Justiça proíbe consulta separatista e aponta crime contra a segurança nacional

Jornal GGN – Um grupo de separatistas que pretendia usar as eleições municipais deste ano para fazer um “plebiscito”, com o intuito separar os três estados do Sul do resto do País e formar uma nova Nação, foi barrado por decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina, que ainda apontou que o ideal separatista é crime contra a segurança nacional.

Segundo informações da Folha de S. Paulo, o grupo queria alcançar pelo menos 1 milhão de votos (equivalente a 5% do eleitorado da região Sul) com o plebiscito em outubro, mas o plano foi considerado um delito, segundo o TRE-SC. “A incitação à separação territorial é citada no artigo 11 da Lei 7.170/1983, que define as violações relacionadas à segurança nacional, à ordem política e social. A punição para esse tipo de delito varia de 1 a 4 anos de prisão”, publicou o Conjur nesta quarta (27).

O desembargador eleitoral Cesar Augusto Mimoso Ruiz Abreu, responsável pela sentença, pediu à Polícia Federal que investigue o grupo. A mudança de incitação à separação para tentativa propriamente dita também agrava a pena, que varia de 4 e 12 anos.

O TRE-SC também proibiu o uso da palavra “plebiscito” para representar esse tipo de consultar. Segundo o desembargador, plebiscito é um pleito exclusivo dos poderes Executivo e Legislativo, e o uso do termo pode “confundir a população, levando-a a acreditar que se trata de algo oficial”.

99 comentários

  1. Ciências politicas

    Eu prefiro a união a separar, mas não tiro a razão daqueles que procuram a independência. Este país está infestado de positivismo e marxismo cultural, aqui mesmo nos comentários posso observar variados exemplos, é um show de achismo! Pelo que eu estudei do movimento, não encontrei qualquer indicio de xenofobia ou racismo por parte dos organizadores. Isso me mostra que a idéia de acusar sem fundamentos e criticar com base em opiniões sem provas mostra um ataque clássico de histeria, típica reação esquerdista.

    Em relação ao artigo, o TRE não tem moral alguma para contestar quaisquer movimentos pelo simples fato do órgão  compactuar com o sistema Smartmatic, (a conhecida urna eletrônica). Uma total aberração de qualquer ambiente realmente democrático. Todos sabem que este mecanismo não é confiável. E alias, mais um motivo para o separatismo.

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome