Nova delação contra Lula vaza 1 dia após Bolsonaro se complicar no caso Queiroz

 

Jornal GGN – A sexta-feira (18) começou com analistas e até ministros do Supremo Tribunal Federal dizendo, em off, que Flávio Bolsonaro deu um tiro no pé e assumiu parcela de culpa no caso Coaf-Queiroz, e chega ao final com uma ajuda providencial para tirar o escândalo do noticiário: a divulgação de um novo capítulo da delação de Antonio Palocci.

A divulgação só ocorreu porque a Polícia Federal decidiu anexar, hoje, parte da delação que existe desde abril de 2018 em um inquérito sobre Belo Monte que tramita sob sigilo.

Na delação divulgada pelo G1, Palocci afirmou que Lula recebeu propina pela obra da Andrade Gutierrez em Belo Monte. O ex-ministro relatou que levou o dinheiro pessoalmente ao ex-presidente, uma vez dentro de uma caixa de uísque, em outra suposta oportunidade, dentro de uma caixa de celular.

“[Palocci] Também se recorda que, dos recursos em espécie recebidos da ODEBRECHT e retirados por Branislav Kontic, levou em oportunidades diversas cerca de trinta, quarenta, cinqüenta e oitenta mil reais em espécie para o próprio Lula”, diz trecho divulgado pelo G1.
 
“Em São Paulo, recorda-se de episódio de quando levou dinheiro em espécie a Lula dentro de caixa de whisky até o Aeroporto de Congonhas, sendo que no caminho até o local recebeu constantes chamadas telefônicas de Lula cobrando a entrega.” Isso teria ocorrido em 2010.
 
Segundo o G1, dois motoristas de Palocci confirmaram os encontros com Lula, mas não puderam confirmar que viram dinheiro dentro dos pacotes. Um deles afirmou, porém, que sabia que o ex-ministro da Fazenda, às vezes, andava com grandes quantias de dinheiro tentando não chamar atenção.
 
Palocci também disse que a empreiteira Andrade Gutierrez “pagou despesas ao Vox Populi e que, em benefício do ex-presidente, fez doações ao Instituto Lula e pagou palestras a Lula”, afirmou o G1.
 
No meio da eleição para presidente, o juiz Sergio Moro levantou o sigilo de um trecho da delação de Palocci que diz que Lula sabia dos esquemas de corrupção no governo. Moro, hoje, é ministro da Justiça, pasta que comanda a Polícia Federal.

37 comentários

  1. R$ 50 mil numa caixa de celular para Lula
    50 mil reais em espécie não cabe numa caixa de celular. Entretanto a Amoraiza adverte que além desse dinheiro poder ter sido repassado ao Lula através de cheque, a caixa pode ser de um celular tijolo, dentro da qual cabe um cheque de R$ 50 mil reais.

    O art. 69 da Lei n 9.069, de 29 de Junho de 1995, dispõe que a partir de 1º de julho de 1994, fica vedada a emissão, pagamento e compensação de cheque de valor superior a R$ 100,00 (cem reais), sem identificação do beneficiário.

    O cheque ao Lula foi nominal. Tal cheque pode até caber dentro de uma caixa de celular tijolo, o problema é que, segundo o Bolsonaro, nenhum dinheiro sujo é repassado ou recebido através de cheque mominal. Portanto, o cheque nominal de 50 mil ao Lula é uma prova de que o dinheiro é lícito.

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome