Por risco de rejeição judicial, Dirceu escolheu trabalho no hotel

Sugerido por Fiódor Andrade

Esta matéria do Estadão parece confirmar minhas suspeitas, Dirceu sabe que Joaquim Barbosa e Bruno Ribeiro estão determinados a dificultar ao máximo sua vida. A situação dele que tem que implorar a seus inimigos para poder trabalhar só não é pior do que a de Genoino, que suplica a seus carrascos que o deixem viver.

Cheguei a postar ontem um vídeo em que o pai do juiz Bruno comenta, em seu programa de televisão, como deve ser a execução da pena. Para Raimundo Ribeiro, pai do magistrado, Dirceu seria um lobista e mandaria até hoje na casa civil do governo federal. Raimundo disse ainda que ficaria a cargo do juiz da execução penal (de seu filho, portanto), decidir se seria permitido que Dirceu saísse diariamente da prisão e exercesse esse suposto poder. No site de notícias publicado pelo grupo de Ribeiro há inclusive um artigo dizendo que Dirceu mereceria ganhar no máximo um salario mínimo.

Do Estadão

Por risco de rejeição judicial, Dirceu decidiu optar por ‘plano B’ 

O emprego de gerente no hotel Saint Peter em Brasília não era a opção preferencial do ex-ministro condenado no mensalão José Dirceu, mas foi considerado por sua defesa o cenário com menor risco de rejeição por parte do juiz Bruno Ribeiro. Responsável pela execução da sentença, ele seria próximo do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e poderia negar a autorização para que Dirceu saia da Penitenciária da Papuda às 7h e retorne às 19h diariamente para trabalhar.

Leia também:  Entrevista: Tadeu Jungle, diretor de "Rio de Lama", filme premiado na ONU

Pessoas próximas acreditam que opção de Dirceu por hotel é provisória

Amigos e auxiliares do ex-ministro relatam que ele preferia abrir uma filial ou transferir para Brasília sua empresa de consultoria. Dessa forma, teria mais liberdade para coordenar o movimento em sua defesa, fazer contatos profissionais e atualizar seu blog. Além disso, poderia usufruir de um espaço confortável no período em que estivesse fora do presídio.

“O juiz de execução poderia negar a autorização de trabalho caso julgasse que o emprego pudesse dificultar a execução da pena ou fosse uma forma de burlar a lei”, explica o advogado criminalista Pierpaolo Bottini, responsável pela defesa de Luiz Carlos da Silva, o Professor Luizinho, na primeira etapa do julgamento do mensalão.

O segundo cenário para José Dirceu seria trabalhar em um escritório de advocacia. Alguns profissionais amigos do ex-ministro foram sondados, entre eles Hélio Madalena, Sigmaringa Seixas e Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. A conversa com Madalena foi a única que avançou e ele aceitou contratar Dirceu. “O problema é que ele é muito marcado como amigo do ex-ministro”, afirma um interlocutor.

Outro empecilho nesse caso foi o pedido de cassação do registro do ex-ministro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A entidade, que até agora evitou qualquer tipo de manifestação sobre o mensalão, costuma ser sensível a casos nos quais a condenação criminal já transitou em julgado.

“Foram inúmeras as opções de trabalho que ele recebeu. A escolha do hotel, entretanto, é a que preenche todos os requisitos necessários para o deferimento do juiz”, diz o advogado Marco Aurélio Carvalho, coordenador jurídico do PT e um dos principais aliados do ex-ministro no partido.

Leia também:  Toffoli toma decisão que suspende todos os processos contra Flávio Bolsonaro

O entorno de José Dirceu avalia que a opção pelo hotel é provisória e que um pedido para outro trabalho deve ser feito. Mas isso só deve acontecer depois de outubro de 2014, após as eleições e quando o ministro Joaquim Barbosa deixar a presidência do Supremo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

15 comentários

  1. Esquece, Dirceu. Já estão

    Esquece, Dirceu. Já estão melando sua tentativa de emprego. Esta perseguição não vai parar. Ele deveria aproveitar o tempo que ficará preso até a saida do Joaquim Barbosa em novembro de 2014 para escrever as suas memórias. O Genoíno também. Exponham a república que vocês conhecem e com certeza o livro vai ser best seller.

     

    • Tem mais a serem pegos

      Estão tentando é pegar mais larápios do dinheiro público, agora com conluio de agências reguladoras, isso sim!

    • Escrever memórias, realmente

      Escrever memórias, realmente só para publicar depois da saida de Barbosa. O ministro é bem capaz de inventar um meio de proibir a publicação.

  2. E aonde estão os advogados

    E aonde estão os advogados deles requerendo suspeição desse juiz, dos médicos, fazendo recursos ao plenários do STf e atuando também na mídia para explicar a situação ?

    Os advogados estão comendo moscas, é óbvio.

    Se os outros são inimigos, vão fazer de tudo para dificultar, sempre. Mas os advogados devem agir !

    • Quem deveria enfrenter essa

      Quem deveria enfrenter essa armação com troca de juiz, algo que tinha acabado com a Revolução de 30 , ´é  o Ministro da

      Justiça, que historicamente é o interlocutor politico do Governo junto ao Judiciario. A substituição do juiz das execuções penais, algo que não deixou prova escrita, pode ser comprovada pela teoria do DOMINIO DO FATO. Quem manda no processo?      Pelo principio da teoria presume-se que quem trocou o juiz é quem tem o DOMINIO DO FATO.

  3. em tucanês, “a nightmare”

    Quando a imprensa e o judiciário estão contra você, quando o movimento estudantil virou movimento dos coxinhas, quando os radicais usam um apelido em Inglês (Black Bloc) para quebrar vitrines e lixeiras, quando estudantes fazem a marcha da maconha e o povo morre nas filas de hospitais, quando a imprensa federaliza a saúde e educação, quando a Globo mostra em todos os seus jornais ao longo do dia a péssima qualidade dos tênis para alunos das escolas municipais comprados pelo Haddad, alunos esses que não tiveram essa regalia sob Serra/Kassab e iam às aulas de chinelos, que esconde que a prefeitura já tinha tomado as medidas pertinentes e o DCE-Livre Alexandre Vannucchi Leme da USP se esquece que seu nome foi uma homenagem ao aluno do terceiro ano da Geologia, assassinado em 17 de março de 1973 no DOI-CODI, sob intensa tortura e dado como “atropelado” na Rua Bresser por seus covardes assassinos, quando isso acontece, me belisco, na tola ilusão de acordar de um pesadelo.

  4. Legislação

    DECRETO-LEI No 2.848,

    Art. 35 – Aplica-se a norma do art. 34 deste Código, caput, ao condenado que inicie o cumprimento da pena em regime semi-aberto.

               § 2º – O trabalho externo é admissível, bem como a freqüência a cursos supletivos profissionalizantes, de instrução de segundo grau ou superior.

    Lei de Execução Penal – Lei 7210/84

    Art. 122. Os condenados que cumprem pena em regime semi-aberto poderão obter autorização para saída temporária (…)

    III – participação em atividades que concorram para o retorno ao convívio social.

     

  5. Rs
    José Dirceu que problemão,

    Rs

    José Dirceu que problemão, como dizem alguns “direitosos-neo indignados-fiscais do PT, “ese  ai até morto

    atrapalha”. Não adianta prender..vai lá “Zé!

  6. Cumprir a lei não é exemplar.

    A lei é clara quanto ao regime semi-aberto. Mas, permitir que os “petralhas” cumpram as suas penas dentro dos parâmetros legais não causará “o impacto”, não criaria a imagem de um “julgamento exemplar”.

    A insana busca do “julgamento exemplar”, que a própria história demonstra como instrumento em nome do qual se implantou ditaduras, assassinatos e ignorância, levou à descaracterização do que é um julgamento penal em democracia. Hitler, também acreditava ter uma grande missão de purificação da humanidade. “As lágrimas da guerra prepararão as colheitas do mundo futuro”, escreveu.

    Ou como diz o filósofo Karl Popper: “toda vez que o homem quis trazer o céu para a terra, fez reinar o inferno”.

  7. Perseguição pessoal aos

    Perseguição pessoal aos apenados é proibido pela lei, mas está sendo praticado de forma escancarada.

    Não tem mais leis neste país? Já está institucionalizada a ditadura no poder judiciário?

    O judiciário pode ser usado como arma de perseguição política e vingança pessoal?

    Ao que tudo indica (e nada indica contra) todos os juízes de Brasília tem o RABO PRESO.

  8. Irresponsabilidade

    “Chegamos ao limite da nossa irresponsabilidade”. A frase do outrora poderoso Ricardo Sérgio cai como carapuça para os novos tempos do trio oposição-velha mídia-STF. Chegaram no limite, se já não o ultrapassaram.

    Na ânsia de retornar ao poder a qualquer custo, estão a destruir o estado de direito e a cometer arbítrios. Perderam a noção sobre o que é certo e o que é errado. Estão loucos e desesperados, e querem nos levar juntos para o inferno em que habitam.

    É errado ocultar provas e obstruir o direito a defesa dos réus, como Barbosa fez. É errado mentir num laudo pericial, como os médicos tucanos fizeram com Genoíno. É errado fazer justiça com as próprias mãos. É errado destruir as duras conquistas da jovem democracia brasileira, por ambição pessoal.

    “Tudo, menos um cadáver”, dizia Golbery, conforme lembrou PHA em artigo de hoje.

    Todos, sem exceção, ricos e pobres, sofreremos as consequências desta insanidade de uns poucos.

  9. Gente! É um enredo de Kafka.

    Gente! É um enredo de Kafka. É absurdo sobre absurdo.

    Muitas pessoas, não só os esquerdistas na ‘redentora’, nem só judeu no nazismo, pagaram muito caro por essa aventura autoritária. Apoiadores e patrocinadores desse golpe poderão também sofrer as conseguências.

    Reacionários hoje e seus filhos serão também as vítimas das arbitrariedades que estão instalando no país. Estamos partindo para uma ditadura jurídico-midiática.

  10. Minha linda mãe disse que os

    Minha linda mãe disse que os petistas foram burros em não roubar. Se tivessem roubado, poderiam comprar sua liberdade como todos os outros que roubaram muito, compram. Essa minha linda mãe…As vezes, ela diz coisas que muitos não têm coragem nem capacidade para entender sobre o que é nossa justiça. Não sei se o nosso judiciário é pior ou igual ao do Paraguai, mas os podres objetivos são os mesmos. Esses empregados do capital corruptível, não têm culhões para serem juízes de uma justiça soberana, independente. São empregadinhos  do capital,  cujo salário e mordomias, pagamos. E tem malandro otário que reclama de pagar 1,00$ para o bolsa família.. Ajudar pobre é imperdoável, doar dinheiro para rico, otário ama, se sente importante. OTÁRIOS!!!!!!!.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome