Modesta proposta para melhor aproveitamento dos filhos das pessoas pobres

por Sebastião Nunes

Jonathan Swift, deão da catedral anglicana de Saint Patrick, em Dublin, nasceu em 1667, morrendo surdo e louco em 1745. Sua obra mais conhecida é “Viagens de Gulliver”. Uma dessas viagens foi para Lilliput, termo que significa “pequena puta”. Outra, para Laputa, que dispensa tradução.

            Dele, o texto curto mais importante é “Uma modesta proposta”, sendo o título completo “Uma modesta proposta para impedir que os filhos das pessoas pobres da Irlanda sejam um fardo para os seus progenitores ou para o País, e para torná-los proveitosos aos interesses públicos”.

            Como o Brasil caminha a passos largos para se transformar numa indisfarçada antidemocracia, me apresso a reproduzir alguns trechos dessa notável e valiosíssima Proposta, contribuindo assim para que o Interino, seus ministros-interinos e a cúpula da FIESP possam aplicar tais ideias em seus experimentos antidemocráticos.

            Trata-se de obra amplamente disseminada entre intelectuais, mas não estou certo de que nossos políticos e juristas, mais empenhados em arquitetar golpes e colecionar malfeitos, tenham chegado a conhecê-la.

 

TEM POBRE DEMAIS NO BRASIL

            “É motivo de tristeza, para aqueles que andam por esta grande cidade ou viajam pelo país, verem as ruas, as estradas ou as portas dos barracos apinhadas de mendigos do sexo feminino, seguidos por três, quatro ou seis crianças, todas esfarrapadas, a importunar os passantes com solicitações de donativos. Essas mães, em vez de poderem trabalhar pelo seu honesto sustento, são forçadas a perambular o tempo todo atrás de esmolas, a fim de sustentar seus pequenos desvalidos, os quais, à medida que crescem, se tornam ladrões, por falta de trabalho.”

Leia também:  Lista de Livros por Doney Stinguel: História e dialética (Parte IV), de Leo Kofler

            “Uma criança que tenha saltado recentemente do ventre de sua mãe pode muito bem ser mantida com o leite dela durante um ano inteiro, e com pouca nutrição adicional: quando muito, não mais que o valor de dois xelins, ou mesmo com as sobras, que a mãe poderá certamente conseguir por meio de uma honesta mendicância. E é exatamente na idade de um ano que proponho aplicar-lhes minha solução, de modo que, em lugar de se tornarem um fardo para seus pais ou para a paróquia, ou de carecerem de alimento e vestuário pelo resto de suas vidas, virão, pelo contrário, contribuir para alimentar e, em parte, para vestir muitos milhares de outros.”

 

EQUACIONANDO O PROBLEMA

            “Agora, proporei humildemente minhas próprias ideias, que acredito não serão suscetíveis da menor objeção.”

            “Um americano, muito experiente, me disse em Londres que uma criança nova, saudável e bem nutrida é, com a idade de um ano, um petisco bastante delicioso e salutar, seja servida ensopada, assada, grelhada ou cozida; e não tenho dúvida de que poderá ser preparada como um fricassê ou um ragu.”

            “Assim, ofereço humildemente à consideração do público o seguinte: que de cada 120 mil crianças nascidas, 20 mil possam ser apartadas para a reprodução, das quais apenas uma quarta parte serão machos, o que é mais do que costumamos fazer com as ovelhas, as vacas ou os porcos. Que as 100 mil remanescentes possam ser, com um ano de idade, oferecidas a pessoas de qualidade e posses em todo o reino, sempre advertindo as mães para que as amamentem bem no último mês, de modo que fiquem bem cheinhas e fornidas para uma boa mesa. Uma criança dará dois pratos numa recepção de amigos e, quando a família jantar sozinha, os quartos anteriores ou posteriores fornecerão um prato razoável; e, com uma pitada de pimenta e de sal, aguentará bem até o quarto dia, especialmente no inverno.”

Leia também:  Razão ou glória? Confetes não servem para nada, por Neemias Almeida

            “Admito que esse alimento seja caro, portanto adequado aos proprietários, os quais, já tendo devorado os pais, têm todo o direito de fazer o mesmo com os filhos.”

 

ESCLARECENDO MELHOR

            “Já computei os custos de nutrição de uma cria de mendigo, como orçando em torno de dois xelins por ano, farrapos incluídos; e acredito que nenhum cavalheiro se queixaria de dar dez xelins pela carcaça de uma boa criança gorda, a qual, como já disse, fornecerá quatro pratos de carne excelente e nutritiva, quando ele tiver apenas algum amigo ou sua própria família para jantar. Então o proprietário aprenderá a ser um bom patrão e ganhará popularidade entre seus peões, a mãe açambarcará oito xelins de lucro líquido e estará em condições de trabalhar até produzir outro filho.”

            “Aqueles que são mais econômicos (como, devo confessar, estes tempos andam a pedir) poderão esfolar a carcaça, cuja pele, adequadamente curtida, proporcionará luvas admiráveis para as senhoras e botas de verão para os cavalheiros.”

 

MAGNÍFICOS RESULTADOS

            “Suponho que as vantagens da proposta que faço são óbvias e diversas, bem como da mais alta importância.”

            “Os arrendatários mais pobres, que nunca souberam o que é ter dinheiro, possuirão alguma coisa de valor, a qual por lei poderá estar sujeita a confisco, a fim de ajudar a pagar o aluguel aos proprietários, já tendo sido o seu gado e o seu milho devidamente pilhados.”

            “As parideiras constantes, além do ganho de oito xelins por ano com a venda de seus filhos, estarão livres do fardo de sustentá-los após o primeiro ano de vida.”

Leia também:  Médicos brasileiros não querem trabalhar com pobres, mostra estudo da USP

            “Finalmente, haveria um grande incentivo ao casamento. Aumentaria o cuidado e a ternura das mães pelos filhos, pois estariam certas de uma colocação para seus pobres bebês no futuro, obtendo ganhos anuais em vez de despesas. Observaríamos em breve um honesto sentimento de emulação entre as mães, a fim de verem quem traria o filho mais gordo para o mercado. Os homens teriam tanto interesse por suas esposas, durante o tempo da gravidez, quanto têm agora por suas éguas, suas vacas ou suas porcas em vias de parir; e não mais se prontificariam a bater nelas (como é a prática frequente), receando com isso um aborto.”

 

            Fica, portanto, encaminhada a Modesta Proposta do deão Jonathan Swift, transcrita sem qualquer alteração, que decerto não desagradará ao Interino, a seus ministros, aos membros do Supremo Tribunal Federal e de nosso judiciário, além da cúpula da FIESP, todos, sem dúvida, apreciadores de pratos delicados, raros e caros.

 

Ilustração: Intervenção sobre uma das “pinturas negras”, de Goya.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Os golpistas no Poder encaminham o maior ataque a pobres
    “Vamos esperar o bolo crescer pra distribuir”. O bolo cresceu, migalhas dele foram distribuídas melhorando a vida do povão. Mas q o q?! Melhorar vida de pobre, melhorar um pouco sua situação de escravo?! Teje preso Lula, Dilma, teje acabado PT!

  2. Prezado Sebastião, permita-me

    Prezado Sebastião, permita-me questioná-lo em dois tópicos que considero importantes, data vênia. Na Irlanda de Swift as crianças, mesmo as pobres, eram todas brancas e de olhos azuis. Aqui isso é uma raridade, se é que existe alguma, entre os pobres. E você acha possível selecionar 20 mil em 120 mil, para reprodução, onde a maioria, ou a totalidade, não seja de negrinhos? E vai querer reproduzir negrinhos? Não seria melhor mandar todos para a panela? Esses questionamentos me levam ao 2º tópico importante: Nossos abastados comprariam os negrinhos para seus quitutes, arghhh, que nojo, sabendo serem eles descendentes de um ramo maldito, segundo a Sagrada Bíblia, conforme nos ensina muito bem determinadas seitas representadas em nosso congresso por insuspeitos políticos? Não ficariam todos encalhados no mercado materno? Com outra data vênia, minha opinião: Deixa tudo como está, o Mercado, senhor da razão como o tempo, acabará regulando e ajeitando as coisas. 

     

     

  3. O perigo é se um ministro

    O perigo é se um ministro qualquer desse governo de golpistas ladrões leva isso a  sério…Vade retro miSHELL temer !

    • Essa é também minha

      Essa é também minha preocupação. Vai que o interino MySHELL queira economizar alguns milhões do Bolsa Familia…

       

       

  4. Projeto encaminhado a Câmara

    Já existe um projeto encaminhado à Câmara que retira vários direitos dos trabalhadores desde a época de Vargas.Este projeto, eu não sei se foi publicado no GGN se não foi, por favor, publicar,

  5. Pequena discordância

    p { margin-bottom: 0.1in; line-height: 120%; }

    Proposta interessantíssima para resolver o problema da pobreza.

    Acho porem que a idade de um anos para o abate é discutível.

    Aos economistas a tarefa de otimização e definirem quando o investimento é maximizado para a mamãe.

    Leitazinho de seis meses? A palavra com a FIESP, ….

  6. Lindo! Sugiro encaminhar ao

    Lindo! Sugiro encaminhar ao dr. Alckmin, haverá substancial economia de balas contra a ‘tigrada’. Grande Swift, não à toa tornou-se marca de frigorifico (Swift/Armour)

  7. e……….

    Ssátira inteligente, mas duvido que os “intelectuais”  da fiesp ou outros de menores importância nos meios, a leiam e compreendam !!!!!!

  8. Crítica ácida feita sob medida para esse governo golpista!

    Parabéns !!!!

    você conseguiu responder à altura os ataques Q esse governo tem feito aos pobres, trabalhadores, às conquistas sociais arduamente implantadas, muitas ainda mal implantadas, mas enfim, em vias de…

    E é difícil expressar nosso sentimento diante dessa barbárie que diariamente nos defrontamos!

    Suas sugestões não poderiam ser melhor “ilustradas” que pela obra negra de Goya.

    Sua crônica é um soco duro no estômago deles!!!!

    Perfeita! Sinto-me representada nela!

    Obrigada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome