Ronnie Lessa, o vizinho de Bolsonaro suspeito de matar Marielle, é indiciado por tráfico de armas

Lessa comprava armas na China, enviava para os EUA e depois recebia as peças no Brasil, desmontadas. Os equipamentos eram revendidos para milicianos do Rio

Reprodução/Globo

Jornal GGN – A Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos do Rio de Janeiro indiciou nesta segunda (13) o policial militar reformado Ronnie Lessa, vizinho de Jair Bolsonaro no condomínio Vivendas da Barra. Suspeito de ser o executor da ex-vereadora Marielle Franco, Ronnie e uma filha foram indiciados por tráfico internacional de armas.

Segundo informações da Agência Brasil, a Delegacia Especializada registrou o esquema ilegal para importar armas.

“Lessa comprava, pela internet, peças de armas da China e enviava o produto para sua filha, nos Estados Unidos. Lá, segundo a polícia, a embalagem original era trocada e as peças eram exportadas ao Brasil como “peças de metal”, para enganar a fiscalização aeroportuária.”

Depois, já no Brasil, Lessa “juntava as peças e vendia as armas para milicianos e quadrilhas responsáveis pela comercialização de drogas em comunidades. Segundo a Polícia Civil, o esquema funcionava desde 2014.”

Lessa está preso desde março de 2019, acusado de matar, junto com o ex-PM Élcio de Queiroz, Marielle e o motorista dela, Anderson Gomes, em 2018.

Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Equipe da PGR não copiou nem a metade dos dados da Lava Jato em Curitiba

1 comentário

  1. “…a embalagem original era trocada e as peças eram exportadas ao Brasil como “peças de metal”, para enganar a fiscalização aeroportuária.”
    Mesmo? Juram? Simples assim?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome