Procurador da Lava Jato defende Coaf e critica Flávio Bolsonaro

‘Defesa de Flávio tenta deslegitimar instrumento sob a alegação de violação do sigilo bancário de seu cliente. Nada mais absurdo.’
 
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
 
Jornal GGN – Querer impor ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) a necessidade de autorização judicial para transmitir informações significativas às autoridades competentes, é acabar com a própria essência do órgão e tornar nulos seus relatórios. A crítica é do procurador da República e membro da Força Tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro, Felipe Bogado Leite.
 
Em um artigo publicado na Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (28), ele se refere ao ataque que o Coaf vem sofrendo por parte da defesa de Flávio Bolsonaro que vem questionando as funções do Conselho e acusando-o de ter praticado a quebra de sigilo bancário. 
 
Tudo começou quando o Coaf identificou uma movimentação de R$ 1,2 milhão, em apenas um ano, na conta do Fabrício Queiroz, ex-motorista de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). 
 
O desenrolar da história foi piorando o lado da família Bolsonaro. O Coaf constatou que Queiroz recebia, periodicamente, em uma conta bancária sua depósitos de outros funcionários de Flávio na Alerj. O Coaf identificou, também, um depósito feito por Queiroz na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. 
 
O procurador Leite destaca que o Coaf foi criado pela lei 9.613, de 1998, que dispõe sobre o crime de lavagem de dinheiro, colocando sob responsabilidade do Conselho a identificação de ocorrências suspeitas de atividades ilícitas.
 
“Agora, entretanto, a defesa do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) tenta deslegitimar esse eficiente instrumento de combate à lavagem de dinheiro, sob a alegação de violação do sigilo bancário de seu cliente. Nada mais absurdo”, avalia. 
 
O artigo 11 desta mesma lei estipula que bancos, casas de câmbio e diversas outras instituições financeiras devem comunicar ao Coaf a ocorrência de transações potencialmente suspeitas. “Já o artigo 15 estipulou que o Coaf deve comunicar às autoridades competentes a existência de fundados indícios da prática de crimes de lavagem de dinheiro ou de qualquer outro ilícito”, completa o procurador.
 
“Embora com uma equipe enxuta, o Coaf tem sido um grande aliado dos órgãos de investigação para a instrução das apurações sobre lavagem de dinheiro, corrupção, evasão de divisas, entre outros crimes. Inúmeras fases da Operação Lava Jato utilizaram as informações fornecidas pelo Coaf para nortear o “follow the money” ou corroborar outros indícios. O atual ministro da Justiça [Sérgio Moro], sem dúvida, conhece a importância desses relatórios”, pontua Leite.
 
O procurador destaca, ainda, que apesar da tentativa de Flávio de deslegitimar o Conselho, “sob a alegação de violação de sigilo bancário”, o seu próprio pai assinou a edição do decreto 9.663, em 2019, aprovando um novo estatuto do Coaf, reafirmando seu papel e sem fazer menção a exigência de autorização judicial para que estabelecimentos do sistema financeiro repassem informações ao Coaf e que o Conselho, por sua vez, comunique às autoridades competentes.
 
“Veja-se que os relatórios do Coaf não equivalem, nem de longe a uma quebra de sigilo bancário. Pelo contrário, apenas constam deles movimentações suspeitas. Ou seja, se não há movimentação suspeita, o relatório resultará em nada consta. E havendo, para que se avalie se aquelas movimentações suspeitas específicas são lícitas ou ilícitas, aí sim é requerido judicialmente o afastamento do sigilo bancário, através do qual todas as transações bancárias são informadas ao órgão de investigação”, arremata. 
 
Os relatórios do Coaf sobre as movimentações suspeitas de Queiroz e de Flávio Bolsonaro, levaram ao início de uma investigação movida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, temporariamente suspensas após liminar do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal.  
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Serra escalou Paulo Preto em negociação de propinas

5 comentários

  1. E aproveitando

    Já está mais que na hora dos demais funcionários da Alerj serem chamados a depor. Parece que estão esquecendo os demais.

  2. feicibuque

    Assim como o Facebook e o Google não são sinônimos de internet e muito menos a internet inteira,

    Lava Jato não é sinônimo de Judiciário.

    Alguém explique porque a lavajato está metida em tudo que diz respeito a crime?

  3. Membros do COAF

    o juiz Miojo vai com tudo para cima de vocês

    com toda a maldade, crueza e sordidez que ele tem

    Fará com vocês o mesmo que fez com o LULA

    Escondam tudo que descobriram até o momento, fora do ambiente de trabalho e entreguem copias para parentes e jornalistas 

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome