Operação contra Fake News no Espírito Santo blinda o beneficiado, Paulo Hartung


Foto: Leonardo Duarte/Secom-ES
 
Jornal GGN – Na coletiva de imprensa para falar sobre a Operação Voto Livre, a primeira investigação de Fake News no Brasil, que apura informações falsas relacionadas às eleições deste ano no Espírito Santo, supostamente em favor do atual governador Paulo Hartung (PMDB), a própria secretária do governo atual participou da reunião.
 
Nesta quinta-feira (15), a secretária Estadual de Comunicação, Andréia Lopes, integrou a banca de divulgadores sobre as investigações da Polícia Civil e Federal, ao lado dos delegados Vitor Moraes Soares e Cláudia Demathé.
 
A situação provocou estranhamento porque Hartung é um dos principais investigados da Operação Voto Livre, deflagrada nesta quarta-feira (14), com dois mandados de busca e apreensão e dosi mandados de intimação, cumpridos na casa de Evandro Figueiredo, o autor de uma reportagem publicada no site Capixabão.com, que noticiou a pesquisa que colocava o governador como favorito para vencer as eleições de 2018, caso disputasse a reeleição.
 
Também foram alvos das polícias civil e federal a Secretaria de Esporte e Lazer do Espírito Santo. A investigação teve como base uma denúncia que circulou pelo Whatsapp e em um site esportivo, que está atualmente fora do ar. 
 
As apurações podem levar a comprovação de crimes de pesquisa eleitoral fraudulenta e falsidade ideológica. Isso porque a lei estabelece que “divulgação de pesquisa fraudulenta constitui crime, punível com detenção de seis meses a um ano e multa no valor de cinquenta mil a cem mil UFIR”. 
 
A reportagem também dava conta de que o atual deputado estadual Amaro Neto, que apresenta o Programa Balanço Geral, da TV Vitória, seria o vencedor se disputasse cargo no Senado.
 
Entretanto, segundo as apurações, a pesquisa não existe, foi uma falsidade. “As investigações iniciaram a partir de notícia-crime apresentada por pessoa da sociedade, a qual encaminhou à Polícia Federal suposta falsa pesquisa eleitoral de intenção de votos que estaria circulando pelo aplicativo WhatsApp. Ademais, durante as investigações também foi verificada a divulgação de suposta falsa pesquisa de intenção de votos pelo veículo de comunicação CAPIXABÃO.COM”, informou a Polícia Federal, em nota.
 

A atual secretária Andréia Lopes em cerimônia acompanhada do governador Paulo Hartung – Foto: Coluna Social Ramon Barros
 
No caminho das investigações, contudo, as autoridades tiraram a possível responsabilidade e envolvimento dos diretamente favorecidos pela divulgação da reportagem da mira das apurações. De imediato, a PF afirmou que Hartung e Amaro Neto não teriam nenhuma participação nos crimes, isolando a investigação a Evandro Figueiredo.
 
Em meio à essa polêmica, outra surgiu nesta quinta-feira (15): o blog de Elimar Côrtes divulgou que, por coincidência, a própria secretária Estadual de Comunicação do governo do Espírito Santo integrou a banca de informações da coletiva de imprensa das polícias locais.
 
Os fatos vão além: “Andréia Lopes, na verdade, é a chefe de todos os Assessores de Imprensa do Governo do Estado. Embora não seja jornalista profissional, Evandro Figueiredo funcionava como uma “espécie de Assessor de Comunicação” no governo, por entender de espalhar notícias nas redes sociais”, divulgou o blog.
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  “Aras tem o dever de denunciar Bolsonaro”, diz Fonteles, ex-PGR, por Marcelo Auler

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome