Maia recebeu R$ 200 mil e DEM mais R$ 6 milhões de caixa três em 2014, diz relatório


Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
 
Jornal GGN – Investigações apontam que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu R$ 200 mil de empresa ligada à Cervejaria Petrópolis, e o diretório nacional de campanha do partido de Maia mais de R$ 6 milhões, em 2014, como prática do chamado “caixa três” da Odebrecht.
 
O tipo repasse é uma ordem realizada por empresas segundárias que mantêm relações com os grandes grupos econômicos, como a empreiteira Oderbecht, a mando delas. Relatórios da Polícia Federal mostram repasses que se aproximam dos R$ 120 milhões a diversos políticos para financiamentos das campanhas de 2008, 2010, 2012 e 2014.
 
Da Folha de S. Paulo
 
 

Em relatório de um dos inquéritos que investigam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a Polícia Federal apontou indícios de que suas campanhas receberam dinheiro de empresas a mando da Odebrecht, prática chamada pelos investigadores de “caixa três”.

Desde que vieram a público as delações de donos e executivos da empreiteira, em abril, apontava-se a Cervejaria Petrópolis, que fabrica a Itaipava, como a principal parceira da Odebrecht no caixa três.

Segundo a Odebrecht, a cervejaria doou nas eleições de 2008, 2010, 2012 e 2014 cerca de R$ 120 milhões a diversos políticos a pedido da empreiteira –e usou ainda outras duas empresas com as quais mantinha negócios. Agora, as investigações têm buscado os beneficiários, que não foram devidamente identificados nas delações.

No seu relatório, a PF destacou ter localizado na prestação de contas da campanha de Maia de 2014 uma doação de R$ 200 mil da empresa Praiamar Indústria Comércio e Distribuição, ligada à Cervejaria Petrópolis. A Praiamar doou ao diretório nacional do DEM, que repassou a Maia.

Leia também:  Posse do TST tem ‘algozes’ do Judiciário, embate sobre reformas e crítica velada a Bolsonaro

Também em relação a 2014, a PF anotou haver doações da Cervejaria Petrópolis ao diretório nacional do DEM, no valor de R$ 6,1 milhões.

Já em 2010, segundo a polícia, a campanha de Maia à Câmara recebeu R$ 389 mil do diretório estadual do DEM fluminense. O diretório, por sua vez, havia recebido R$ 20 mil da Praiamar e R$ 80 mil da Leyroz Caxias Indústria Comércio e Logística, outra empresa ligada à Cervejaria Petrópolis.

Até aquele ano, o sistema da Justiça Eleitoral não permitia verificar a fonte original de recursos que chegassem às campanhas por meio de diretórios partidários. A PF observou que é “certo de que existe a possibilidade de [os valores repassados a Maia pelo diretório] terem sido originados das referidas empresas parceiras da Odebrecht [Praiamar e Leyroz]”.

Investigado no mesmo inquérito, o pai do presidente da Câmara, o vereador do Rio Cesar Maia (DEM), também recebeu doação de R$ 50 mil da Cervejaria Petrópolis. O repasse foi via diretório nacional do DEM em 2014, quando ele disputou uma vaga no Senado e perdeu.

O relatório da PF é de 28 de junho e se tornou acessível no inquérito no final de novembro.

TRIANGULAÇÃO

Em depoimento à PF em julho, o dono da Cervejaria Petrópolis, Walter Faria, disse que estreitou relações com a Odebrecht após a empreiteira construir suas fábricas. Em 2010, segundo Faria, o então executivo da Odebrecht Benedicto Júnior, o BJ, lhe perguntou se ele poderia fazer doações eleitorais.

Segundo Faria, “BJ lhe explicou que [a empreiteira] não desejava figurar como a maior doadora para políticos”. O empresário disse que, apesar de ter topado, também não queria aparecer como grande doador. Foi então que o dono da Praiamar e da Leyroz, Roberto Fontes Lopes, “grande distribuidor do Grupo Petrópolis”, lhe disse que gostaria de doar a políticos.

O dono da cervejaria afirmou que não dava a Lopes o dinheiro para as doações, mas “fornecia ‘uma gordura’ na negociação dos preços das bebidas que eram distribuídas” pela Praiamar e pela Leyroz.

Leia também:  Outdoor leva integrantes da Lava-Jato a serem réus em investigação

Em regra, afirmou, o dinheiro saía da Petrópolis a pedido da Odebrecht e depois era “debitado de uma conta corrente” mantida entre a cervejaria e a empreiteira. Nos acertos, segundo Faria, a cervejaria chegava a ganhar descontos da Odebrecht na construção de fábricas.

Faria entregou à PF uma tabela que, segundo ele, distingue as doações que foram feitas pela cervejaria espontaneamente das que foram a pedido da Odebrecht. Entre essas últimas estavam os R$ 6,1 milhões ao DEM em 2014.

A PF também ouviu Lopes, dono da Praiamar e da Leyroz. Ele afirmou que quis fazer doações de boa-fé, para ganhar reconhecimento, e não detalhou as contribuições a Maia.

De julho a novembro a PF tentou ouvir Maia nesse inquérito. Houve um adiamento, a pedido da defesa, mas mesmo assim Maia não compareceu na data marcada. O depoimento foi remarcado para 3 de outubro. Nesse dia, porém, chegou à PF uma petição da defesa argumentando que pedira ao relator do caso no STF, Edson Fachin, para redistribuir o inquérito sob a alegação de que não havia conexão entre essa apuração e a Lava Jato.

A presidente da corte, ministra Cármen Lúcia, decidiu manter o caso com Fachin. A defesa de Maia recorreu, mas a decisão foi mantida.

O advogado de Maia, Danilo Bonfim, disse à Folha que o deputado já foi ouvido pela PF. Ele não quis comentar o teor do depoimento.

OUTRO LADO

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, por meio de sua assessoria, que todas as doações recebidas em suas campanhas respeitaram a legislação e estão registradas na Justiça Eleitoral.

Leia também:  Lula enfrenta primeiro interrogatório, desde que está em liberdade

“Maia reitera que confia na Justiça e está à disposição das autoridades, pois tem interesse que tudo seja esclarecido com a maior brevidade possível”, diz a nota.

Sobre os três depoimentos à PF que foram desmarcados, a assessoria do presidente da Câmara afirmou que o deputado não pôde ir na data estabelecida e apresentou justificativas que foram aceitas. “Não houve protelação”, afirmou.

     
SOB SUSPEITA Presidente da Câmara é alvo de dois inquéritos abertos após delação da Odebrecht
 

EM FAMÍLIA

Rodrigo Maia (DEM-RJ) é investigado junto com seu pai, o vereador do Rio Cesar Maia (DEM), suspeitos de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; Cesar é cotado para disputar o governo do Rio de Janeiro

> Segundo delatores da empreiteira, eles solicitaram e receberam doações não declaradas em 2008, 2010 e 2014 a pretexto de campanha eleitoral. Para a PGR, em troca, o deputado atuou na Câmara em favor da empreiteira

> Na campanha de 2014, Rodrigo Maia recebeu, via diretório, doação de R$ 200 mil da Praiamar Indústria Comércio & Distribuição, ligada à Cervejaria Petrópolis, que fazia repasses a pedido da Odebrecht

NO CONGRESSO

Rodrigo Maia é investigado junto com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE), os senadores Renan Calheiros (AL) e Romero Jucá (RR) e o deputado Lúcio Vieira Lima (BA), todos do MDB

> Segundo depoimento prestado por delatores, os cinco parlamentares “venderam” medidas provisórias que beneficiavam o Grupo Odebrecht

> No caso de Maia, a suspeita é de atuação na aprovação de uma MP de 2013 que favoreceu a Braskem, braço petroquímico do grupo empresarial 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Nenhuma novidade. O
    Nenhuma novidade. O presidente da #CamaraDeputados é tão ladrão quanto o usurpador que ele apoia. Ambos recebem proteção judicial, pois o golpe foi “com o STF com tudo” como disse um senador mafioso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome