Moro permite que dados do sítio sejam usados contra Lula no caso triplex

Não é a primeira vez que Moro permite questionamentos ou ele mesmo aborda assuntos que não têm nada a ver com o triplex no Guarujá. Advogados sustentam que abranger fatos alheios ao objeto da ação penal dificulta a defesa de Lula

Jornal GGN – O Ministério Público Federal convocou para depor contra o ex-presidente Lula uma testemunha que não sabia informar sobre a decoração do triplex no Guarujá. O funcionário da Kitchens Mario da Silva Amaro participou, na verdade, da venda de móveis planejados para o sítio de Atibaia. Ao saber dessa informação, a defesa de Lula alertou que esse caso não tem nada a ver com a denúncia de que Lula teria recebido da OAS um apartamento no litoral paulista. Ainda assim, o juiz Sergio Moro não só manteve, como também fez perguntas sobre o sítio à testemunha.

A audiência de Amaro, gravada e divulgada ao Estadão, durou cerca de 13 minutos. No início, quando questionado pelo membro da força-tarefa, o funcionário da Kitchens confirmou monossilabicamente que tinha conhecimento da venda de móveis planejados para representantes da OAS, com destino ao Edifício Solaris.

Paulo Gordilho, funcionário da OAS, segundo Amaro, esteve na sede da Kitchens em São Paulo para efetuar a compra de armários para cozinha, banheiro e dormitórios ao custo aproximado de R$ 340 mil. “Não sei confirmar se é isso.”

Só nos minutos finais de seu depoimento, enquanto estava sendo questionado pela defesa de Lula, foi que Amaro esclareceu que não participou de nenhuma negociação envolvendo o triplex no Guarujá, mas sim de uma venda para o sítio de Atibaia, que saiu em nome de um dos donos do espaço, o empresário Fernando Bittar. “Isso não é objeto dessa ação”, protestou Zanin. 

Leia também:  Reis e presidentes patrocinam obras no exterior, por Andre Motta Araujo

As informações sobre os armários planejados e o custo, portanto, referiam-se ao sítio. Sobre o triplex, Amaro não tinha condições de fornecer detalhes da venda. Tudo que sabia foi por “ouvi dizer” dentro da Kitchens.

Moro, então, decidiu fazer perguntas sobre o sítio: “Foi na mesma época, as duas vendas?”

“Foi na mesma época”, respondeu Amaro. “Primeira foi a do sítio, e depois a do triplex, mas foi pouco tempo de uma para outra. Dois ou três meses. Acho que é isso. Eu sei que foi rápida, as duas vendas.” Segundo ele, a OAS chamou funcionários da Kitchens para efetuar a compra no escritório da empreiteira. Por isso, ele não possui detalhes.

“As duas vendas se deram na mesma circunstância?”, questionou Moro. Ao que Amaro respondeu: “Do sítio eu participei da negociação. Também não ficamos sabendo de nada. A venda saiu em nome do Fernando Bittar.”

https://www.youtube.com/watch?v=GtgvR-twuHw height:394]

Não é a primeira vez que Moro permite questionamentos ou ele mesmo aborda um assunto que foge ao mérito da ação do caso triplex. Logo nas primeiras audiências, houve embate entre a defesa de Lula e o magistrado porque ele permitiu que o sítio de Atibaia e a denúncia de que Lula teria, junto a Delcídio do Amaral, tentando comprar o silêncio de um delator da Lava Jato.

Os advogados sustentam que abranger assuntos alheios ao objeto da ação penal dificulta a defesa de Lula.

Moro, por sua vez, costuma ser permissivo com a Lava Jato alegando que existe todo um “contexto” envolvendo o sítio e o triplex que “interessa ao Juízo”.

Leia também:  Decisão de Toffoli sobre Coaf leva juiz a suspender processo da Operação Sinal Fechado no RN

[video:https://www.youtube.com/watch?v=E5PDin1pwjY height:394

Arthur Sampaio Neto, outro funcionário da Kitchens, diz que os móveis planejados do triplex custaram cerca de R$ 360 mil. A negociação foi feita em escritório da OAS, que pagou com transferência bancária. Não houve “anormalidades” na prestação desse serviço. Ele negou que tenha houvido de alguém da OAS que o apartamento pertencia a Lula.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

22 comentários

  1. Prevejo um trágico fim para degenerados que insistem no caos

    De provocação em provocação, o asqueroso judiciário acabará causando uma violenta resposta de pessoas que não suportam tanta injustiça .

    Depois não adianta o presidento do supreminho doutor Carmem Lúcia e demais patéticos ministrinhos fazerem declarações chorosas e clamarem por paz utilizando a tela da GRoubo e das demais mídias mafiosas .

    Tomara que ao cabo desta provável tragédia ressurja um Brasil mais respirável .

      • Num contingente de mais de 20

        Num contingente de mais de 20 milhões de desempregados e sem futuro, milhões de pessoas com doenças crônicas ou terminais que não encontram assistência médica adequada etc… .

        Ou seja, um enorme contingente de pessoas desesperançadas e que não esperam nada de bom desta quadrilha que assaltou a nação, os conspiradores e ou golpistas correm sério risco .

        Se Deus for brasileiro, que ele proteja os inocentes .

  2. Está mais que evidente o

    Está mais que evidente o desespero da Lava Jato (Moro, Dallagnóis e delegados aecistas) em não encontrar nada contra Lula mesmo após toda a devassa feita.

    Está cada vez mais difícil entregar a rapadura (prisão e/ou morte política de Lula):

    – não encontram um fiapo de provas para prendê-lo.

    – Lula sobe nas pesquisas mesmo com todo o massacre patrocinado pela LJ.

    Creio também que Moro tem se descontrolado porque já percebe que está murchando. Vaidoso que ele só, já nota que está perdendo relevância (exceto por seus devotos da classe média mais malucos).

  3. O desM é o retrato cuspido e

    O desM é o retrato cuspido e escarrado do novo (in)judiciário de exceção que tomou conta deste país de merrecas por conta dos de sempre. Fraquíssimo como juiz, tenta enfeitar suas penas-pavoneadas com assuntos que – efetivamente – não estão no contexto das ações. Sempre, é claro, contra o Lula e o PT. Como não existe corregedoria e, muito menos, cnj (abandonado pelo criador-de-direitos-pro-fhc e a tal presidentA-chororô), vão levando até que a corda arrebente do lado deles (os verdadeiramente mais chatos). Aliás, não esqueçamos que 13 de dezembro é data fatídica: 1968 e 2016. Haja saco com esses sacripantas. Certa fotografia do desM continha ele carregando um buquê de flores, que havia ganhado sei-lá-de-quem: será que ganhou em pagamento de algo que não-devia-ter-feito? Quem pagou o buquê? Qual a razão para o mimo? 

  4. Abuso de autoridade

    Mais um caso que vai ficando para traz com a velha desculpa …   a literatura me permite ….

    DETESTÁVEL !

  5.  
    Isso é a colheita das

     

    Isso é a colheita das suposições que Moro precisa para a condenação fajuta. Moro vai condenar Lula com base em suposições. O TRF4 deve confirmar (condenação em 2ª instância é prisão imediata, decidiu recentemente o STF). 

     

  6. o juiz que se achava napoleão endoidou

    Menino moro e mané,

    Perdeu condenado o Presidente Lula

    Perdeu não condenando o presidente Lula

    Eta sinuca de bico!!!

  7. Estão deseperados num rolo 

    Estão deseperados num rolo  que não tem mais volta.

    Correm contra o tempo. Se não conseguirem provar nada vão ter que arcar com inúmeros processos pois certamente Lula não deixará barato. Vai ser uma desmoralização total pro MP e PF. Lula ainda vai ser muito rico com as indenizações milionárias que o Estado terá que pagar. Talvez ele não usufrua muita coisa, mas seus filhos e netos certamente vão.

    • Desesperados e gastando o dinheiro do contribuinte.

      Chamar uma testemunha que nada tem a ver com o caso deveria ser causa de punição. Afinal  todas estas horas com testemunhas da acusação que só comprovam a defesa deve custar muito ao erário publico. Afora os problemas legais.

      Por isto Moro não quer uma lei de responsabilidade.Segundo ele não pode ser punido por interpretar mal. Neste caso vira caso de competência ou má fé. Em ambos os casos isto é grave e custa muito dinheiro.

    • Engraçado

       

      Veja bem, Solle, o que você disse:

      “Lula ainda vai ser muito rico com as indenizações milionárias que o ESTADO terá que pagar.”

      Ora, o dinheiro do estado vem de quem? Do povo, de nós mesmos!

      Irônico, não?

       

       

  8.  
     
    O criminoso juizeco  moro

     

     

    O criminoso juizeco  moro faz o que bem lhe dá na telha. O merda descumpre a lei, dá faniquito quando é contrariado, berra feito uma taquara rachada. Atropela a defesa e atua descaradamente como se fosse um promotor, ou ainda, como um mero delegado de polícia. Evidencia-se seja tudo isso, resultante do adestramento nas agências da CIA, fruto das constantes idas à sede da Bananolândia em Miami USA. Este é o dever de casa, a que se presta o  premiado juizeco de merda.

    É a estratégia da tortura de baixo impacto do governo Obama. Nada de  porrada, nada de ferimentos físicos, nada de deixar marcas na carcaça do infeliz. Basta manter as vítimas, testemunhas, réus, e etc. A regra é manter o inimigo sob permanente tensão e medo.

    Orlando

  9. Lacaio

    Pra esse justi$$eiro fajuto, contra Lula ele acredita que pode tudo, mas contra aquele amiguinho conhecido como “minerin”, e sua trupe, nada vem ao caso.

    É  mais um  que a história jogará na lata do lixo e servirá no futuro como exemplo de sabujiçe aos interesses contrários ao do Brasil,  nas aulas do direito penal.

  10. O tiro dos Procuradores de Curi saiu pela culatra

    A reticente testemunha de acusação arrolada pelo MPF com a finalidade de provar que Lula era o proprietário do imóvel afirmou que Lula era apenas um cliente em potencial. Mas não sem antes ter afirmado que a Dona Maria Letícia foi tratada como se o imóvel já tivesse sido a ela destinado.

    O depoimento da vacilante testemunha de acusação deixa claro o primitivismo da nossa parasitária, improdutiva e consumista elite econômico-financeira, que a cada dia fica mais rica sem produzir sequer um alfinete para enfiar numa barra de sabão. Se fosse uma elite moderna, cujo consumo fosse produtivo, trataria, ao mesmo tempo, de conservar os clientes antigos e de conquistar novos clientes, e para isso trataria clientes novos tão bem quanto trata os antigos. Uma elite primitiva, entretanto, dispensa um tratamento discriminatório à clientela, a depender de ser o cliente novo (ou em potencial) ou antigo. Tem uns homens de negócio com a mentalidade dos homens de negócio da Idade da Pedra Fudida que tratam os clientes novos melhor do que os antigos. Assim fazendo, eles conquistam novos clientes mas perdem os antigos. Outros fazem o contrário: tratam os clientes antigos melhor do que tratam os novos clientes (em potencial), conservando os clientes antigos, mas não conquistando novos clientes. Esse tipo de agente econômico vai ser sempre um homem menor do que suas capacidades. De acordo com a testemunha da acusação, a Dona Marisa foi tratada como se o imóvel já lhe tivesse sido destinado. Note-se que no início do depoimento a testemunha afirma que parecia que o imóvel não tinha proprietário. Só um homem de negócio da idade medieval trataria clientes antigos e clientes novos de forma desigual.

  11. Sérgio moro é canalha, canalha, canalha!

    Prezados,

    Eu não tenho mais nenhuma dúvida de que  Fraude a Jato é uma organização criminosa institucional, que TODOS os integrantes dessa força-tarefa são criminosos de Estado. O TRF4 e tribunais superiores estão acanalhados e são comparsas de sérgio moro e dos procuradores do MP e agentes e delegados da PF nessa sórdida empreitada contra o ex-presidente Lula, contra o PT, contra  Esquerda, contra os interesses e soberania nacionais.O pior tipo de criminoso é este enquistado e encastelado na burocracia do Estado. Quando a democracia for restabelecida, esses criminosos de Estado deverão ser julgados de forma implacável por um tribunal como o de Nüremberg, que condenou de forma exemplar os nazistas acusados de crimes de guerra e contra a humanidade. Um a solução mais radical implica em levá-los ao paredão…  Mas para iso é preciso que haja uma verdadeira revolução.

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome