Luigi Ferrajoli, jurista de reputação mundial, condena abusos da Lava Jato em palestra

Foto: Luigi Ferrajoli ao lado de Cristiano Zanin, advogado de Lula.

do Justificando

Luigi Ferrajoli, jurista de reputação mundial, condena abusos da Lava Jato em palestra

Luigi Ferrajoli, um dos juristas de maior reconhecimento no mundo, denunciou de forma dura os métodos da Operação Lava Jato capitaneada pelo Juiz Federal Sérgio Moro como um processo de perseguição e espetacularização midiática. Ferrajoli ainda denunciou a fragilidade jurídica do processo de impeachment que afastou Dilma Rousseff do poder, relacionando-o com a Operação em curso em Curitiba e, também, falou sobre como o populismo jurídico tem sido um grave problema para as democracias liberais.

A fala do jurista ocorreu neste mês no Parlamento italiano na capital, Roma. Ao lado de Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, advogados do ex-presidente, Ferrajoli afirmou que o constitucionalismo brasileiro é um dos mais avançados do mundo, mas falhou em não impedir o crescimento da onda de populismo jurídico crescente no país que impulsionou tanto a Operação Lava Jato, quanto o Impeachment.

O curioso é que Luigi Ferrajoli é um dos teóricos citados com bastante frequência pelos Procuradores da República e pelo Juiz Federal Sérgio Moro nos processos da Operação Lava Jato. No entanto, apesar da deferência atribuída a ele, isso não obstou duras críticas às violações cometidas no processo – “podemos notar singulares violações, como a difusão e a publicação das interceptações promovidas pelo próprio juiz instrutor e traços típicos de impedimento. (…) Esta confusão entre acusação e justiça é o primeiro traço do impedimento [de Moro]. O andamento de mão única do processo, que não tem parte contraditória e possui apenas uma pessoa que acusa e julga”. 

Leia também:  Léo Pinheiro sai da prisão em Curitiba após STF homologar delação onde incrimina Lula, Bachelet e Evo Morales

Para o jurista, Moro é impedido de julgar pois não se comporta como um juiz, mas como um acusador – “Impressionante traço [de impedimento de Moro] é o que está provocando esta demonização pública do Lula. A espetacularização do processo, o fato do juiz Sérgio Moro ou do Ministério Público ir à televisão para falar deste processo, promover coletivas de imprensa e acusações externas a série documental do processo do investigado. Isso tudo constitui, em outras palavras, na criação da figura do inimigo” – afirmou. 

Existe uma forma horrenda de populismo, que não é o populismo político, mas o populismo judiciário. E esse [da Lava Jato] pode representar um perigo para a cultura jurídica, que deve ficar atenta de maneira alarmante para proteger a própria jurisdição e a credibilidade do direito.

– Luigi Ferrajoli, em palestra no Parlamento da Itália.

Ferrajoli ainda sustentou que, na sua visão, a Operação tem servido como instrumento para inviabilizar o ex-presidente politicamente com vistas para a próxima eleição de 2018 – “Acredito que o verdadeiro sentido político desta história é uma Operação que tenta desabilitar Lula de se lançar candidato à próxima eleição presidencial”. 

O jurista afirmou que o populismo judicial tem contribuído para a crise das democracias mundiais e isso deveria criar a preocupação não apenas de quem se opõe ao autoritarismo jurídico, como também dos liberais que no Brasil se viram no campo de intensos apoiadores no início da Operação, como também foram entusiastas do processo de impeachment – “nós estamos diante de uma fase geral de crises nas nossas democracias, que se manifestam das maneiras mais diversas. Mas essa é uma crise muito singular que deveria criar alarde, a começar pelos liberais. Também estamos diante de formas mais que intoleráveis de exibicionismo de protagonismo judicial, que contam com o consenso público para legitimar suas ações”.

“Acredito que estamos diante de uma patologia gravíssima, que é essa jurisdição de exceção. Ela é criada majoritariamente pelos abusos, mas provavelmente também porque existem defeitos no sistema processual brasileiro, o qual permite esses abusos. Ou seja, o caráter fortemente inquisitório do processo penal brasileiro” – concluiu.

Impeachment

Na palestra, o doutrinador ainda citou o processo de impeachment na análise da crise institucional brasileira ante os abusos jurídicos. Para ele, não houve motivo para justificar o afastamento de Dilma Rousseff – “O impeachment consiste no processo em que a acusação de subversão democrática é cometida através destes tipos de crime. E aqui não tem nenhuma subversão. A única acusação contra ela [Dilma Rousseff] é de não ter comunicado o banco que gerencia as contas do Brasil e ter, digamos, usado os fundos para um outra determinada despesa além do previsto. Nenhuma dessas duas ilegalidades correspondem a um dos sete tipos de crimes usados para impeachment”.

“Tivemos um impeachment que destituiu um presidente com base em um clamor de desconfiança, porque não houve nenhum processo, nenhum contraditório. É uma lesão gigantesca aos direitos dos cidadãos” – concluiu.

Leia também:  OAS culpa Lula por assumir obra deficitária na Bolívia, mas embaixador desmonta delação

Veja a palestra na íntegra com legenda, a qual está em uma versão primária, mas pode ser compreendida.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Até o Reinaldo Azevedo teve, contra sua vontade, que reconhecer

    Até o Coxinha Reinaldo Azevedo, contra a sua vontade, teve que reconhecer os abusos dos Jatomoristas.

    Outro Coxinha fez um comentário nesse site reconhecendo que O Sérgio Moro age como parte, ou seja, um Coxinha reconheceu que o Camundongo de Curitiba não é imparcial. Vou trasncrever abaixo o comentário do referido Coxinha:

     

    O que entendi, lendo a mesma

    Edy

    O que entendi, lendo a mesma notícia em diversos outros sites, é que a atitude do juiz não é ilegal.

    Ou seja, normalmente o réu é dispensando (mas a dispensa é algo que o juiz pode conceder ou não).

    Já que a defesa apresentou 87 testemunhas, o que aumenta substancialmente seu trabalho nesse processo, o juiz resolveu pelo indeferimento da dispensa.

    Vejamos, a relação entre Moro e os advogados de Lula (e/ou o próprio Lula) não é amistosa. Já houve muito tumulto até aqui, então NÃO É DE SE ESPERAR CAMARADAGEM DE NENHUMA DAS PARTES. Essa é a verdade.

    E se essa decisão do juiz não tem nada de ilegal e foi ruim para a defesa, é fruto dessa relação ruim.

    E mais uma coisa, (não ignorando a parte política) mas sem que a defesa seja técnica, a condenação não só será certa como incontestável

    http://jornalggn.com.br/noticia/moro-obriga-lula-a-presenciar-87-depoimentos-pelo-numero-exagerado-de-testemunhas

    O Rei dos Coxinhas está nu, tal qual o Joaquim Barbosa, o Temer e demais parasitas sociais privilegiados.

  2. Comentário.

    Quem é Sérgio Moro?

    Já dizia o poeta que a lesma sobe no obelisco e diz que seu rastro fará história.

  3. Requião precisa conversar

    Requião precisa conversar diretamente com o juiz Luigi Ferrajoli. 

    Quem é contra Requião diz que não há ambiente dentro de um Congresso infestado de ladrões pra poder ditar normas a magistrados por abuso de poder.

    O mesmos não são contra MT manter em seu governo tantos ministros e assessores envolvidos até a medula em tantas maracutaias. 

  4. Vergonha mundial pela 2ª vez!

    Nosso Judiciário é notícia e vergonha mundial pela 2ª vez. Quando os ministros do STF (Joaquim Barbosa à frente), usaram a Teoria do Domínio do Fato pra condenar José Dirceu sem provas no Mensalão, o principal teórico e formulador da teoria, o jurista alemão Claus Roxin, condenou o procedimento do STF em uma palestra, ressaltando que o Domínio do Fato não prescindia da prova cabal para comprovação.

    Ferrajoli é uma das maiores autoridades no mundo jurídico na defesa do Garantismo, que como proposta de atuação do Judiciário prescreve o respeito absoluto aos direitos de defesa do cidadão e a atuação ética da Justiça. É muito bizarro que ele seja um dos mais citados pela República de Curitiba, que solapa continuamente os direitos da defesa, atuando muito mais no Direito Penal do Inimigo do que no Garantismo de Ferrajoli.

  5. O Brasil é conhecido por suas dançarinas, não por seus juristas

    Como disse um político italiano, o Brasil não é famoso mundialmente por seus juristas, mas por suas dançarinas. Dançarina, na Itália, é eufemismo para puta.

    Não foi à toa que a Adidas lançou camisas da copa com conotação sexual. O Moro é uma prostituta dos Tucanos, assim como o Joaquim Barbosa, o Dallagnol, o Gilmar Mende$, entre tantos outros.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome