Juiz no DF nega pedido prisões preventivas de Temer e coronel Lima

MPF alegou que prisões serão necessárias para "resguardar a integridade das investigações e da instrução criminal, bem como as ordens econômica e pública"

Michel Temer. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal de Brasília que, nesta segunda-feira (29) aceitou a denúncia do Ministério Público Federal contra Michel temer e outras cinco pessoas no inquérito dos portos negou o pedido de prisão preventiva contra o ex-presidente e outros réus na ação, incluindo João Batista Lima Filho, o coronel Lima.

Segundo o MPF, os novos pedidos de prisões seriam necessários para “resguardar a integridade das investigações e da instrução criminal, bem como as ordens econômica e pública”.

Além de Temer e coronel Lima, o juiz aceitou a denúncia contra Rodrigo da Rocha Loures, ex-deputado e ex-assessor de Temer; os executivos Antonio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, da empresa Rodrimar; e Carlos Alberto Costa.

O inquérito foi aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) em 2017, porque Temer ainda era presidente da República, a partir de delações premiadas de executivos da J&F. Em 2019, a investigação foi remetida para a Justiça Federal de Brasília.

O MPF afirma que o ex-presidente editou o Decreto 9.048/2017, que tratava do setor portuário, para beneficiar a empresa Rodrimar, recebendo com isso vantagens financeiras indevidas. Por isso Temer responde pelos crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

Em nota, o ex-presidente negou os crimes e ainda que “não houve nenhuma irregularidade no decreto dos portos, nem benefício ilícito a nenhuma empresa”. Além desse inquérito, Temer é réu em outras quatro ações penais, denunciado em outros dois inquéritos e investigado em mais cinco casos distribuídos nas justiças de São Paulo, Rio e Brasília.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Do Banestado à Lava Jato: a polêmica cooperação entre Brasil e EUA

1 comentário

  1. Michel Temer não é uma ameaça para o “sistema”, pelo contrário, Michel Temer ajudou o “sistema”
    a instalar o neoliberalismo no governo federal e mais ainda, entregar a Petrobrás.

    Michel Temer já teve papel muito mais decisivo, muito mais importante do que o Jair Bolsonaro.
    Michel Temer foi peça chave e importantíissima para o “sistema”, além da derrubada dos
    petistas do poder, ajudou a estabelecer todas as bases para instalação e volta do neoliberalismo.

    O Jair Bolsonaro, está dando manutenção no “sistema”, aumentando a instalação do neoliberalismo
    e mantendo o fogo alto contra o petismo. Para mantê-lo longe do poder, e longe da
    reviravolta. O objetivo seria enterrá-lo.

    O Poder Judiciário está fazendo seu papel, com o uso do “devido processo legal”, e dando suporte
    aos seus membros.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome