Será que Sergio Moro gostaria de ser julgado por Sergio Moro?

Foto: Divulgação

Na foto, Carlos Zucolotto aparece atrás de Sergio Moro

Jornal GGN – O advogado criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, mais conhecido pelo apelido Kakay, elencou pelo menos 11 motivos para perguntar se o juiz Sergio Moro gostaria de ser julgado segundo as diretrizes que ele próprio desenvolvou ao longo da Lava Jato.

Isso porque um amigo pessoal de Moro está envolvido em um escândalo revelado pela jornalista Mônica Bergamo, no domingo (27), sobre tráfico de influência e possível pagamento de propina para fechar acordo de delação com a Lava Jato de Curitiba.

De acordo com a denúncia, o advogado Carlos Zucolotto, “amigo pessoal” do juiz , teria oferecido seus “contatos” em Curitiba para fechar o acordo de delação do também advogado Rodrigo Tacla Duran, que é investigado por lavagem de dinheiro e organização criminosa na Lava Jato.

O amigo de Moro teria solicitado a Duran pagamentos em caixa 2, para facilitar que os recursos fossem distribuídos às pessoas que construíram o acordo com a equipe de Deltan Dallagnol nos bastidores.

Moro, Zucolotto e os procuradores de Curitiba negam as acusações. O juiz alegou que Duran não tem provas do que diz e ainda apontou que a palavra de um criminoso não deveria receber crédito da imprensa.

O GGN mostrou, nesta segunda (28), que apesar de tratar Duran como um bandido, Moro decidiu rejeitar a denúncia que o Ministério Público Federal fez contra o advogado, em abril passado. Leia mais aqui.

Leia também:  Grupo Prerrô discute lawfare com Cristiano Zanin e Valeska Teixeira, advogados de Lula

Em mensagens no WhatsApp, Kakay apontou que Moro não usa com o escândalo os mesmos critérios que usou em outros casos da Lava Jato. 

Veja a reprodução feita pelo Conjur, abaixo.

Na introdução de sua mensagem, o advogado começa por esclarecer: “É claro que temos que dar ao Moro e aos procuradores a presunção de inocência, o que esse juiz e esses procuradores não fariam, mas é interessante notar e anotar algumas questões.” E enumera:

“1 — O juiz diz que não se deve dar valor à palavra de um “acusado”. Opa, isto é rigorosamente o que ele faz ao longo de toda a operação!

2 — O juiz confirma que sua esposa participou de um escritório com seu amigo Zucolotto (que supostamente teria pedido dinheiro a um réu para melhorar a situação dele na ‘lava jato’), mas sem ‘comunhão de trabalho ou de honorários ‘. O fato seria certamente usado pelo juiz da 13ª Vara como forte indício, suficiente para uma prisão contra um investigado qualquer. Seria presumida a responsabilidade, e o juiz iria ridicularizar essa linha de defesa.

3 — A afirmação de que dois procuradores enviaram por email uma proposta nos mesmos termos da que o advogado, padrinho de casamento do juiz e sócio da esposa do juiz, seria certamente aceita como mais do que indício, mas como uma prova contundente da relação do advogado com a força tarefa.

4 — O fato de o juiz ter entrado em contato diretamente com o advogado Zucolatto, seu padrinho de casamento, para enviar uma resposta à Folha, ou seja combinar uma resposta para a jornalista, seria interpretado como obstrução de justiça, com prisão preventiva decretada com certeza.

5 — A negativa do tal procurador Carlos Fernando de que o advogado Zucolatto, embora conste da procuração, não é seu advogado mas sim um outro nome da procuração, seria ridicularizada e aceita como motivo para uma busca e apreensão no escritório de advocacia.

6 — O fato de o tal Zucolatto dizer que trabalha com a banca Tacla Duran, mas que conhece só Flavia e nem sabia que Rodrigo seria sócio, se analisado pelo juiz da 13ª Vara, certamente daria ensejo a condução coercitiva.

7 — E o simples fato de a advogada [Flavia Tacla Duran] ser também advogada da Odebrecht seria usado como indício de participação na operação.

8 — A foto apresentada [Moro, Zucolotto e Rosângela Moro], claro, seria usada como prova.

9 — A negativa de Zucolotto, que afirma não ter o aplicativo no seu celular seria fundamento para busca e apreensão do aparelho .

10 — Enfim, a afirmação de que o pagamento deveria ser em espécie, não precisaria ter prova, pois o próprio juiz admitiu, ontem numa palestra, que a condenação pode ser feita sem sequer precisar do ato de oficio, sem nenhuma comprovação.

11 — Ou seja, embora exista a hipótese de os fatos serem falsos o que nos resta perguntar é como eles seriam usados pela República do Paraná? Se o tal Deuslagnol não usaria a imprensa e a rede social para expor estes fortes “indícios” que se entrelaçam na visão punitiva. Devemos continuar dando a eles a presunção de inocência, mesmo sabendo que eles agiriam de outra forma.”

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

14 comentários

    • Perfeito

      Isso aí, Luiz de Mattos. Nada de meia palavras ou tratamento cerimonioso com essa ORCRIM e com esses criminosos enquistados e encastelados na burocracia estatal.

  1. golpistas babões seguem se

    golpistas babões seguem se melando todos…..

     

    o golpe dos canalhas de 2016 já babou

    ninguem mais topa estar na foto do lado de gopista.

    Ela volta , pois nã ocometeu crime. Corrigeremos este ‘erro’ proposital dos 300 canalhas.

    OS 300 canalhas da câmara pagarão. Mas na lei. pela regra.

    no certo.

    O povo  brasileiro age assim.

  2. A foto

    Ahn… Essa foto… Solicito esclarecimentos. Meus neurônios estão batendo cabeça e não a estou entendendo.

  3. O nivel é esse

    O Kakay foi perfeito em sua demonstração de como atua a turma de Curitiba. Quando vejo Lula condenado na base do “nos queremos”, fico revoltada com o nivel tão rasteiro usado pelos operadores da Lava Jato.

    E o deuslagnol é otimo. So falta colocar o manto branco e sair pelas montanhas, opa! O Brasil não tem montanhas, mas pode sair pelos morros e serras pregando o fim do mundo. Porque se o mundo não acabar, o Brasil esta a caminho.

    E essa foto do Moro e senhora roqueiros é muito fake!!!

  4. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome