STF nega investigar Gilmar e ministros do STJ em compra de decisões da JBS

 
Jornal GGN – Três ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Napoleão Maia, Mauro Campbell e João Otávio Noronha, e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, seriam investigados em acusações envolvendo esquema montado pela JBS para comprar decisões judiciais. Entretanto, o ministro Ricardo Lewandowski, do STF, rejeitou o pedido de apuração.
 
Trata-se de uma das polêmicas após os desdobramentos de que a JBS, no grupo J&F, interferia diretamente em apurações de esquemas ilícitos. Após o acordo de delação premiada dos executivos ter sido suspenso pela Procuradoria-Geral da República (PGR), sob o então comando de Rodrigo Janot, vieram à tona as informações de que altos escalões da Justiça estavam envolvidos em compra de decisões a favor do grupo.
 
No início de setembro, a PGR recebeu conversas por áudios, emails e mensagens de WhatsApp entre o diretor jurídico da J&F, Francisco Carlos de Assis e Silva e uma advogado do grupo, Renata Gerusa Prado de Araújo, combinando estratégias para obter decisões favoráveis.
 
Nelas, são mencionados processos que estavam sob a relatoria de três ministros do STJ, Napoleão Maia, Mauro Campbell e João Otávio Noronha, que supostamente teriam recebido pagamentos em espécie para favorecer o grupo e, ainda, a desembargadora federal Maria do Carmo Cardoso, mãe de Renate que, curiosamente, estava na relatoria de processos do grupo.
 
Além da conversa de Renata e do diretor jurídico da J&F, conversas entre a então advogada e seu ex-esposo Pedro Bettim Jacobi aparecem arrolando nada menos que Gilmar Mendes. Todos estes arquivos e mensagens foram entregues à Procuradoria por Jacobi, que está em processo de separação litigioso com Renata.
 
No diálogo, Renata informa que recebeu apelos de Dalide Barbosa Alves Corrêa,  funcionária do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) de Gilmar e pessoa muito próxima do ministro, mostrando-se preocupada de que alguma informação comprometedora contra o ministro do Supremo viesse à tona no caso da JBS.
 
Assine
 
O ex-marido da advogada da JBS informou que Renata havia sido acionada pelo grupo para “aparar arestas” com o Judiciário. Dalide Corrêa teria se reunido com a desembargadora, mãe de Renata, afirmando que o diretor da jurídico da J&F, Francisco, “tinha registro de uma conversa com ela que poderia ter algo muito comprometedor tanto para ela quanto para Gilmar Mendes”.
 
As informações foram divulgadas no início de setembro pela revista Veja e os arquivos de mídia e diálogos estavam sob a posse da Procuradoria-Geral da República. Assim que assumiu o comando das investigações, a nova procuradora-geral Raquel Dodge solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de uma investigação para apurar os fatos.
 
Uma vez que membros do STJ e do STF foram apontados como beneficiários do suposto esquema montado pela JBS, a presidente do Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz, solicitou que o caso fosse esclarecido. Da mesma forma, Gilmar, que foi diretamente citado, pediu “imediata instauração de investigação a respeito das declarações constantes na referida matéria” para, segundo ele, que fiquem “desde logo esclarecidos os fatos e as circunstâncias em que prestadas”.
 
Com a relatoria do pedido de abertura de investigação preliminar da PGR, o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski rejeitou a solicitação, arquivando, pelo menos por ora, qualquer apuração sobre o envolvimento de Noronha, Napoleão e Campbell, além de Gilmar, no suposto esquema de compra e influências em decisões judiciais.
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Senador pego com dinheiro na cueca pede licença e mantém benefícios

10 comentários

  1. A justiça é cega, mas ela enxerga os seus muito bem

    Eu quero ver o dia que aparecera a Operação Themis. No dia que ela surgir vai ser um deus nos acuda em toda Pindorama, como jamais. Acho que nem a velha politica com a Lava Jato sera tão escandolosa quanto todos esse juizes, desembargadores, ministros de tribunais de contas, justiça e do supremo. 

    Hoje Lewandoswki, pelas razões que so ele e seus pares sabem, arquiva a investigação de uma denuncia grave. Mas eu acredito que essas gavetas ainda serão abertas e nos ainda saberemos de toda as tratativas e corrupções do Judiciario Brasileiro e seus satélites.

  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Alguém acredita que os rabos-presos-de-uns iriam investigar os rabos-presos-de-outros? Ora, ora e ora, no mesmo dia em que o soberbo stjotinha arquiva mais uma suspeição do desMoronado? Sendo gatos do mesmo saco, quem se habilitaria a soltá-los… Haja país de merrecas e merrequinhas e merrequentos.

  3. Qual o motivo?

    Antes de sair xingando essa turma do Judiciário – e olha que motivos não faltam para isso – é necessário esclarecer o que levou o Min. Lewandowski a negar o pedido.

    Poder ser que exista algum motivo dentro do Direito para tanto. Daí seria motivo para aplausos, em tempos de tanto atropelo às leis neste País, independentemente de quem seja.

    Eu pessoalmente duvido disso, dado o histórico do que vemos na autoproteção da casta, mas cabe esse benefício da dúvida para não nos igualarmos aos linchadores de reputações de plantão.

     

  4. Máfia maçonaria tucana dos inférno! Tomaram os 3 poderes e tudo+

    Depois dos crimes praticados, a pá de cal é a especialidade e função do levandóviski na gangue stf… notadamente no impeachment da Presidenta Dilma Rousseff.

     

                  

  5. Kkkk. Lembram do grampo sem

    Kkkk. Lembram do grampo sem áudio. Acho que o Gilmar é que grampeou a turma toda là. Que bom que eles transferiram o feriado de sábado pra sexta. Menos um dia de sacanagem com a gente. Eu sugiro que tirem férias o ano todo. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome