Reeleição de Beto Rosado no tapetão pode dar novo mandato a José Agripino

da Agência Saiba Mais 

Reeleição de Beto Rosado no tapetão pode dar novo mandato a José Agripino

por Rafael Duarte

Nos bastidores do Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília, a polêmica envolvendo a validação dos votos do candidato a deputado federal Kericlis Alves Ribeiro, o Kerinho, é conhecida como “o processo de José Agripino”.

Na selva da justiça política nada é por acaso. O senador potiguar que amargou a segunda suplência da coligação 100% RN em outubro é, ao lado do deputado federal Beto Rosado (PP), o principal beneficiado do processo que pode tirar o mandato de Fernando Mineiro (PT), eleito para a Câmara Federal com 98.070 votos, a terceira maior votação geral entre todos os candidatos.

A matemática eleitoral, porém, é calculada com base no quociente da soma dos votos das coligações registradas pela Justiça. Assim, os 71.092 votos obtidos por Beto Rosado somados aos 8.990 votos de Kerinho fariam a coligação 100% RN ultrapassar a coligação Do Lado Certo, de Fernando Mineiro. O novo cálculo elegeria Rosado, hoje o primeiro suplente, deixando de fora o candidato do PT.

Beto Rosado é sobrinho da ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) e do ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado, político hábil que vinha atuando pessoalmente nos bastidores de Brasília para recuperar a vaga de federal da oligarquia Rosado, família de Mossoró derrotada nas urnas em outubro de 2018.

Caso Beto Rosado seja reeleito, o primeiro suplente da coligação passa a ser José Agripino Maia (DEM), que obteve 64.678 votos. Assim, basta Rosado ser acomodado em qualquer cargo federal no governo de Jair Bolsonaro para Agripino Maia herdar uma vaga na Câmara dos Deputados e recuperar o foro privilegiado, escudo para as cinco denúncias das quais é alvo no Supremo Tribunal Federal, duas já aceitas e que o tornaram réu.

Leia também:  TSE escolhe a dedo testemunhas do caixa 2 de Bolsonaro no WhatsApp

O TSE deu um passo importante para consolidar essa estratégia nesta segunda-feira (17), quando o ministro Jorge Mussi decidiu monocraticamente pela validação dos votos de Kerinho, determinando um novo julgamento do processo pelo Tribunal Regional Eleitoral no Rio Grande do Norte.

O TRE já julgou o caso uma vez e reprovou, em setembro passado e seguindo posição do Ministério Público Eleitoral, o registro de candidatura de Kericlis Alves Ribeiro, que não conseguiu apresentar a documentação necessária para sua validação, conforme prevê a legislação eleitoral.

Continue lendo…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Neste país caras como o

    Neste país caras como o golpista josé agripino jamais vai pra cadeia. Da-se um jeito aqui, arruma-se um pretexto ali, engaveta-se todos os prcessos, mas pra cadeia, ele não vai. Afinal este é pais em que a lei é pra todos… todos os petistas. E sem provas mesmo!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome