Lista de Livros: Seleção de textos espirituais (Parte II) – Leonardo Boff

"As religiões, em sua significação mais original e positiva, constituem as formas institucionais que traduzem o relacionamento do homem com o Absoluto"

Por Doney Stinguel
Lista de Livros: Seleção de textos espirituais (Parte II) – Leonardo Boff

Editora: Vozes

ISBN: 978-85-3260-683-9

Compilação: Cláudia Zarvos, Jânio Savoldi, Márcia Monteiro Miranda e Waldemar Boff

Opinião: bom

Páginas: 136

 

“As religiões, em sua significação mais original e positiva, constituem as formas institucionais que traduzem o relacionamento do homem com o Absoluto. A religião é sempre re-ação a uma ação prévia; é sempre resposta humana à proposta divina. É um fenômeno originário, não redutível a outro mais fundamental, que testemunha a abertura do homem a um Transcendente, a Algo de definitivamente Importante e a um Sentido que transfigura toda a realidade com todas as suas contradições. (…) Semelhante valorização teológica da religião não implica numa legitimação de tudo o que ocorre nela. Nela pode haver elementos diabólicos que traduzem mal, no nível do discurso, do gesto e da ética, as exigências do Mistério de Deus e do mistério do homem. A despeito de todas as ambiguidades que se possam apontar nas religiões do mundo (e também na religião bíblica e cristã), elas constituem os veículos comunicadores da graça, do perdão e do futuro que Deus promete aos homens.”

*

*

“A salvação anunciada pelo cristianismo constitui um conceito englobante; não se limita às libertações econômicas, políticas, sociais e ideológicas, mas tampouco se realiza sem elas.”

*

*

“Quem professa Deus e está longe da justiça, quem crê em Deus e não cria fraternidade, não professa nem crê no Deus verdadeiro, mas num ídolo.”

*

*

“Os teólogos da libertação não negam nenhum dogma; doutrinariamente, são até tradicionais; o que fazem é, à luz da verdade evangélica e também dogmática, tirar as consequências sociais em favor dos oprimidos que sempre estiveram à margem da história. A questão fundamental é a do pobre. Os que nos combatem na Igreja têm dificuldade em aceitar a centralidade dos pobres no processo da revelação e da salvação; escandalizam-se ao ouvir que os pobres, pelo fato de serem pobres e não pelo fato de serem bons, são os privilegiados de Deus. Deus é o Deus da vida. Ele toma sempre partido por aqueles que têm sua vida ameaçada ou são obrigados a morrer antes do tempo. É o caso dos pobres. Por isso, o Deus da libertação é o Deus dos pobres e marginalizados, cujo grito Ele sempre escuta, desde o grito dos oprimidos no Egito, até o grito desesperado de Jesus na cruz.”

*

*

“Maria não se comportou passivamente diante da iniciativa de Deus. Ela agiu dentro da especificidade própria da mulher. E é aqui que Maria ganha uma relevância universal. Não está só na história da salvação. Junto a ela está toda a humanidade feminina. Maria prolonga toda a grandeza, profundidade, capacidade de escuta e acolhida, de entrega e doação que as mulheres, ao longo de toda a história, viveram sob a força do Espírito.”

*

*

“A gente está tão cansado de ouvir e de dizer — o Verbo se fez carne — que nem chega a refletir o que isto significa. Ele quis realmente ser como um de nós, como eu e como tu, menos no pecado: um homem limitado que cresce, que aprende e que pergunta; um homem que sabe ouvir e pode responder. Deus não assumiu uma humanidade abstrata, animal racional. Ele assumiu, desde o seu primeiro momento de concepção, um ser histórico, Jesus de Nazaré, um judeu de raça e de religião, que se formou na estreiteza do seio materno, que cresceu na estreiteza de uma pátria insignificante, que amadureceu na estreiteza de um povinho de vila interiorana, que trabalhou num meio limitado e pouco inteligente, que não sabia grego nem latim, as línguas da época, que falava um dialeto, o aramaico, com sotaque galilaico, que sentiu a opressão das forças de ocupação de seu país, que conheceu a fome, a sede, a saudade, as lágrimas pela morte do amigo, a alegria da amizade, a tristeza, o temor, as tentações e o pavor da morte e que passou pela noite escura do abandono de Deus. Tudo isso Deus assumiu em Jesus Cristo. A nada foi poupado. Assumiu tudo o que é autenticamente humano e pertence à nossa condição como a ira justa e a alegria sã, a bondade e a dureza, a amizade e o conflito, a vida a morte. Tudo isto está presente na figura franzina do Menino que começa a choramingar no presépio entre o boi e o asno.”

Leia também:  Meu corpo, só um espaço, por Romério Rômulo

*

*

“O homem Jesus de Nazaré revelou em sua humanidade tal grandeza e profundidade que os Apóstolos e os que o conheceram, no final de um longo processo de decifração, só puderam dizer: humano assim como Jesus só pode ser Deus mesmo. E começaram então a chamá-lo de Deus. A partir deste momento, os Apóstolos, que eram judeus, deixaram de ser judeus para tomarem-se cristãos.”

*

*

“O sentido universal da vida e da morte de Cristo está, pois, em que suportou até o fim o conflito fundamental da existência humana: de querer realizar o sentido absoluto deste mundo diante de Deus, a despeito do ódio, da incompreensão, da traição e da condenação à morte. O mal para Jesus não estava aí para ser compreendido, mas para ser assumido e vencido pelo amor. Esse comportamento de Jesus abriu uma possibilidade nova para a existência humana, exatamente, uma existência de fé num sentido absoluto, mesmo frente ao absurdo, como foi a morte conferida pelo ódio a quem só amou e só buscou fazer o bem entre os homens.”

*

*

“Jesus não procurou a morte; esta lhe foi imposta de fora e ele a aceitou não resignadamente, mas como expressão de sua liberdade e fidelidade à causa de Deus e dos homens.”

*

*

“Jesus não está só na cruz. Estão os seus seguidores. Assumem sua causa, imitam sua vida e o seguem em seu destino.”

*

*

“A cruz é invenção humana. Foi excogitada para torturar o corpo dos profetas e ferir os membros que produzem a prática libertadora, as mãos, os pés e o coração. A cruz é instrumento de opressão.

Mas ela é também bênção. Jesus abraçou a cruz para ser senhor sobre a dor e a morte produzida pelo desprezo. Por ela quis solidarizar-se, não, quis identificar-se com os crucificados da história. Eles nunca mais morrerão sós. Jesus morre crucificado com eles.”

*

*

“Para o religioso manter sua identidade religiosa, para levar a sua contribuição específica deverá permanentemente ser alimentado pela oração, pela meditação e pelo doloroso processo de interiorização. Contudo, a oração e a meditação deverão emergir de um olhar contemplativo da ação. O engajamento somente é verdadeiro se nascer de um dinamismo evangélico e de uma profunda experiência interior de Deus e de Jesus Cristo, alimentada e expressa na oração pessoal e comunitária.”

*

*

“Rezar — seja feita a vossa vontade — equivale a rezar: que se faça como Deus quiser! Nisso não há lamúria nem desesperança, mas entrega confiante como uma criança se entrega aos braços da mãe. Deus é Pai e Mãe de infinita bondade. Ele tem seu Desígnio eterno; nós apenas temos projetos.”

*

*

“O cristianismo da pequena burguesia e da classe média abastada apresenta-se, não raro, como puramente sacramentalista. É uma fé de uma hora por semana, por ocasião da missa dominical ou de alguns momentos importantes da vida, como por exemplo de um batizado, de algum casamento, ou de um sepultamento. Fazem-se ritos, mas não se vive uma fé viva. Na vida concreta vivem-se valores opostos à fé; prossegue a exploração do homem pelo homem; campeia ganancia de acumular mais e mais.”

*

*

“Devemos, seguramente, ajudar a Igreja para que não se converta num reduto de machismo, de pretenso monopólio da salvação, de dominação clerical, mas em espaço onde a humanidade se sinta ainda mais humana, porque se vê potenciada em suas aspirações e encontra um lugar para alimentar seus sonhos de um mundo, finalmente, mais reconciliado consigo mesmo e com a própria natureza.”

*

*

“É coisa de Deus gostar dos últimos e pisoteados.”

*

*

“Se Deus tem um lugar nesse mundo, é ao lado dos pobres, dos que não aceitam a pobreza e se organizam na solidariedade para superar a pobreza (…) Deus não quer ricos nem pobres, quer pessoas que trabalhem, que vivam na solidariedade e na justiça. Para isso o marxismo nos ajudou a entender que o pobre não é somente um pobre, mas é um oprimido e que essa opressão é produzida por um processo de exploração do trabalho pelo capital. A pobreza não é inocente, não é produto da natureza, não é querida por Deus: é o resultado de um processo que produz de um lado riqueza e de outro, pobreza.”

Leia também:  Damares leva mercado literário infanto-juvenil à autocensura

*

*

“Aceitar o pobre como pobre é aceitar o Jesus pobre. Ele se esconde, incógnito, atrás de cada face humana. A fé nos manda olhar com profundeza no rosto do irmão, amá-lo, dar-lhe de comer, de beber, de vestir e visitá-lo no cárcere, porque visitando-o, vestindo-o, dando-lhe de beber e de comer, estamos hospedando e servindo ao próprio Cristo. Por isso que o homem é a maior aparição, não só de Deus, mas também do Cristo ressuscitado no meio do mundo. Quem rejeita seu irmão rejeita o próprio Cristo, porque quem repele a imagem e semelhança de Deus e de Cristo repele o próprio Deus e o próprio Cristo (cf. Gn 9,6; Mt 25,42-43). Sem o sacramento do irmão, ninguém poderá salvar-se. Por aqui transparece a identidade do amor ao próximo com o amor a Deus.”

*

*

“A celebração da eucaristia não pode ser feita no espírito de Jesus se junto com ela não estiver a fome e sede de justiça. Traímos a memória do Senhor se por ela ocultamos ou tornamos irrelevante a presença de relações injustas na comunidade dos fiéis que celebram e assistem à eucaristia.”

*

*

“A prática de Jesus é instauradora do Reino porque é uma prática de comunhão com os pobres, de reconciliação com os pecadores, de convivência com todos, particularmente com os marginalizados, e de serviço indiscriminado a cada um que encontra.”

*

*

“O pobre não existe como fatalidade; sua existência não é politicamente neutra, nem eticamente inocente. O pobre é o subproduto do sistema no qual vivemos e do qual somos responsáveis. Na verdade o pobre é um empobrecido, isto é, um esbulhado, roubado e defraudado do fruto do seu trabalho e de sua dignidade. Este empobrecimento cria um apelo para o amor cristão, não apenas para aliviar o fardo aviltante da pobreza pobre mas para criar condições de superação desta situação.”

*

*

“A solidariedade com o pobre por causa do Evangelho leva o religioso a romper com um tipo de vida e de relações próprias dos setores privilegiados da sociedade. Sua presença no mundo se torna um sinal crítico e profético. O pobre com o qual se solidariza não é simplesmente pobre: é um empobrecido, aquele a quem lhe foram tirados os meios para ser um membro da sociedade, e dela foi posto à margem. Um amor inteligente ao pobre obriga a compreender a fundo a estrutura social que gera a pobreza, como subproduto da riqueza das minorias opulentas. Daí a necessidade de o religioso ser crítico e não ingênuo e de estar sempre atento às manipulações que o status quo pode continuamente fazer na instrumentalização da vida religiosa para um assistencialismo que acalma a consciência e cria a ilusão de estar servindo realmente ao mundo dos pobres. A presença crítica do religioso implica por um lado denúncia de uma situação que contradiz o plano de Deus e a mensagem evangélica e por outro anúncio de real fraternidade e de repartição dos bens e dos encargos e pesos a serem carregados por todos.”

*

*

“Para mim ser franciscano é um desafio para ser simples, para o encontro com Deus na terra, no irmão, especialmente no pobre, na fidelidade ao sangue e às raízes telúricas de nossa existência visitada pelo Filho de Deus que se fez nosso irmão nisso tudo e não apesar disto tudo.”

*

*

Natal: A eterna criança que vive em nós

O Natal é muito mais que uma festa do calendário cristão. É uma festa universal do coração humano, da fé pura e simples. Esta fé nos assegura: não precisamos ter medo de Deus. Ele é uma criança. Seu choro meigo não afugenta ninguém. Seus braços estão enfaixados. Eles não são ameaçadores. Mais que o senhor dos exércitos e o Onipotente que tudo cria ou destrói, Deus é ternura e humanidade. Ele não quis nos visitar apenas. Ele decidiu morar conosco. Ter pele, sentidos, sentimentos, coração, alegria e saudades. Por isso o Natal é a festa da reconciliação com um dos desejos mais profundos do ser humano: o de sentir-se aceito definitivamente, de não ser ameaçado por ninguém, de encontrar o coração caloroso de Deus.

Leia também:  Um mundo em decomposição, por Wilton Moreira

O Natal é também a festa de uma fé muito humana que se transforma em esperança. A fé-esperança reside nisso: a última palavra não a tem o interesse, o lucro, 0 conflito e a dura luta pela vida. Mas a ternura, a gratuidade, o jogo, a bem-querença e o amor. Neste sentido, a Criança que jaz entre o boi e o asno no presépio não representa o começo da vida. É: o seu símbolo e a sua plenitude. A fé-esperança nos garante que, apesar de todas as camadas de cinzas que acumulamos sobre o nosso coração, ele sempre pode vibrar. Ele conserva uma inocência original. Nele habita uma criança que um dia fomos e que nunca deixamos de ser.

Ocorre que o tipo de vida a que historicamente nos submetemos, pelo menos nos últimos quinhentos anos — a famosa modernidade — nos leva a correr de cá para lá,  a fazer tudo às pressas, a romper todos os ritmos naturais, do dia e da noite, do perto e do longe, a ponto de sentirmo-nos frequentemente envelhecidos. A criança que somos, capaz de tomar o seu tempo para a conversa de família e dos amigos, capaz de combinar o sério com o jocoso, o trabalho com o lazer, a gratuidade com o dever, se retrai para o fundo do coração. É aí que começa a viver de sonhos. Mas estes sonhos são parte de nossa própria realidade séria. A criança em nós sonha com um mundo reconciliado, com uma atmosfera de festa, onde as pessoas são todas amigas. Sonha como o profeta Isaías, há quase três mil anos atrás: o lobo morará com o cordeiro, o leão e o boi comerão juntos e a criança, sem receios, brincará na toca da serpente. Atualizando, sonha com cidades sem favelas, com um convívio sem violência, com nossas florestas respeitadas, com os indígenas defendidos, com as mulheres libertadas, com os negros livres das discriminações.

Que seria de nós se não pudéssemos sonhar? Afogar-nos-íamos na brutalidade dos fatos quotidianos. Ficaríamos presos nas malhas de nossas próprias construções, sempre limitadas. O sonho nos libera para frente e para cima. Desfataliza nossa história, porque ela sempre pode ser diferente. O milagre é possível. A magia existe. Há magia maior do que esta:

Jesus ser o Deus encarnado na forma de uma criança num presépio?

No Natal, por um momento, por uma noite, podemos vislumbrar a verdade do sonho. As pessoas se sentam ao redor da mesa e celebram a ceia. É a comunhão plena, com as pessoas, com as luzes, com as comidas, com os presentes. Nesta noite santa, por um momento, sentimos que somos importantes para alguém. Não somos um ninguém. Trocamos presentes como expressão da amizade, do carinho e da excelência. A criança que mora em nós nasce. Neste dia ela ocupa a centralidade da vida. Por causa da criança do Natal, recuperamos a coragem de viver, apesar de todas as opressões que pesam sobre nossa existência ou que sobrecarregam nossa consciência. É bom sermos humanos, homens e mulheres, e tentar cada dia construir nossa própria humanidade. Por causa da criança que dormita em nós estamos convencidos de que a luz tem mais direito do que as trevas, luz que nos dá todas as razões de continuar a viver e a lutar.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora