O fel onde eu me lavei/pode ser velho e menino, por Romério Rômulo

E se meu rosto púrpura se fosse / na tua efervescência agridoce?

O fel onde eu me lavei/pode ser velho e menino

por Romério Rômulo

 

1.

Um olho que me flagra, inclemente

a mão que é fiel e me sustenta

o braço que me esmaga, de repente:

 

a moça tem um  olho de tormenta.

 

2.

E se meu rosto púrpura se fosse

na tua efervescência agridoce?

E se a tua mão me desviasse

em contrição perdida e me calasse?

 

Eu morto, que talvez assim devesse

no fogo miserável onde eu nascesse.

 

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Os Rifões de Sancho Pança

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome