Delação de Pedro Malasartes e programa Criança Desesperança, por Sebastião Nunes

Uma semana antes do casório, o Noivo-Velho deixou de lado os preparativos para se dedicar a nova tarefa: lançar uma grande campanha de arrecadação de fundos para rechear os bolsos dos cupinchas.

Reunidos no salão de festas do Palácio do Planalto, ministros, senadores, puxas e deputados fizeram absoluto silêncio quando o Chefão-Golpista-Mor perorou assim:

– Meus amigos, irmãos, camaradas, dar-vos-ei hoje uma rápida pincelada do que tramamos nas madrugadas dos porões.

Pigarreou o grosso pigarro dos velhos e continuou:

– Vamos lançar o notável programa Criança Desesperança, destinado a abiscoitar um trilhão de reais para nossos esvaziados fundos.

PRINCIPIAM AS DESAVENÇAS

– Exijo 500 bilhões pra São Paulo! – arvorou-se Joseph Serrote, amigo do peito do Golpista-Mor. – Melhor dizendo, 100 pra São Paulo e 400 pra mim.

– Nós também queremos 500 bilhões – vociferou Aecinho das Neves, digníssimo representante das Minas Gerais. – Dividido da mesma maneira aí em cima.

– Assim não dá, senhores – argumentou o Chefão-Mor. – Só vocês dois levam o trilhão inteirinho. E o resto dos cupinchas?

– Devemos dividir desirmãmente – aventou um senador pelo Mato Grosso, não sei se do Sul ou do Norte. – Vamos dividir desirmãmente, que é mais injusto.

– Concordo – disse o Rato-Amarelo-do-Rio-de-Janeiro, revirando os olhinhos. – Vamos dividir desirmãmente: 500 bilhões para cada um.

Imediatamente, todos se puseram a abrir os bolsos e a falar pelos cotovelos, de modo que a reunião ameaçava dar com os burros n’água.

Leia também:  Machado de Assis versus Robert Schwarz?, por Jorge Alberto Benitz

– Calar-vos-eis com sólidos argumentos – berrou bem alto o Chefão-Golpista. – Façam-me o favor de auscultar!

 

 

 

ESMIUÇANDO AS MIGALHAS

Silêncio funéreo. Nem uma mosca piando. Sequer um pássaro zumbindo. E foi assim que prosseguiu o Golpista-Mor:

– Como sabem, a Rede Bobo lança todo ano o programa Criança Esperança, que serve de camuflagem para as mutretas lá dela. Dá 10 com uma mão e tira 1.000 com a outra. Arregimenta cantores caipiras, cantores bregas, descantores, atores de dramas-choramingantes, chefetes de bate-estacas de auditório – enfim, tudo quanto adora muito aparecer-quanto-mais-melhor-seja-lá-como-for. Tudo com as canjicas de fora.

– Mas que tem o nosso programa com o deles? – indagou o espertíssimo Joseph Serrote, seguido por Aluvião Nunes, que sacudia a cabeça pelada.

– Tudo a ver – disse sucinto o Chefão-Mor. – Se eles têm os picaretas Bobais, nós vamos fazer convênio com a Rede Recordar, inimiga figadal deles, sempre a fim de passar rasteira neles.

– Taí, gostei – disse Aecinho das Neves, que não gostou nada, afilhado dileto que era da Rede Bobo. – Mas quero meus 500 bilhões. Tiro 350 pra mim, 50 pra minha irmãzinha do peito e divido outros 100 com a miuçalha do partido-aos-pedaços.

ESMIUÇANDO O PROGRAMA

– Tá bom, tá tudo certo, isso veremos depois – desistiu de pendengar o Chefão-Golpista, enrugando a enrugada testa. – Por agora vamos discutir a campanha.

– Apoiado, chefe – disse o chefe-de-etc., emergindo da multidão de basbaques.

Leia também:  Lista de Livros – História e dialética (Parte II), de Leo Kofler

– Vamos lá – entoou o Golpista-Mor. – Primeiro ponto: Rede Bobo versus Rede Recordar. Segundo ponto: o programa deles se chama Criança Esperança e o nosso é o Criança Desesperança. Tudo a…

– Mas, chefe – disse o chefe-de-etc. – Esperança é o antônimo de Desesperança.

– Sei disso, meu caro – empinou o nariz o Chefão-Mor. – Mas em comunicação, isto é, na teoria dos marqueteiros, os opostos se equivalem. Em termos de marketing, oito e oitenta são a mesma coisa. O meio é a mensagem. Se quem diz é uma gostosona televisiva todos engolem desesperança como se fosse esperança e vice-versa.

– Mas, chefe – insistiu o chefe-de-etc. – O cartaz que o senhor preparou é uma cópia escarrada do cartaz da Rede Bobo…

– É nada – bateu o pé o Chefão-golpista. – Primeiro, as palavras desdizem o que dizem. Segundo, as figurinhas de crianças deles estão de cabeça pra cima e as nossas de cabeça pra baixo. Diferença abissal.

– Concordo, chefe – concordou o chefe-de-etc. Isso deve confundir a cabeça dos contribuintes. Pode ser que um doador do Criança Esperança acabe doando pro Criança Desesperança – e vice-versa.

– A ordem dos fatores não altera o produto, filosofou alguém que não lembro – disse o Golpista-Mor. – o que importa é o resultado em grana.

APROVANDO AS MIGALHAS

– Então tá – concordaram, balançando as cabeças despensantes, Joseph Serrote, Aecinho das Neves, Rato-Amarelo-do-Rio, Aluvião Nunes e o resto da tropa, que nem vale a pena nomear, pois são farinha do mesmo saco, ratos da mesma ninhada.

Leia também:  Em livro, jornalista da Maré denuncia censura e militarização nas favelas

– O único problema vai ser levantar a grana que vocês querem – disse encarando a turma o Chefão-Mor.

– Não vejo nada demais – disse Aecinho das Neves. – Existem no Brasil mais ou menos 100 milhões de crianças e adolescentes. Se a gente pintar eles de ouro e vender pros piratas do Caralhibes, arrecadaremos mais do que o suficiente.

– Pode dar certo – concordou sorrindo o Chefão-Golpista. – Vamos calcular agora mesmo os valores. Convoco para uma reunião Joseph Serrote, Rato-Amarelo-do-Rio, Aecinho das Neves e Aluvião Nunes, que são economistas de mão cheia.

E até a véspera do casório só fizeram despensar o impensável.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. O criança esperança é  um

    O criança esperança é  um programa em torno da criança e não em prol da criança. fica bem na foto pra qualquer (pseudo) artista aparecer nessas coisinhas que a globo cria dizendo ser obra social. mentira. São  formas de idudir os milhões de iludíveis que sempre estão dispostos a acreditar em tudo  o que dizem os homens de bem que usam paletó e gravata, gostam de câmeras e microfones, não raro frequentam os púlpitos políticos e religiosos e necessariamente falam  de famílias no sentido tradicional da palavra. Certo está o Paulo Moreira Leite que hoje escreveu que a glogo nunca apoiou os programas afirmativos do governo do Pt. Bolsa família, lei de cotas , mina casa minha vida qunado não ignorados, foram rasteiramente criticados pelo império dos marinhos. Chega ser sádico ver agora os atores globo pedir melhoras na educação e saude e uma vida mais digna pra nossa infãncia depois da cachorrada que os patroes deles  fizeram com todos os avnaços do setor social nos governos petistas. Engraçado que poucos atores globais se pronunciaram a respeito do golpe e continuam silenciosso até hoje. Cadê o Fagundes, o Nanini,  o Caruso, o L duarte … Se o Senhor resolvesse jogar um raio em cada hipócrita da Globo, iria faltar eletricidade no céu. 

    • Celso, seu comentário foi. . .

      Celso, seu comentário foi a melhor síntese que ví até hoje sobre a hipocrisia do  programaCriança Esperança da Rede Globo, enquanto pedem uma moedinha para ajudar as pobres criancinhas do Brasil, torpedearam durante 13 anos todos os programas sociais do governo do PT, que tinham por finalidade principal, dar casa, comida, escola e saúde para essas pobres crianças.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome