STF forma maioria e mantém ordem de prisão de Anderson Torres

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Decisão também engloba manutenção da prisão de ex-comandante da PF e afastamento de Ibaneis Rocha, governador do Distrito Federal

O Supremo Tribunal Federal (STF) compôs maioria para a manutenção do afastamento do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), e da ordem de prisão do ex-secretário de segurança do DF, o ex-ministro Anderson Torres, e do ex-comandante da Polícia Militar do DF, coronel Fábio Vieira.

As decisões foram tomadas pelo ministro Alexandre de Moraes e, até o momento, acompanhadas pelos ministros Gilmar Mendes, Edson Fachin, Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso, de acordo com o portal UOL.

Segundo Moraes, os atos que culminaram com a invasão dos prédios do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do próprio Supremo na última semana só poderiam ocorrer com a anuência das autoridades competentes pela segurança pública e inteligência, uma vez que a organização dessas manifestações foi divulgada pela mídia.

“A existência de uma organização criminosa, cujos atos têm ocorrido regularmente há meses, inclusive no Distrito Federal, é um forte indício da conivência e da aquiescência do Poder Público com os crimes cometidos, a revelar o grave comprometimento da ordem pública e a possibilidade de repetição de atos semelhantes caso as circunstâncias permaneçam as mesmas”, ressaltou.

Omissão e conivência da segurança do DF

A decisão do ministro do STF destaca ainda a “omissão e conivência de diversas autoridades da área de segurança e inteligência” na invasão realizada no último final de semana.

Moraes destaca a falta de policiamento, em especial do Comando de Choque da PMDF, além da autorização da circulação de mais de 100 ônibus sem o acompanhamento policial mesmo diante das notícias em torno das manifestações antidemocráticas.

Segundo o ministro Alexandre, “nada justifica a omissão e a conivência do então secretário de Segurança Pública do DF e do então comandante-geral da PM-DF”.

Em seu entendimento, as omissões dessas autoridades foram detalhadamente narradas na representação da autoridade policial e justificam a decretação da prisão para a garantia da ordem pública. A decisão determina, ainda, busca e apreensão contra os investigados.

Veja mais a respeito do tema na íntegra da decisão do ministro Alexandre de Moraes.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador