Singularidade, por Wilton Cardoso

o canto no entanto entorna / e entorta a boca em abismos

Singularidade

Por Wilton Cardoso

Do blog do autor

eu queria muito um poema-luz
um leite explodindo sol
pela boca uma língua-céu
sorvendo o raiar do dia

a vida    infinita    manhã

o canto no entanto entorna
e entorta a boca em abismos

entranhas mudas     obscuras

estradas de nenhum lugar
a lugar algum me despencam
viagens despedaçadas

palavras-brumas do destino
me cuspindo a vazios e muros

é a voz que me abisma os caminhos
ou são os absintos
abissais que me habitam
precipitando sonoros voos

cegos no vácuo submerso?

a vida-verbo em mergulho
quase não se respira

meus versos têm um ritmo
de cavalgar os precipícios
só destoando consigo rimar

só    eu mudo    consigo cantar

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Construindo inimigos a partir da linguagem, por Sebastião Nunes