Revisor libera julgamento contra Gleisi e Paulo Bernardo pelo STF


Foto: Agência Brasil
 
Jornal GGN – O julgamento da ação penal contra a senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PT-PR), e seu marido Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento, está prestes a ser marcado na agenda do Supremo Tribunal Federal. É que o revisor do processo, ministro Celso de Mello, liberou os autos nesta sexta-feira (08).
 
Na prática, esse é o último passo antes de o presidente da Corte, neste caso da Segunda Turma, o ministro Ricardo Lewandowski, marcar a data do julgamento. Por se tratar de ação da Operação Lava Jato, o relator é o ministro Edson Fachin, que havia concluído a fase de instrução e feito o seu posicionamento, enviando então ao revisor Celso de Mello. Agora, a ação poderá ser incluída na pauta de julgamento. 
 
A ação do Ministério Público Federal (MPF) acusa o casal de crimes de corrupção e de lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. Em novembro do último ano, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu a condenação deles, por supostamente receber R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi em 2010.
 
O doleiro Alberto Youssef afirma que o pagamento foi oriundo de recursos desviados de contratos da Petrobras. O repasse seria uma forma de manter no cargo o ex-diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa. Dodge havia pedido que Gleisi e Paulo fossem condenados a pagar R$ 4 milhões aos cofres públicos, quatro vezes mais do que o que supostamente teria sido desviado da estatal.
 
Ambos negam as acusações, nas quais consideram frágeis, sem sustentação ou provas, baseando-se em “meras conjecturas”. Em resposta enviada ao Supremo também no último ano, a defesa ressalta que todas as contas de campanha da senadora foram declaradas e aprovadas integralmente pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
 
“A requerida [senadora] jamais praticou qualquer ato que pudesse ser caracterizado como ato ilícito, especialmente no bojo do pleito eleitoral ao Senado Federal no ano de 2010, na medida em que todas as suas contas de campanha foram declaradas e integralmente aprovadas pela Justiça Eleitoral”, havia dito.
 
Após a defesa tomar conhecimento da liberação do processo para ser julgado, os advogados informaram que receberam a notícia com naturalidade e que confia que ela será absolvida.
 
 

6 comentários

  1. Esta é mais uma “singela “

    Esta é mais uma “singela ” coloboração do stf com o golpismo anti-petismo. É só chegar uma eleiçao e a nossa justiça totalmente imparcial inicia a campanha colocando na berlinda um escandaloso fctóide contra o Pt.Foi assim em 2006, em 2010, em 2014 . Alguém sempre cobrou que o brasil mostrasse a cara. E digo uma coisa: o brasil sempre foi isto aí. Um país com um imprensa pelega até os instestinos, um elite torpe e sadica e, até que emfim, mostrada a face verdadeira do nosso judiciário. Nem Dorian Gray é tão horrendo quando retratado.É de longe o poder mais moralmente podre e elitista do todos.

  2. quiçá não vejamos um pouco mais de algo tenebroso…

    a instrumentalização de uma corte suprema para a delação premiada

    ou com uma prova que pode provar tudo, mesmo sem ter como provar a si mesma

    perceberam? muitos já foram condenados pela simples existência da delação, não das provas

    até mesmo o Lula

    • no nazismo funcionou muito…

      um tipo muito parecido de instrumentalização, só que da mente…………………………………………

      uma combinação dantesca de delação e denúncia em cima da vulnerabilidade dos investigados

      algo realmente dos quintos do inferno isto que chamam no Brasil de julgamento

    • uma máquina de subtrair direitos e garantias…

      ao mesmo tempo que aplica castigos políticos………………………………..

      estudem isso, vulnerabilidade e mente, considerando a AP470 como marco inicial da vulnerabilidade petista

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome