Governo do Panamá proíbe atuação da Odebrecht no país

Jornal GGN – Nesta terça-feira (27), o governo do Panamá anunciou que o grupo Odebrecht não poderá participar das futuras licitações no país. De acordo com o governo, a proibição está em vigor até que a empresa comprove uma “colaboração efetiva e eficaz nas investigações do Ministério Público e se garantam os valores que que o grupo deve restituir ao Estado” pelos prejuízos causados.

Também foi anunciado o cancelamento de um contrato de US$ 1 bilhão com a Odebrecht na hidrelétrica Chan II. Na semana passada, a construtora se declarou culpada de pagar suborno em diversos países, incluindo o Panamá.

 

O governo panamenho também disse que vai adotar medidas para que a empresa saia dos processos de concorrência para os quais já estava qualificada, como construção de uma linha do metrô da capital do país e de uma ponte no Canal do Panamá.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos concluiu que a Odebrecht pagou subornos em nove países latino-americanos. No Panamá, a empresa teria pago mais de US$ 59 milhões em propinas entre 2010 e 2014 para conseguir contratos de US$ 175 milhões.

Carlos González, ex-diretor de Projetos Especiais do Ministério de Obras Públicas, será investigado por seu envolvimento com o esquema da construtora. “Todas as pessoas relacionadas a atos de subornos pela Odebrecht que ocuparam ou ocupam cargos públicos terão sua situação patrimonial investigada”, afirmou a Controladoria do Panamá.

Fiscais panamenhos viajaram aos Estados Unidos nesta semana para obter informaçõe sobre o pagamento de subornos e o uso de instituições financeiras do Panamá pela Odebrecht. Luiz Eduardo Soares, executivo da empresa, teria afirmado para procuradores brasileiros que foram pagas comissões para dois filhos do então presidente panamenho Ricardo Martinelli.

Eles teriam recebidos US$ 6 milhões para que seu pai favorecesse a Odebrecht. Os filhos de Martinelli negam as acusações e dizem que a denúncia é fruto de uma campanha midiática.

Após a assinatura do acordo de leniência da empreiteira com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, outros cinco países da América Latina (México, Colômbia, Peru, Argentina e Equador) afirmaram que irão investigar o caso.

Em setembro, o jornal O Globo noticiou que o Panamá não estava colaborando com as apurações da Operação Lava Jato, se recusando a enviar dados de uma conta da Odebrecht para os procuradores de Curitiba. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Refundação do Brasil passa por desencarcerar e descriminalizar a cannabis, diz Valois

10 comentários

    • Quer dizer
      Um governo BRASILEIRO de verdade….

      Porque pelo que me lembro a direita não tem problemas em defender EMPRESAS.

      Desde que sejam NACIONAIS….

      Mas, de acordo com nossa constituição, empresas nacionais não existem. Todas são empresas terráqueas.

  1. As empreiteiras de Singapura,

    As empreiteiras de Singapura, Turquia, Malasia, Indonesia, Tailandia, Coreia, todas na lista de 500 maiores da ENGENEERING NEWS RECORD, agradecem a derrubada da Odebrecht pelas forças judiciarias Brasil-EUA.

    Seria inconcebivel um Governo desses paises detonar uma empreiteira patria, jamais fariam isso, são paises com

    plena concsciencia do interesse nacional ao contrario do Brasil, onde nem se sabe o que é isso.

    • Madrid

        No caso das operações panamenhas da ODB quem irá levar são espanhóis, creio que os mesmos que vão levar as do Perú.

        AA, a ODB internacional só irá sobrar nos USA, MIami e Texas.

  2. Panamá ???

      É o fundo do poço e cavando, ser chamado na chincha pelo governo do Panamá é o fim da picada, nem em uma blague de péssimo gosto teria tal fato qualquer sentido, afinal é o PANAMÁ porra, quem conhece um pouco do ” governo panamenho” , qualquer governo, de Torrijos ao atual, passando por Noriega, ou já fez qualquer negócio naquele “cassino”, já lidou com a estruturada corruptocracia panamenha, sabe, tem certeza, até o DeptofJustice, a Interpol a CIA, FSB……pode escolher, que sem molhar varias mãos, pés, amantes, parentes, agregados, do continuo ao office boy, lá não se consegue nada.

        Ser inquirido pelo governo panamenho, é alem do fim, seria comico se não fosse tragico.

    • Panamá
      É um país de fantasia controlado pela CIA.
      Por acaso é controlado pelo Mesmo país que SUPOMOS comandar a Lava Jato. Sabe aquele país que pagou os Estudos do juiz da Lava Jato?
      E que se encontra com os procuradores da Lava Jato sem que o Itamaraty tome conhecimento. ..

      Pra que a surpresa?

      • Não surpreende
        Não é surpresa nenhuma mesmo, concordo, há muito tempo o Panamá é um puxadinho dos EUA, e o pior que o sr temer o “Corajoso” vai ficar quietinho, isso senão decidir pagar uma compensação bilionária ao Panamá, logicamente definido pelos isentíssimos tribunais americanos juntamente com os “queridinhos” da republica de curitiba, nossa última defesa contra os comunas infiltrados em nossa Patria Gloriosa que querem roubar e destruir nossa tao respeitosa Democracia

  3. Viramos piada mundial. Até o

    Viramos piada mundial. Até o Panamá passa a mão na nossa bunda. Rídiculo o que esta mídia venal e estes Procuradores de Merda amestrados pelos EUA fizeram com um país que apenas há um ano atrás ainda era grande. Viramos o cocô do cavalo do bandido.

  4. Viramos piada mundial. Até o

    Viramos piada mundial. Até o Panamá passa a mão na nossa bunda. Rídiculo o que esta mídia venal e estes Procuradores de Merda amestrados pelos EUA fizeram com um país que apenas há um ano atrás ainda era grande. Viramos o cocô do cavalo do bandido.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome