Para Damous, Lava Jato carrega elementos de Estado de exceção

Jornal GGN – O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) carrega a difícil tarefa de defender o governo em tempos tão bicudos e com tanto tiroteio político. A função lhe foi delegada pelo ex-presidente Lula. E foi Damous quem recomendou a contratação do criminalista Nilo Batista, feita pelo Instituto Lula.

As informações constam de entrevista concedida pelo deputados federal ao jornal O Globo.

O jornal perguntou a Damous por quê indicou a contratação de Nilo Batista, ao que ele respondeu que foi por conta “dessa criminalização geral da política”. O deputado criticou este momento, em que Lula tem sido alvo de atenções persecutórias. Assim, com este cenário,é preciso que esteja bem assistido juridicamente. “É, na verdade, uma defesa da democracia. Foi assim que conversamos com o Nilo e foi assim que ele se posicionou”, disse Damous.

Instado a dizer se acredita que o ex-presidente Lula corre o risco de ser preso, Damous afirmou não acreditar nisso, mas como a Lava-Jato carrega muitos elementos de um Estado de exceção, de desrespeito à ordem jurídica, considera salutar qualquer medida preventiva, mesmo que nada exista contra Lula. Ele entende que seria a “ousadia das ousadias criminalizar um ex-presidente da República com base em delações de delinqüentes”. E mais disse, de que “nem esses delinqüentes têm feito qualquer tipo de acusação frontal contro o presidente Lula”. “Mas, já que há um cenário de criminalização ampla, geral e irrestrita da política, é importante que alguém da estatura do presidente Lula tenha uma assessoria jurídica à altura”, afirmou.

Leia também:  Alvos da Fake News, deputados bolsonaristas de São Paulo são afastados

O deputado disse considerar um lixo jurídico o relato de que sempre se pergunta acerca do Lula, como se houvesse um direcionamento.

Sobre o filho de Lula, Luis Claudio, ser a maior preocupação do ex-presidente na Operação Zelotes, Damous disse que a maior preocupação é sim o desvio que a Zelotes tomou. “Ela foi instaurada para investigar grandes sonegadores, parou de investigar grandes sonegadores e enveredou para a esfera política, como tem se tornado praxe no Brasil”, disse ele.

“Ninguém está acima da lei. Nem o juiz Sérgio Moro, nem os procuradores da Lava-Jato, nem a Polícia Federal podem se considerar acima da lei. Tem que investigar qualquer indício de irregularidade. Agora, a Operação Zelotes parece que está se resumindo a isso”, declarou Damous.

Leia a entrevista na íntegra.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

25 comentários

  1. corajosa a afirmação dele de

    corajosa a afirmação dele de que a zelotes

    era  para investigar sonegadores.

    é preciso ter peito paRA  dizer isso  logo para o globo, das

    organizações globo, logo da rede globo, que comanda a afiliada rbs,

    a que deve milhões ou bilhões ao erário público por sonegação…

    quase ri, meu….

    e o globo publicou, cara…

    quase inacreditável…

  2. Esperar para ver!

    Alguém tem dúvida de que o Lula será indiciado e preso? Se chegaram a tantos desvios de rota, como diz um ministro do STF, “ponto fora da curva”, qual pudor terão em fazê-lo?

    Quanto à características facistóides, guardadas as devidas, que parte da sociedade tem tomado, a história está aí para mostrar, estão pouco se lixando quem a manobra, e muitos satisfeitos, os que estão com sangue nos olhos. Não por acaso, estava vendo um programa agora mesmo, sobre como parte da sociedade alemã abraçou o facismo… Delírio? Eu espero que seja só estupidez da minha parte.

  3. Só uma duvida

    O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) carrega a difícil tarefa de defender o governo em tempos tão bicudos e com tanto tiroteio político. A função lhe foi delegada pelo ex-presidente Lula.

    Esse tal de Lula ainda está no governo ???

    Esse companheiro Damous foi escalado para defender o Lula e lulopetismo e não para defender o governo Dilma.

     

  4. Política

    A justiça brasileira supostamente costumeiramente adota “estado de exceção” quando se trata de julgar as classes menos privilegiadas.Raramente se destaca na mídia ou rede sociais casos específicos de juízes ou da justiça como um todo cometendo atos reprováveis à luz do direito. Enquanto isso , um juiz com uma missão espinhosa a sua frente é combatido em todos os flancos impiedosamente.Isto  pelas suas atitudes na condução de processos que envolve políticos e outros cidadãos poderosos acusados de crimes de corrupção. O tempo mostrará em que resultará o fim desta polêmica que só apequena a nossa cidadania.

  5. Poderosos

    Carta dos advogados ataca indistintamente, sem especificação de fato, afirmam procuradores

    http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/carta-dos-advogados-ataca-indistintamente-sem-especificacao-de-fato-afirmam-procuradores/

    Juízes federais afirmam que críticos de Moro ‘gritam e esperneiam’

    http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/juizes-federais-afirmam-que-criticos-de-moro-gritam-e-esperneiam/

    ‘Querem pressionar a magistratura’, reagem juízes a manifesto de advogados da Lava Jato

    http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/querem-pressionar-a-magistratura-reagem-juizes-a-manifesto-de-advogados-da-lava-jato/

  6. Estado de Exceção
    Sou de esquerda. Voto e continuarei votando em partidos comprometidos com a redução das desigualdades sociais, raiz de todos os males do país.
    Assisti mais de uma vez o documentário que me marcou profundamente sobre a vida de Sobral Pinto. Ele era um advogado conservador, de direita, que tinha como ideal de vida a defesa irredutível do Estado de Direito. Sua vida, e as vidas que salvou no exercício da sua profissão, mostram que opostos podem viver em harmonia, desde que respeitem o Estado de Direito.
    Nada disso se vê na Lava Jato. É o Estado de Exceção que não reconhece os limites da ética, da lei ou da dignidade humana. O objetivo messiânico de Moro e dos jovens procuradores é destruir Lula e PT, e para isso não se incomodam em pular a cerca. Um simples vazamento para imprensa já configura em si ato de corrupção, que eles dizem combater.
    Sobral Pinto, se vivo estivesse, seria um osso duro de roer na cola desses moleques.

  7. se existe alguém…

    e temos muito

    que não pode nutrir ódio por ninguém, é um policial federal

    e temos muito

    talvez revoltados ainda com os abafas e os sossega leão da Satyagraha e Castelo

  8. Moro e a publicidade

    Respeitando o espírito adotado pelos delegados e procuradores de dar publicidade aos atos investigados na operação Lava a Jato acreditamos ser conveniente a divulgação dos vencimentos do responsável pelo desmonte da infraestrutura comandada pelas empreiteiras, que estão para ser repassados para o capital estrangeiro a preços vis, já que os vencimentos estão ligados à operação.

    p { margin-bottom: 0.25cm; line-height: 120%; }a:link { }

    http://a.disquscdn.com/uploads/mediaembed/images/3071/7640/original.jpg

  9. A Lava Jato e a mídia são a

    A Lava Jato e a mídia são a expressão acabada do golpismo no Brasil. Simples assim. O pior é que são vistos por muitos como o seu oposto, ou seja, como guardiães da moralidade, da ética, da justiça. Na essência, o que temos é a formação de quadrilha voltada para detonar o governo eleito pelo povo, espezinhar a constituição e minar a economia brasileira, até que o povo simples passe a defender um ditadorzinho qualquer como salvador da Pátria: Moro, Aécio ou qualquer outro que não tenha história de ligação com a história do nosso povo pobre.

  10. A zekite zelote de Pindora
    A zekite zelote de Pindora tem knhow nesse tipo de golpismo….a Republica do Paraná é a repetiçao piorada da Republica do Galeao que levou Vargas ao suicidio sem no entanto impedir o golpe q como sabemos foi apenas adiado…

  11. INFAME!! bem entendido que se refira à emenda popular…

    Damous graças a Deus que Lava Jato carrega elementos de exceção à velha moro/sidade impune da justiça das terras brasilis para com políticos, donos do poder e bacanas notáveis da República do Faz de Conta… desde Pedro Álvares Cabral ao doutor Serpa que já não fala mais coisa com coisa… (que nem eu…).

    • Quer fazer JUSTIÇA?

      Comece então pelo governo SARNEY, o primeiro pós-Ditadura. Ou mesmo pelo governo Castelo Branco, o primeiro Ditador.

      Contas abertas, transparencia total. Que tal?

       

      Aí veríamos quem são os realmente INFAMES!

       

      *esta Lava-Jato enoja e deprime qquer pessoa com um MÍNIMO de sensatez, #falasério

  12. Excessos

    O Damous esta certo. A coisa esta tão estranha, tanta gente presa sem respeito às garantias, que é melhor precaver. O Caso Lava Jato é uma operação que se excedeu, desrespeitou os procedimentos e às leis do Pais, mas como se trata de derrubar o governo petista e mudar os rumos do Pais através da judicialização, são poucas as vozes que se insurgem. Muitos têm medo, outros esperam ganhar com a operação Mãos Sujas do Moro, procuradores e PF. E outros, ainda, se calam por tibieza e a grande massa vai sendo enrolada na farinha da moralidade.

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome