MPF denuncia agressor de Bolsonaro

Jornal GGN – Adélio Bispo de Oliveira foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF). Adélio é o agressor do candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL). A denúncia foi por atentado pessoal por inconformismo político. Segundo a Procuradoria, Adélio Bispo colocou em risco o regime democrático ao tentar interferir no resultado das eleições ao buscar assassinar um dos concorrentes na disputa presidencial.

O procurador argumentou, ainda, que Adélio Bispo planejou o ataque com antecedência de modo a tirar Bolsonaro da disputa eleitoral. O procurador, autor da denúncia, utilizou o depomento de Adélio e elemntos obtidos na investigação, como rastros da navegação na internet, mensagens de celular e histórico de atuação política. A denúncia levantou elementos indicando que Adélio tinha fortes críticas a Bolsonaro e suas posições políticas.

“O propósito do ato foi o de eliminar fisicamente o candidato da disputa pela Presidência da República, excluindo-o do pleito, de modo a impedir que as suas ideias, caso acolhidas pela maioria, passassem a informar as políticas públicas do Governo Federal”, afirmou o procurador Marcelo Borges de Mattos Media, autor da denúncia.

E acrescentou, no documento: “O objetivo, em suma, diante da perspectiva da eleição daquele de quem ´discorda radicalmente´ foi o de determinar o resultado das eleições, não por meio do voto, mas mediante violência”.

Autor confesso do ataque, Adélio Bispo foi levado, inicialmente, para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional em Juiz de Fora. Depois foi transferido para uma presídio federal em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Em seus depoimentos, manifestou motivações políticas e religiosas para o atentado, e a defesa solicitou exame de sanidade para avaliar a situação da saúde mental do acusado.

Leia também:  PFDC divulga nota contra a Lava Jato: ‘é inadmissível reprimir o crime violando direitos fundamentais’

A Polícia Federal investiga o caso desde o dia do ocorrido. No dia 25, a PF abriu novo procedimento de apuração sobre o caso, mas não deu detalhes da motivação e natureza do novo processo.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. não vai nada?

    “Segundo a Procuradoria, Adélio Bispo colocou em risco o regime democrático ao tentar interferir no resultado das eleições ao buscar assassinar um dos concorrentes na disputa presidencial.”

    Quando vai denunciar os outros que colocam (tentam e conseguem) em risco o regime democrático? Tipo: sejumoros, toffolis, fuxes, lebbos, mialiks, mourões, globos, istoés, dodges, com tudo?

  2. Ideias?

    “O propósito do ato foi o de eliminar fisicamente o candidato da disputa pela Presidência da República, excluindo-o do pleito, de modo a impedir que as suas ideias, caso acolhidas pela maioria, passassem a informar as políticas públicas do Governo Federal”

    Bolsonaro tem “ideias”?… ideias que podem ser “acolhidas”?…

    Um simples exemplo da normalização do fascismo em marcha…

  3. “O objetivo, em suma, diante

    “O objetivo, em suma, diante da perspectiva da eleição daquele de quem ´discorda radicalmente´ foi o de determinar o resultado das eleições, não por meio do voto, mas mediante violência”.

    Ué… por esse critério Sérgio Moro, Carolina Lebbos e golpistas em geral deviam ir tudo para a cadeia, também.

    Ah, é… o truque é acusar o outro daquilo que você faz.

  4. Agora vai, o MPF se

    Agora vai, o MPF se manifestou. Adélio “colocou o regime democrático em risco” e já pode ocupar o panteão dos herois brasileiros: oficialmente pode ser equiparado aos ministros do STF (com exceção de Lewandowski).

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome