Rosinha diz que greve de fome de Garotinho é “grito de desespero” contra perseguição

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Rosinha Garotinho afirma que a carta na qual Anthony Garotinho anuncia greve de fome foi um “grito de desespero” contra abuso de autoridade e perseguição. Segundo Rosinha, as acusações feitas pela Procuradoria não são verdadeiras e nenhuma autoridade está investigando o caso a fundo para verificar sua versão dos fatos. Ela questiona o que fazer quando prisão preventiva foi banalizada, e o direito à defesa, suprimido.

Por Rosinha Garotinho

Às vezes a sociedade pensa que uma pessoa pública é uma máquina sem sentimento. Mas não é.

A carta que o meu marido Garotinho escreveu foi um grito de desespero pela injustiça que estamos sofrendo e que parece não ter fim. Neste país o denunciante é transformado em denunciado e para isso conta com total apoio de um sistema que, ao invés de buscar a verdade, se une para o massacre, formando a opinião pública da maneira que bem entender.
Não vejo nenhuma autoridade competente punir os que nos perseguem, apesar de tantas provas. Parece que o silêncio predomina em todo o canto.

Não cometemos nenhum crime dos quais estão nos imputando. E não é difícil, com uma apuração séria, reconhecerem isso.

Mas o que fazer diante do silêncio de praticamente todos?

O que fazer, quando nos privam de liberdade, por crimes que não cometemos?

O que fazer quando banalizam a prisão preventiva, sem direito a defesa, a julgamento, nos tirando de perto da família, dos amigos e até do emprego?

Essa é uma atitude extrema de quem chega ao limite de um enorme sofrimento… Há um ano nos perseguem, chantageiam e nos tomam a liberdade.

Leia também:  TRF-1 nega pedido do governo Bolsonaro e mantém suspensão do Enem no Amazonas

Não. Não julguem por ouvir dizer.

Não. Não julguem pelo silêncio de quem poderia estar trazendo tudo à luz da verdade.

Meu marido, que há 10 anos vem por este blog denunciando as falcatruas, as roubalheiras, a corrupção que vem imperando neste país, hoje se encontra num cárcere pelas mãos do grupo que ele denunciou.

A quem recorrer?

Também não julguem a nossa fé. Cremos no Deus que tudo pode. Cremos no Deus vivo de Israel.

Somos seres humanos e somente Deus conhece os nossos corações e os nossos limites.

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.”

Liberdade, verdade e justiça é o que queremos! 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Que as pessoas que aqui

    Que as pessoas que aqui comentam me ajudem, por favor. Não tenho lembrança de uma postagem, de um artigo, de pregação na igreja do qual são sócios a respeito de prisões preventivas de outras pessoas. Aconteceu?

  2. O que estão fazendo com o casal Garotinho…

    É mais um crime numa série de violências à Constituição e às liberdades individuais.

    A prisão deles é tão criminosa quanto às do Mentirão, é tão criminosa quanto as perseguições e sentenças proferidas pelo tribunal de exceção de Curitiba.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome