Por unanimidade, STJ reduz pena de Lula no caso triplex

Além da pena, os ministros também reduziram a reparação de danos imposta a Lula, de R$ 16 milhões - valor fixado por Sergio Moro exclusivamente com base em delação premiada - para R$ 2,4 milhões

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Jornal GGN – Os ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reduziram, por unanimidade, a pena do ex-presidente Lula no caso triplex. O ex-presidente foi condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês de prisão. Agora, a sentença caiu para 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão. O julgamento foi concluído por volta das 17h50 desta terça (23).

Leia mais: Lula caminha para migrar para o semiaberto em 5 meses

Pela decisão, Lula pode migrar para o regime semiaberto até setembro de 2019. Isto porque o ex-presidente teria de cumprir 1/6 da pena total de 8 anos e 10 meses, o que daria 1 ano e 5 meses de regime fechado. O petista completou, em 7 de abril, um ano de detenção em Curitiba.

Além da pena, os ministros também reduziram a reparação de danos imposta a Lula, de R$ 16 milhões – valor fixado por Sergio Moro exclusivamente com base em delação premiada – para R$ 2,4 milhões. O montante equivale ao valor do apartamento no Guarujá, incluindo a reforma no triplex.

A Quinta Turma, formada ainda por Reinaldo Fonseca, Marcelo Robeiro Dantas e Jorge Mussi – divergiram sobre os valores da multa.

O crime de corrupção passiva, antes de 8 anos e 4 meses de prisão, foi revisado para 5 anos e 6 meses. No crime de lavagem, a queda foi de 3 anos e 9 meses para 3 anos e 4 meses.

Os ministros negaram vários outros pedidos da defesa de Lula. Entre eles, o de anular a sentença pela falta de imparcialidade e pelas nulidades cometidas por Sergio Moro no decorrer do processo. Também foi rejeitada a tese de que o caso deveria ser remetido para a Justiça Eleitoral.

Leia também:  O efeito The Intercept nas redações dos jornais do Brasil, por Carlos Wagner

Abaixo, o vídeo da transmissão feita no Youtube.

LEIA MAIS:

Um julgamento determinante para Lula

Julgamento de Lula no STJ: polêmica inicial e o que está em jogo

STJ deve julgar Lula dia 23 e há chances de soltura

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

19 comentários

  1. O enredo está tramado.
    Reduzem a pena de Lula, simulando um funcionamento imparcial do judiciário.
    Mas, antes mesmo que Lula saia da prisão, será condenado pelo TRF 4 no outro processo, o do sítio.
    E assim, sucessivamente, manterão nosso líder preso político eternamente.
    Até mofar na cadeia, como antecipou o Bozo.
    O calendário está traçado.
    Nas teias da república de Curitiba,
    Moro (de Curitiba) na primeira instância.
    Gebran (de Curitiba) relator na segunda instância.
    Fisher (de Curitiba) relator no STJ.
    Fachin (de Curitiba) relator no STF.
    Quem matou Teori?

      • disse tudo…
        Lula tem uma força popular de resistência mil vezes maior que a do PT

        sem uso dessa força, da parte do judiciário só veremos colaboração com a condenação, como no caso em tela ou como se fosse possível diminuir os danos de uma ilegalidade

        prisão ilegal, mas legítima, é o que esta instância especial está mostrando para os otários que entregaram o Lula pra justiça

  2. não se enganem…
    voltar atrás de uma condenação política é impossível

    isso aí é o mesmo que transformar uma condenação à morte em prisão perpétua

    nenhuma conquista

  3. Os juízes não sabem a besteira que fizeram. Assinaram a prova de concordância com um golpe político
    e lançaram o nome na lama da história.

    Era a grande oportunidade que lhes passava, para fazer justiça e desfazer essa vergonha para o poder judiciário brasileiro, mas preferiram enredar e juntar-se a essa farsa jurídica e compartilhar com aqueles que planejaram e executaram esse golpe político.

    Se deram mal e é esperar para serem cobrados no futuro da participação dessa infâmia.

  4. Sempre que há um final de campeonato o jogo decisivo é disputado até o limite da morte súbita.
    Por que, se pergunta, se estende o jogo até esse limite se qualquer jogo pode ser decidido 90 minutos?
    Por que, invariavelmente se prorrogam essas “emoções”?
    Porque é espetáculo, porque dá lucro aos patrocinadores e emoção à platéia.
    Da mesma forma se cuida do julgamento do Lula.
    Todo o judiciário é ciente e conivente com a armação que aprisionou Lula, MAS não se pode julga-lo sem “SHOW”.
    O público pagante deve se deliciar lentamente com o prazer de seu aprisionamento.
    Com exceção daqueles que o condenaram, os que simplesmente se deliciam com a sua execração terão tempo suficiente para se lembrar que tudo o que eram felizes e não sabiam.

  5. Ok pessoal, que o judiciário é lastimável todos já sabemos. A pergunta relevante é: por que raios Lula foi se entregar? Minha hipótese pessoal: Lula achou que quando os casos chegassem nas instâncias superiores ele poderia mais uma vez “conciliar”, que é o que ele sabe fazer. Já chegou no STJ, e nada. Sabe-se lá quando chegará ao STF, se é que algum dia chega. São oito processos no total. OITO. O triste é constatar que pelo jeito conciliar é a única coisa que Lula sabe fazer, quando toda possibilidade de conciliação ruiu com a reeleição de Dilma. Foi um erro enorme não perceber isso, Haddad na campanha ainda tentava conciliar fazendo afagos na Lava Jato. Lula morrerá na cadeia, ou só sairá de lá completamente senil, debilitado e liquidado politicamente.

  6. Multa de R$ 2,4 milhões. O montante equivale ao valor do apartamento no Guarujá, incluindo a reforma no triplex.

    Não seria justo que a venda do triplex pagasse essa conta? Afinal não é dele? Não é o que usam para acusá-lo?
    Que incoerência, uma das provas do suposto crime é um apartamento que não está no nome dele, e o imóvel será vendido por outra pessoa que ficará com a grana do Lula, diz a sentença?
    Alguém poderia me explicar? Gostaria de saber também como os delatores pagaram multas altíssimas, dispor de altas quantias para quitar essas contas com o judiciário não seria a prova ou o uso dos recursos apropriados indevidamente? Socorro, ajudem…

  7. Toda unanimidade é burra. O $TJ deveria ter cassado as decisões do Moro e do TRF-4, pois elas são baseadas em convicções, não em provas.

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome