MP tenta salvar provas da operação Satiagraha

Da Folha

Procuradoria quer salvar investigações feitas pela PF

FLÁVIO FERREIRA
DE SÃO PAULO

O Ministério Público Federal vai iniciar uma batalha jurídica para reverter ou no mínimo limitar os efeitos das decisões do Superior Tribunal de Justiça que anularam provas das operações Satiagraha e Castelo de Areia da Polícia Federal.
Complexos e extensos, esses casos geraram vários inquéritos e processos judiciais. A meta da Procuradoria é salvar pelo menos parte desses procedimentos.

De outro lado, as defesas dos réus vão à Justiça para pedir que as decisões do tribunal possam ser usadas para anular por completo todas as ações relativas aos casos.

Esse cabo de guerra jurídico vai se dar, principalmente, em torno da tese conhecida como “teoria da contaminação dos frutos da árvore envenenada”. Segundo ela, a ilegalidade de uma prova “contamina” e torna nula as apurações resultantes dela.

Na Satiagraha, que investigou supostos crimes financeiros do banqueiro Daniel Dantas, do grupo Opportunity, o STJ considerou ilegal a participação de agentes da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) nas apurações.

Dantas e os outros acusados nas investigações negam ter cometido os crimes.

Esse entendimento levou a corte a declarar a nulidade do processo em que Dantas foi condenado sob a acusação de corrupção, cujas investigações teriam contado com servidores da Abin.

O procurador da República Rodrigo de Grandis, responsável pelo caso em primeira instância, diz que não houve ilegalidade na participação dos agentes da Abin, pois eles trabalharam sob coordenação da PF e em atividades secundárias.

Leia também:  Pais são obrigados a vacinar filhos se autoridades sanitárias recomendarem

Segundo ele, mesmo que a participação dos agentes da Abin seja considerada ilegal pela Justiça, há inquéritos resultantes da Satiagraha que poderão continuar válidos.

Diz que a “teoria da contaminação dos frutos” não é absoluta e possui exceções no Código de Processo Penal.

Segundo Grandis a regra pode ser afastada em dois casos: 1) quando não há “nexo de causalidade” entre a prova considerada ilegal e as outras; 2) as apurações resultantes da prova ilegal poderiam ter sido feitas por meio de “fontes independentes”, ou seja, começado a partir de meios de investigação lícitos.

A defesa de Dantas, porém, poderá tentar anular todas as ações e inquéritos do caso, sobretudo com base no voto do ministro Jorge Mussi, que citou a teoria no julgamento de anteontem no STJ. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome