A minha alma é crespa. E eu sou ingrato, por Romério Rômulo

A vida é aquilo que morre no palato / Sobre pedras e trevas. Ervas ervam.

Lucian Freud

A minha alma é crespa. E eu sou ingrato.

por Romério Rômulo

1.
A minha alma é crespa. E eu sou ingrato.
Depois das instâncias de água que nos levam
A vida é aquilo que morre no palato
Sobre pedras e trevas. Ervas ervam.
2.
Não era solidão. Nem é segredo
Que a cava a me lamber a poesia
Carrega o seu véu de fantasia
Fundado na entranha e no degredo.
3.
Veio à socapa. A máscara que surge
É vento e pedra e tâmara e insurge
Sob a mácula da carne, carne pura
Quando a vida te mata e é doçura.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Se o ano 2020 acabou, a porta 2020 também não existe mais, por Sebastião Nunes

2 comentários

  1. maravilha de vida em poesia ou de poesia em vida, parabéns nos dois sentidos…
    permita-me resumir: como os elos de uma imensa corrente a flutuar, uns sofrem para que outros se libertem enganados

    muito obrigado pela oportunidade de ler a exatidão em poesia

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome