TSE encontra 17 indícios de irregularidade na campanha de Bolsonaro

Foto: Reprodução/Rede GloboIndícios de doações de fontes vedadas e de origem não identificada colocam em cheque lisura da campanha do ex-capitão reformado

do Brasil de Fato

TSE encontra 17 indícios de irregularidade na campanha de Bolsonaro

Presidente eleito tem três dias para apresentar documentação que refute inconsistências

Nesta segunda-feira (12), a área técnica do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apresentou uma análise preliminar da prestação de contas da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), que revelou 17 indícios de irregularidade e 6 pontos de inconsistência.

Descumprimento de prazos, incongruência entre dados informados e registrados em órgãos oficiais e recebimento de verbas de fontes vedadas são alguns dos problemas apontados pela equipe técnica, que pediu ao ministro-relator Luís Roberto Barroso que estipule um prazo de três dias para a entrega de documentos de esclarecimento.

As doações vedadas viriam de pessoa física que exerce atividade comercial decorrente de permissão pública, o que torna ilícita a doação, por conflito de interesses. O relatório também identificou doações com origem não identificada e divergência de valores, omissão de despesas e inconsistências no uso do fundo partidário, além de datas incompatíveis de abertura de contas bancárias.

Marcos Aurélio Carvalho, dono da empresa AM4, a principal fornecedora de campanha de Bolsonaro, foi nomeado para a equipe de transição do governo e disse ter renunciado à remuneração. Sua empresa não tem permissão para fazer arrecadação pela internet, de onde vieram grande parte (R$ 3,7 milhões) do total de recursos da campanha (R$ 4,4 milhões).

Reportagens da Folha de S.Paulo mostram que a “campanha de Bolsonaro omitiu dados da prestação de contas do primeiro turno. Algumas das informações também não foram apresentadas na prestação final das contas da campanha”.

Leia também:  Esposa de Kassio Marques está alocada em gabinete de senador do Piauí

Segundo levantamento do jornal, há divergência nos gastos também de honorários jurídicios. A advogada Karina Kufa disse que “não constituem gastos eleitorais despesas com contencioso judicial” e que demais esclarecimentos somente serão respondidos ao TSE.

* Com informações da Folha de S. Paulo

Edição: Brasil de Fato

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. TSE encontra mas não é contra as irregularidades

    Após 3 dias e algumas deliberações  darão um carão, e se Bolsonaro pedir desculpas, tudo será esquecido, até que alguém levante a questão, para receber a resposta, de que o TSE julgou e aprovou as contas de campanha de Bolsonaro.

    Chama-se regularizar as irregularidades.

  2. e o barroso?

    todo sorrisos na visita do capitão de milícia ao tse.

    é sério, um sujeito desses?

    alguém ainda acredita no judiciário brasileiro?

    alguém ainda pode acreditar nesse tipo de gente?

    e a história da fraude nas urnas?

    acabou porque os fascistas venceram.

    venceram sem fraudá-las?

    por que adiaram a implantação do horário de verão para depois das eleições?

    alguém deu crédito àquela desculpa esfarrapada?

    não seria, o h,v. implantado depois do enem?

    foi?

    quem confia nessa gente, acredita na generosidade de hienas famintas.

    e é o que são …

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome