Minha estrada, minha rua/Minha musa naufragada, por Romério Rômulo

Minha casa de artefato / Meu estado de cerrado

Basquiat

Minha estrada, minha rua/Minha musa naufragada

por Romério Rômulo

São corpos feitos de matas
Olhos feitos de carvão
Aços, trevas, tantas pragas
Eito, grão, ferro e canhão
Minha casa de artefato
Meu estado de cerrado
Meu olho mais alargado
Minha mão mais ressentida
Aos montes, vacas e bois
Terras em légua quadrada
Minha falta de armada
Meu pelo de onça nua
     -Minha estrada, minha rua
      Minha musa naufragada.
Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O amor sempre foi fera q me habita/Byron é a minha surpresa, por Romério Rômulo

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome