A minha alma é crespa. E eu sou ingrato, por Romério Rômulo

A vida é aquilo que morre no palato / Sobre pedras e trevas. Ervas ervam.

Lucian Freud

A minha alma é crespa. E eu sou ingrato.

por Romério Rômulo

1.
A minha alma é crespa. E eu sou ingrato.
Depois das instâncias de água que nos levam
A vida é aquilo que morre no palato
Sobre pedras e trevas. Ervas ervam.
2.
Não era solidão. Nem é segredo
Que a cava a me lamber a poesia
Carrega o seu véu de fantasia
Fundado na entranha e no degredo.
3.
Veio à socapa. A máscara que surge
É vento e pedra e tâmara e insurge
Sob a mácula da carne, carne pura
Quando a vida te mata e é doçura.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora