STJ deve julgar recurso de Lula este mês para manter prisão

No próximo mês, o STF toma uma decisão que poderia impactar diretamente nos rumos da condenação de Lula: decidirá sobre a prisão em segunda instância. Mas só se ocorresse antes do STJ

Julgamento de recurso de Lula no STJ, em março de 2018 - Foto: Reprodução

Jornal GGN – Está programado para este mês o julgamento da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva que tenta reverter a primeira condenação do caso relacionado ao triplex do Guarujá.

A agenda da Turma espera analisar o caso nas próximas semanas. É um agravo regimental que questiona a decisão do ministro Felix Fischer, do STJ, que em novembro do ano passado negou a tentativa da defesa de reverter a condenação. Por isso, o caso será levado para o julgamento dos demais ministros.

Mas por se tratar de um agravo, não necessariamente será pautado para a discussão: o próprio relator, Felix Fischer, deve dizer quando o tribunal irá julgar, sem a necessidade de intimar a própria defesa. Nos corredores do STJ, a expectativa é que o caso seja analisado antes do dia 10 de abril.

Isso porque no próximo mês, o Supremo Tribunal Federal (STF) é que irá tomar uma decisão que pode impactar diretamente nos rumos da condenação de Lula. Na data, a Suprema Corte irá voltar a julgar a validade da prisão após a segunda instância.

Caso o Supremo julgue antes o tema, Lula poderia ser solto e deveria aguardar o julgamento do STJ. Entretanto, se o STJ mantiver a sentença contra o ex-presidente, Lula permanecerá na prisão, uma vez que se trata de uma Corte superior.

Preso desde abril de 2018, após ter sido condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a 12 anos e um mês de prisão, o ex-presidente espera reverter a condenação, seja no STJ, seja no Supremo.

Leia também:  Estatais financiam canais que veiculam fake news no YouTube

Na semana passada, os advogados de Lula entraram com um recurso contra a decisão de Felix Fischer ter dado uma decisão individual no recurso, pedindo que o seu entendimento seja anulado, porque se trata de uma afronta “às garantias constitucionais da ampla defesa e do contraditório, bem como desrespeita, de forma temerária e inadmissível”.

O relator dos casos no Supremo, Edson Fachin, já havia se manifestado favorável a que o caso seja julgado em conjunto, por um colegiado, mas negou que se trate de uma medida ilegal. “A colegialidade é sempre desejável, recomendável ou mesmo necessária; de qualquer modo, o proceder está regimentalmente autorizado e o recurso respectivo será colegiadamente apreciado”, entendeu Fachin. Lula tenta recorrer, também, da medida.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. A decisão do STJ é passível de recurso ao STF, portanto, não transita em julgado até o pronunciamento da Corte Suprema.

  2. Se o $érgio Moro está tentando institucionalizar a prisão penal após a confirmação da sentença condenatória pela segunda instância, isto significa que tal prisão não é legal. Se a prisão penal antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória não é legal, porque o Lula está preso antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória?

    Certamente os asnos metidos a zuristas dirão que a prisão penal antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória não é legal mas também não é ilegal e, portanto, a prisão do Lula não é ilegal. Mas isso seria burrice, pois no direito público, ao contrário do direito privado, o que não é permitido, é proibido.

    Destarte, Lula é preso político. O Moro e a Lava Jato o prenderam ilegalmente para impedir que ele fosse eleito presidente. Por conta disso, o Bolsonaro foi eleito e recompensou o $érgio Moro pela derrota do Lula com um Ministério.

    Dizem os Zuristas de botequim que a prisão após a decisão de 2ª instância é legal. Está no art. 637 do Código de Processo Penal:

    Art. 637. O recurso extraordinário não tem efeito suspensivo, e uma vez arrazoados pelo recorrido os autos do traslado, os originais baixarão à primeira instância, para a execução da sentença.

    Se a prisão penal antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória já está na lei, então o $érgio Moro é estúpido, pois quer instituir uma coisa já instituída.

    Porque o art. 637 do CPP só é aplicável à pena privativa de liberdade, não sendo aplicada às penas de multa e restritivas de direitos?

    Se o art. 637 do CPP conflita com o disposto no artigo 283 do mesmo diploma legal, cuja redação é posterior à redação do antecitado art. 637 do CPP, o conflito é solucionada em favor da lei mais nova, com base no critério cronológico.

    Seria o $érgio Moro tão burro não apenas ao ponto de dar status legislativo ao PCC mas também de instituir algo que já é instituído legalmente?

    O $érgio Moro é uma dançarina jaboticabal ou um zurista. Ele quer instituir o excesso impunível. Se o policial se exceder, tipo assim: ele é contratado para ir buscar a mulher de um cornélio num motel e, entrando no motel a fim de trazer a mulher prá fora, de repente ele sai batendo a mulher. Nesse instante, o Cornélio o interpela: “Pára de bater nessa mulher, ela não é a minha mulher, não”, ao que o policial retruca: “Fica na tua, Macho! Que essa Mulé é a minha. Tem um pouco de paciência. Eu vou já buscar a tua mulher”, e continua lavando a roupa da mulher, com ela dentro, e quando o amante da mulher sai do motel ele o mata com 19 tiros, em legítima defesa da honra. Pois bem. Esse policial se excedeu. Para esse tipo de excesso, o policial terá sua pena não só reduzida mas até deixada de aplicar, por toda essa violência por parte do policial.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome