Vereador do PSL de BH é preso por receber “rachadinha” de funcionários

Vereador é do partido de Jair Bolsonaro que carregava a bandeira de "outsider" da política e contra a corrupção

Foto: Abraão Bruck/CMBH

Jornal GGN – O vereador Cláudio Duarte (PSL), do partido de Jair Bolsonaro que carregava a bandeira de “outsider” da política e contra a corrupção, foi preso na manhã desta terça-feira (02), em Belo Horizonte, acusado de cobrar de seus próprios funcionários uma quantia para si e ameaçar para que não revelassem o esquema.

Desde que iniciou o mandato na Câmara Municipal de Belo Horizonete, em janeiro de 2017, Duarte desembolsou com este esquema R$ 1 milhão. A informação é da Polícia Civil de Minas Gerais. Ele responde por crimes de peculato, concussão, formação de organização criminosa e obstrução à Justiça.

De acordo com a Polícia Civil, os funcionários afirmaram que estavam sendo constrangidos e ameaçados a mentir: “Tivemos que sobrestar as investigações porque apuramos que alguns dos funcionários vinham sendo constrangidos a não falar e até ameaçados para que mentissem”, disse o delegado Domiciano Monteiro, chefe da Divisão de Fraudes e Crimes contra o Patrimônio.

Além de preso temporariamente, por um período de cinco dias, a Justiça determinou a indisponibilidade dos bens do vereador do PSL, que ficará afastado do mandato por 60 dias. O chefe do gabinete do vereador, Luiz Carlos Cordeiro, responsável por recolher os salários dos funcionários, também foi preso e mais quatro funcionários do político foram afastados da função.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Brasil: 100 mil mortos, e um ministro da Saúde interino

6 comentários

  1. este é um caso onde o exemplo vem de cima. Pelo histórico dos Bolsos no legislativo pode-se ver que PSL é o Programa de Surrupiar os Legislativos. Talvez para a visão do ministro da justiça isto não seja um grande mal, ou ao menos um mal perdoável, pois tem-se a falsa impressão que as verbas do gabinete pertencem aos “dono” do cargo. Este é o caixa 0

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome