Cartas desviadas, por Maíra Vasconcelos

Cartas desviadas

por Maíra Vasconcelos

as cartas expostas à mesa, vieram alguns pássaros remexeram sua vida suas palavras contidas. mas nem assim fizeram voar as marcas da experiência. as cartas ficaram amareladas secas e facilmente entendidas ao compasso das asas. as asas sabidas e delicadas não repousaram misérias e pesos, se hospedaram em cada parágrafo lido na cozinha, em meio a frutas, as amoras representavam cada letra do alfabeto e as laranjas ácidas o contexto geral. as cartas foram abaladas reveladas, os pássaros se divertiam como crianças nada interessadas pela vida alheia. apenas queriam armar confusões e brincar sendo indiferentes às consequências. isso que o tempo jamais poderá.  

*poema escrito em agosto, 2017.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora