Prova de defesa de Duran pode ameaçar parte da denúncia contra Temer

Para se defender das acusações da PGR, o advogado quer apresentar e-mails que indicam que a sua conta não foi usada para o repasse de propinas da Odebrecht ao hoje presidente da República
 

Rodrigo Tacla Durán, em seu refúgio na Espanha – Foto: Reprodução
 
Jornal GGN – O advogado que promete trazer informações de bastidores de acordos de delação que comprometem a Odebrecht e o juiz federal Sérgio Moro, Rodrigo Taclar Duran, informa que tem provas de que a sua conta bancária no exterior supostamente usada pela empreiteira para pagar propina a Michel Temer estava inativa.
 
Após colocar na mira questionamentos contra o juiz da Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, expondo ter recibos direcionados à esposa do magistrado, Rosângela Moro, e ao amigo do juiz, o advogado Carlos Zucolotto Júnior, Duran tenta a própria defesa.
 
Foi acusado pela força-tarefa da Lava Jato de lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa. Queria revelar as informações que diz ter em acordo de delação premiada, que não foi aceito pelos procuradores da República. Na Espanha, país onde detém cidadania e está foragido, o advogado é alvo de ameaças de prisão. Sérgio Moro já pediu a sua extradição, que é negada pelo país. 
 
Apesar de integrar uma de suas principais sustentações de defesa das acusações, a suposta prova que possui de que a conta bancária em seu nome não teria sido usada para a Odebrecht repassar propinas a Temer deve impactar diretamente na denúncia contra o mandatário peemedebista.
 
Isso porque na peça, que agora tramita na Câmara dos Deputados, foi anexa uma perícia do material apreendido no departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, com repasses que somaram quase US$ 20 milhões, entre 2011 e 2012, e seriam direcionados ao grupo político do PMDB na Câmara: além do hoje presidente da República, também o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro Henrique Edurado Alves (PMDB-RN).
 
Os repasses teriam sido feitos por meio de empresas offshores em paraísos fiscais, entre elas a Innovation, Klienfeld, Magna e Trident, a uma conta da GVTEL, empresa de Rodrigo Tacla Duran. Mas o advogado informa que tem e-mails entre ele e o administrador do banco, Vinícius Borin, indicando o encerramento da conta no Meinl Bank em 2010.
 

3 comentários

  1. O cara tem muita munição, eu disse.

    Não tenho simpatia por nem confiança em alguém que tenha atuado como doleiro, como é o caso de Rodrigo Tacla Duran.  O que eu disse, e repito, é que ele tem muita munição. Aos que pensavam se tratar de blefe, Tacla Duran mandou o primeiro petardo, que de uma só vez abalou as estruturas do torquemada das araucárias (também conhecido como sérgio moro) um amigo e comparsa dele (de nome carlos zucolloto jr), além das esposa (de nome rosângela wolf moro), além do boquirroto procurador do MPF (de nome carlos fernando dos santos lima). sérgio moro e carlos lima foram pegos na MENTIRA; na verdade sérgio ambos mentiram duas vezes; uma das mentiras foi declarar que o escritório em que rosângela wolf moro era sócia de carlos zucolloto jr. não atuva na área criminal; a outra mentira foi dizer que embora sócia ela não recebia honorários.

    Agora Duran promete, na peça de defesa, mostrar que uma conta que alegaram ser usada como passagem para propinas pagas a políticos do PMDB estava inativa. Se Duran apresentar essa prova, a ORCRIM lavajateira pode entrar em colpaso, pois será asegunda prova de que os lavajateiros falsificam e fraudam documentos, de modo a produzir falsas provas  que corroborem a tese inicial adotada pelos integrantes da ORCRIM institucionla a serviçodo golpe de Estado.

    Como qualquer investigado e candidato a delator, Rodrigo Tacla Duran deve ser visto com desconfiança e cautela. Mas se ele entregar o que está prometendo, prestará um grande serviço público ao Brasil, desmascarando, desmontando e demolindo a ORCRIM lavajateira. A ver.

  2. Credibilidade de Duran
    Nesse post Duran afirma que pode orovar que sua conta no exterior supostamente usada para pagar propina a MT estava inaticva. No post anterior ele afirma: ” Havia um sistema de comunicação para não deixar nenhum rastro na movimentação do dinheiro.” https://jornalggn.com.br/noticia/tacla-duran-se-torna-colaborador-da-justica-de-andorra-por-luis-nassif-0 Qual a sua credibilidade, como acreditar que a conta estava inativa se o sistema permitia não deixar  rastro algum da movimentação da conta ?

     

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome