Justiça nega habeas corpus para Eike Batista

 
Jornal GGN – O pedido de habeas corpus feito pelo advogado do empresário Eike Batista, preso preventivamente desde a última segunda (30), foi negado pelo juiz Vigdor Teitel, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2). No entendimento da justiça, o mérito do habeas corpus ainda deve ser decidido pela Primeira Turma Especializada do Tribunal, com três juízes.
 
Teitel argumentou que a prisão de Eike, decretada por Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, está devidamente fundamentada e não contém ilegalidades ou abuso de poder. Ao pedir a prisão do empresário, Bretas pretendeu garantir a ordem pública e assegurar a aplicação da lei penal, com a possibilidade de Eike obstruir as investigações.

 
 
A prisão do empresário ocorreu no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Calicute, que apura denúncias de corrupção contra Sérgio Cabral, ex-governador do Rio, que também está preso preventivamente. 
 
Depoimentos de outros envolvidos no processo apontam para tentativas de Eike de obstruir as investigações. Ao pedir o habeas corpus, o advogado Fernando Martins argumentou que faltam provas concretas de materialidade e autoridade para justificar a detenção de Eike, e que os depoimentos seriam vagos e presumidos. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  MPF volta a investigar empresas financiadoras da ditadura militar

3 comentários

  1. Antes da sua bancarrota, ninguém lhe negaria habeas corpus

    Vermelho Vinte e Sete
    (Nelson Gonçalves)

    “Jogo no pano… jogo… feito! Vermelho 27!”
    Esse homem que hoje passa maltrapilho
    Fracassado no seu traje furta-cor
    Um dia já foi homem, teve amigos,
    Teve amores, mas nunca teve amor
    Soberano da roleta e da campista
    Foi sua majestade o jogador!
    Vermelho vinte e sete
    Seu dinheiro mil mulheres conquistou
    Vermelho vinte e sete
    Seu dinheiro tanta gente alimentou
    Um rio de champagne sorrindo derramou
    E a sua mocidade em fichas transformou
    “Jogo no pano…jogo…feito! … Vermelho 27!”
    Vermelho vinte e sete
    Quando a sorte caprichosa o abandonou
    Vermelho vinte e sete
    Cada amigo num estranho se tornou.
    Os ossos do banquete aos cães ele atirou,
    A vida honra tudo
    Num lance ele arriscou…
    “Jogo…jogo…feito! Preto 17!”
    Deu preto dezessete
    Nem um cão entre os amigos encontrou!

     

    Joga pedra no Eike Batista, ele perdeu tudo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome