos, juiz da 12a. Vara Federal em Brasília, não aceitou a ação protocolada pela defesa de Michel Temer contra o empresário Joesley Batista, da JBS. Temer, em sua ação, queria a condenação do empresário por crimes de calúnia, difamação e injúria. A ação foi proposta após a entrevista que o empresário concedeu à revista Época, em que o empresário diz que Temer é “o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil“.

Joesley “desfia mentiras em série“, bradou o presidente, e partiu para processar o empresário. Mas chegou ao juiz que, analisando o processo, entendeu que Joesley não cometeu crimes ao citar o presidente na entrevista. No entendimento do juiz, Joesley somente relatou os fatos no contexto de seus depoimentos de delação premiada.

“Não diviso o cometimento do crime de injúria, tendo o querelante feito asserções que, em seu sentir, justificam o comportamento que adotou [refiro-me aos fatos que indicou no acordo de colaboração premiada]. Na malsinada entrevista, narrou fatos e forneceu o entendimento que tem sobre eles, ação que se mantém nos limites de seu direito constitucional de liberdade de expressão”, disse o juiz.

Para a defesa de Temer, a entrevista foi ofensiva, desrespeitosa e leviana, e as declarações de Joesley “levam a sociedade a questionar a honradez de Temer“, hoje presidente e que foi alçado ao cargo após um golpe orquestrado pelo Congresso, mídia e justiça.

Um trecho da petição inicial do processo, diz que o real objetivo de Joesley Batista ao mentir e acusar é o de obter perdão dos crimes que cometeu, por meio de uma delação premiada, “vivendo fora do país com um substancial (e suspeito) patrimônio“.

Leia também:  Após omitir-se, STF acerta rumo contra milícia bolsonarista, por Marcelo Auler

Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. O que me assustou mesmo foi a

    O que me assustou mesmo foi a expressão utilizada pela defesa: “a HONRADEZ de Temer”. Encerrem todos os programas humorísticos da TV e do teatro brasileiro, porque já temos humoristas demais em todas as áreas: na advocacia (OAB inclusa), no ministério público (Dallagnol e cia.), no judiciário (Moro, Gilmar Mendes, e dezenas de outros). Na política então são uns quinhentos palhaços a praticar palhaçadas no congresso… Pobre Brasil, pobre povo brasileiro, viramos o motivo de chacota e riso no planeta.

  2. juiz….

    Na Pátria do Inacreditável, o cidadão se utilizado Estado, do Cargo Público, da própria Presidência da República para a extorsão. E extorquidos somos todos, reconhecidamente, inclusive a força empresarial brasileira. E ainda permitem que estas figuras se mantenhma no cargo e no Poder, para posteriormente continuarem sua extorsão, vingança, destruição de provas e testemunhas e pressão para alterar rumos dos processos.Inclusive usando da Imprensa, da qual financia e influencia para impor à sociedade “pérolas” como esta. A JBS, e seus 350.000 homens e mulheres. País, mães e filhos de família, são o agente corrompedor desta estrutura. O Poder corrompido é vitima da influência deste capital. É surreal!!. Somente neste país de singularidade acéfala. 350.000 brasileiros trabalhadores. Vocês são culpados pela corrupção contra o Temer. E Temer apenas uma vítima desta afronta capitalista. Será que existe outro igual no Planeta?   

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome