não há corpo habitável no caminho, por romério rômulo

as sombras encolheram / o doce do meu corpo.

Marc Chagall - La Revolution - Foto Getty Images

não há corpo habitável no caminho

 por romério rômulo

1.

ando inabitável como ciranda calada.

a cadela que cuida de mim

alforriou meus ossos

os vinhos sobraram, fizeram festas

e nem assim eu quebrei.

as sombras encolheram

o doce do meu corpo.

2.

não há corpo habitável no caminho.

quando você se misturar comigo

eu vou beber sua água e seu levedo.

 

romério rômulo

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome