Breve perfil de brasileiros ilustres: Aecim Neves da Cunha, por Sebastiao Nunes

Por Sebastiao Nunes

Breve perfil de brasileiros ilustres – Aecim Neves da Cunha

Em sua longa carreira po-lítica, po-livalente, po-lêmica e po-eirenta, iniciada sob as asas do avô Tancredo, Aecim cometeu alguns ligeiros desvios de conduta, sem jamais prejudicar quem quer que fosse, como veremos a seguir. [A fonte é sempre a Wikipédia em português. Os comentários entre colchetes são do autor] [Ah, desculpem, mas só vamos tratar de acontecimentos a partir de 2011, quando foi em-po-leirado no senado. Antes era apenas criança mimada, adolescente po-paricado, assessor mimado do avô e playboy po-paricado, depois deputado mimado pela mídia, depois governador sem mácula que… Ah, deixa pra lá! Para que remexer em po-eira, não é mesmo?]

Em abril de 2011, Aecim se recusou a fazer o teste do bafômetro e teve a carteira de habilitação apreendida em uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro. A carteira foi apreendida por estar vencida. Segundo os policiais, Aecim foi liberado por não apresentar sinais de embriaguez. Sua assessoria informou que o bafômetro não foi usado e que ele, Aecim, nem sabia que a carteira de habilitação estava vencida. [Tão avoado, coitado, não passa de um eterno distraído] [Teste de pó? Claro que não, imagina se vão perturbar um senador da república com tão sórdida suspeita]

 

Em 2015, o senador Aecim Neves perdeu a ação judicial movida contra os sites de busca Yahoo, Bing e Google. A ação, iniciada em 2013, contestava a exibição nesses mecanismos virtuais de busca de notícias falsas [segundo ele], que o relacionavam a desvios de verbas da saúde. O juiz do caso entendeu que, embora falsas as notícias, não poderiam ser responsabilizados os sites que funcionariam como “livreiros virtuais” não se responsabilizando pelas ideias divulgadas neles. A ação que busca excluir postagens que vinculam o nome de Aecim ao consumo de drogas corre em segredo de INjustiça e foi iniciada em dezembro de 2013. [Sabe-se que, testemunha-chave, o também senador José Perrella, amigo do peito e parceiro de pó, jura de pés juntos que é tudo plantado por inimigos políticos. Quanto às acusações por tráfico de droga, cala-te boca!]

Leia também:  “O menino do Bandolim”, um mergulho na vida de Ian Coury

Ainda em 2015 o jornal Folha de S. Paulo publicou reportagem em que Aecim Neves foi citado em depoimento de delação de Carlos Alexandre de Souza Rocha [que nas investigações da Operação Lava Jato é investigado como funcionário do doleiro Alberto Youssef], dito cujo afirmando que fez uma entrega de trezentos mil reais a um dos diretores da UTC, Antonio Carlos D’Agosto Miranda, e que o valor era destinado a Aecim Neves. A reportagem aponta que a assessoria do senador negou [claro!] a acusação e o STF [lógico!] homologou o depoimento. [Crápula, cretino, baita mentiroso esse tal de Carlos Alexandre. Perguntem ao parça Josef Serrote se ele, Aecim, seria capaz de chafurdar na po-eira por conta de uma mixaria dessas. Quem foi governador não faz lambança de vereador]

O senador Delcídio do Amaral [aquele do cabelo branco, lembra?] acusou [gratuitamente] Aecim, em delação premiada [mais uma!] homologada em 15 de março de 2016 pelo STF [sic], de ter recebido vantagens ilegais na estatal de energia Furnas [sic]. Dimas Toledo [sic], ex-diretor de engenharia [sic] de Furnas, era quem operava o esquema de corrupção na referida estatal e teria, segundo o de-po-ente, “fortes vínculos” [sic] com Aecim. [Como se trata de chumbo grosso, ficou po-r isso mesmo, claro!, lógico!, evidente! Quem foi governador e é da elite aristocrática-social-dominante não perde a majestade] [Em dúvida, pergunte pro Gilmárcio Mendes, aquele careca do STF ou pro Serjão Moro, aquele cabeludo lá do Paraná]

O senador também foi acusado, por um executivo da Odebrecht [eita turma de boquirrotos, sô!], de montar esquema de propina, enquanto era governador de Minas. Aecim afirmou que o chamado “2,5 a 3 por cento de propina” foram doações legitimas “que todo o conteúdo é de conhecimento público”. [Eu não fiquei sabendo. E você?] Em abril de 2017, o relator da Operação Lava Jato, um tal de Edson Fachinho, autorizou a investigação das denúncias contra o senador pela PRG. [Conversa antiga, coisa em que não vamos remexer, senão fede mais. Caso você duvide, é só perguntar por Anastasia, que conferiu as contas do antecessor, tim-tim por tim-tim [sic] e aprovou tudo [sic], sem mudar uma vírgula. Depois mandou a INjustiça arquivar pois, como todos sabemos, lá em Minas quem mandava na INjustiça eram eles, a trinca do silêncio]

Leia também:  O racismo fede, por Izaías Almada

No dia 17 de maio de 2017 foi homologada a delação premiada [po-rra, mais uma?] de Joesley Batista e Wesley Batista, empresários da JBS, que tem uma gravação de 30 minutos de Aecim pedindo a Joesley 2 milhões de reais, quantia que seria usada para pagar sua defesa na Lava Jato [sic]. Toda a operação de recebimento do dinheiro foi filmada e rastreada pela Polícia Federal. Aecim foi afastado do Senado por ordem do ministro Fachinho, que determinou que Aecim fosse impedido de exercer as atividades parlamentares. [Foi, não foi? Mas depois ficou o dito pelo não dito, não é mesmo? Ah, Brasil, isso é que é república batuta e po-derosa!]

No dia 18 de maio, Andrea Neves, irmã de Aecim [xiiii, fedeu!], foi presa pela Polícia Federal em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte [município no qual se instalou o Instituto Inhotim, conhecido mundialmente por lavagem de dinheiro. Andrea foi presa devido a suspeitas de que ela tenha pedido dinheiro ao empresário Joesley Batista em nome de Aecim. Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aecim, também foi preso em Nova Lima, sendo o responsável por receber o dinheiro. Também foi solicitado por Rodrigo Janot, o então PGR, um pedido de prisão contra Aecim, mas o relator da Lava Jato no STF, o tal de Fachinho, negou o pedido. [Claro, né?] [Também ficou por isso mesmo, como sempre e eternamente]

Em 2 de junho de 2017 o então PGR Rodrigo Janot, denunciou Aecim ao STF pelos crimes de corrupção passiva e obstrução da Injustiça. Na denúncia, o PGR pede que Aecim e sua irmã sejam condenados a pagar R$ 6 milhões a título de reparação por danos morais decorrentes de corrupção (R$ 4 milhões) e reparação por danos morais (R$2 milhões) causados por suas condutas. A denúncia é baseada nas investigações da operação Patmos [xiii, fedeu de novo!]. Eles [cala-te boca!] foram citados nas delações premiadas de executivos da JBS. Em abril de 2018, o STF aceitou denúncia apresentada pela PGR a partir da Patmos e tornou Aecim réu. [Réu! Isso quer dizer que, quando nascer dente em galinha e perna em cobra, ele será julgado. Até lá morreu neves. Sic].

Leia também:  Obra de professor brasileiro é considerada a mais importante do constitucionalismo moderno

Em 18 de maio de 2017, [primeiro ato] Aecim foi afastado do Senado pelo ministro do STF Fachinho. O PGR também pediu sua prisão [segundo ato], mas Fachinho negou [devagar com o andor, disse ele]. Daí que Aecim retornou ao cargo no final de junho [terceiro ato], sendo novamente afastado por decisão da Primeira Turma [sic] do STF em setembro. Em outubro [quarto ato], o Senado autorizou sua volta ao exercício do mandato. Fim da peça, fecham-se as cortinas, aplausos delirantes]

Jogo de a-po-ntar erros: quais são os dois erros que po-luem a foto-ilustração?

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Evidente que não posso, nem

    Evidente que não posso, nem pretendo, defender um GOLPISTA ordinário, cujo maior e mais grave crime foi ter atentado contra a democracia brasielira  ..ajudando a promover um impeach numa presidente eleita regularmente  (embora uma de extrema INCOMPETÊNCIA)

    mas  ..por todo dito, por faltarem provas e sempre se basearem em prosopopéias flácidas, eu não confiaria em tudo o que diz Delcídio

    e por sobrar provas de desvio de carater, eu tb tomaria cuidado com as afirmações do seigneur Rodrigô Janot

    Quanto aos vícios do pó e do álcool tratar-se-iam de tragédias pessoais, tirando eventualmente o ENVOLVIMENTO dele na facilitação pro TRAFICO e no uso indiscriminado, tão comum nas autoridades, da IMORAL carteirada

  2. Parece que debochar do vício

    Parece que debochar do vício em drogas é ok pra esquerda se estivermos falando de um adversário.

    • É vêidadi!

      Acho que ele deveria ser resgatado da Cracolândia e passar por uma regeneração em abrigo social, tadinho do “viciado”…

       

  3. Já matei esta charada!

    Confesso que esta charada chegou a “inverter minha cabeça”.

    Dois erros po-luem a ilustração, são eles:

    -Um botão destrancado no paletó do Tancredo,

    -A gravata do Aecim está descentralizada.

    Agora mate a minha charada (A resposta aparecerá em 20 segundos):

     

  4. 40 ANOS DE REDEMOCRACIA. LIXO. POR QUE SOMENTE AGORA?

    É a extensão da República de Juiz de Fora. Nepotismo arcaico que entregou todas minas de ouro de MG para a Coroa Britânica. E pensam que ‘Privatarias’ é coisa recente?!! Arcaico como um sistema de governo medieval, que ressurge com um sistema de governo militar fascista em 1930. Realmente quem não conhece sua história… Produziu 3 Presidentes: JK, Tancredo e Itamar. Quase que levou Aecim ao Planalto. Playboy, cheirador, dos 17 aos 35 morando no Leblon / RJ sustentado como Funcionário da Assembléia Legislativa de MG, com uns 35 mil reais por mês. Salário de Escravidão, não é mesmo Dona Luislinda? Até hoje mora no Leblon, apesar de Governador e Senador por Minas Gerais. Mas quem o acusa hoje, não tem moral para fazê-lo. Parceiros até ontem. Foi vendido como a solução, a democracia, a seriedade, a verdadeira representação para este país. E vocês cairam como patinhos. Pato Amarelo. Coxinhas e Mortadelas mancomunados nesta farsa. Correram todos atrás do caixão do Canalha-Avô-Mor. Deixou o parceiro José Sarney para o deleite de nossa democracia indireta. Pode haver maior contracenso que “Democracia Indireta?” O Rato de Gabinete era diferente do neto? Trabalhou aonde? Política não é para ser Profissão? Faz Me Rir. E o restante da Família? E o pai do ‘Menino do Pó’? Trabalhador ou Playboy? Com o dinheiro de quem? Da Política AntiCapitalista? E eu não sabia disto !!! E uma Nação inteira acreditou neste golpe até ontem. E uma Elite inteira se sustentou nesta farsa que já dura 88 anos. Somente agora? E a filha do Serra? E a Marta e o Contrato do Lixo e a cidadania parisiense? E o Vacarezza direto do pt para o Kassab? E Vicente Cândido, parceiro de 1.a linha dos gângsters do futebol RGT, CBF, NIKE, Teixeira, Havellange,…? Ou os Felldmans na mesma linha? E filho e genro de FHC, comandando a rapinagem da Petrobrás? E o Delúbio? E Temer/OAB e Covas-Neto (outro exemplo de nepotismo), donos de Santos. Maior entreposto na América de armas e drogas? O problema era somente o Helipóptero do Perrella? Aceitamos aa Bandidolatria. Arcamos com as consequências. O Brasil é de muito fácil explicação.

  5. Aécio é mentalmente corrupto. Tem o DNA da corrupção. Ah! é sim.

    O cara tinha só 18 anos, morava no Rio de Janeiro, estudava no Rio de Janeiro, e cheirava no Rio de Janeiro, com seu próprio dinheiro público, pois era FUNCIONÁRIO FANTASMA no gabinete do pai, deputado FEDERAL, tendo sido nomeado pelo probo, honesto e digno José Sarney, em BRASILIA.

    Se duvidarem, faça uma pequena pesquisa na internet e comprovem, pois apesar de Aécio ter conseguido retirar da internet milhares nde acusações e postagens mostrando sua vida de corrupto, ainda restam tantas provas que se houvesse justiça séria no Brasil, ele es estaria condenado a morrer na cadeia.

  6. O problema não me parece ser

    O problema não me parece ser o vício tanto em drogas quanto na vida “solta”, inconsequente; o problema é esse moço ocupar cargo eletivo, tanto pelo mal que faz a Minas Gerais, aos mineiros, ao Brasil e aos brasileiros quanto o que faz a si mesmo, expondo-se dessa forma por aceitar tornar-se pessoa pública.

    E se seu avô teve alguma influência em sua carreira, em sua formação pessoal parece que a maior influência é a que ele tenta esconder adotando a marca “Neves” em vez de seu real sobrenome, sua ascendência: Cunha, de Aécio Ferreira da Cunha.

    Acho difícil que uma pessoa que leve a sério, que atine com a importância que tem um cargo público vote nesse moço. Pessoas sérias não gostam de se prejudicar.

    (***)

    Achei gozado que quando o caráter moleque-playboy do moço começou a se consolidar, logo depois do golpe, Aécio respondeu deixando a barba crescer. E só tirou, independente da controvésia pelos estetas da “mondenité” política, depois da constatação de que a barba só o fez parece mais delinquente ainda, algo como “bad boys” como o tal Artur do Val, do “Mamãefalei”…

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome